Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

FIM DE UM ANO DE DERROTAS E DE VITÓRIAS


 FIM DE UM ANO DE DERROTAS E DE   VITÓRIAS - Gente de Opinião

Francisco das C. Lima Filho[1]

Chegamos ao final de mais um ano de lutas, derrotas, mas também de vitórias.

De fato, sob a perspectiva econômica, foi um ano de difícil e de muitos problemas para os brasileiros, enganados por promessas da senhora Presidente da República que curso da campanha eleitoral de 2014, para ganhar as eleições, infelizmente escondeu a verdade, pintando um quadro de normalidade e progresso que um mês após sua vitória, se mostrou não ser verdadeiro.

Durante todo o ano a situação foi se agravando cada vez mais e estamos terminando o ano com um alto e preocupante índice de inflação, recessão econômica e desemprego, deixando milhões de brasileiros sem maios de subsistência.

Enquanto isso, se assiste a uma surda luta pelo poder daqueles que eleitos pelo povo deveriam nele pensar e não em interesses pessoais mesquinhos e não raro imorais.

A Operação Lava Jato cada diz nos surpreende com novas revelações, escândalos e novos personagens envolvidos em atos de corrupção que nos envergonham, e muitos desses personagens, por incrível pareça, continuam no poder e não raro usando praticamente dos mesmos métodos condenáveis pelos quais estão sendo investigados ou processados, embora outros tantos estejam presos.

Mas, e ao mesmo tempo, devemos reconhecer a fortaleza da democracia e das instituições brasileiras, especialmente aquelas responsável pelo sistema de Justiça que têm sabido prudentemente dá as respostas que a nação delas esperava.  e isso é muito positivo.

Entretanto, urgem medidas no campo econômico para que seja debelada a inflação e haja investimentos capazes de permitir que o País recobre a credibilidade a fim de que sejam feitos investimos com a criação de emprego e trabalho para aqueles que foram atingidos pelas medidas de uma política econômica paternalista equivocada que deixou sem trabalho e renda milhões de brasileiros que hoje amargam sérias privações.

É hora de pensar no País deixando de lado divergências politoco-ideológicas e terminar, qualquer que seja o resultado, o processo de impedimento da Presidente da República e a questão que envolve o Presidente da Câmara dos Deputados,, pois só assim votaremos a ter paz e recobraremos o otimismo e a capacidade de crescimento.

Não podemos mais continuar a assistir espetáculos deprimentes e vergonhosos como aqueles protagonizado pelos membros do Conselho e Ética da Câmara dos Deputados que deveriam envergonhar seus partícipes.

O Colendo Supremo Tribunal, chamado a intervir no processo de impedimento da Presidente, num julgamento histórico de dois dias, estabeleceu as regras e os limites .Agora o Parlamento precisa assumir o seu papel e resolver esse impasse o quanto antes, seja para manter ou afastar a Mandatária da Nação. O que não se pode é continuar nessa surda luta por poder entre aqueles que defendem e os são contra o impedimento.

A nação não aguenta mais tantos atos indignos como aqueles que fomos obrigados a assistir nas duas última semana.

Temos um Constituição que precisa e deve ser seguida e respeitada, e isso o Colendo Tribunal deixou assentado na sexta-feira.

É hora de cumprir o mandamento constitucional. É isso que se espera daqueles que elegemos na doce esperança de que fossem tomar posse nos cargos para trabalhar em defesa da ordem, da democracia e do povo, e não para se apossarem desses mesmos cargos para defesa interesses pessoais menores.

Vamos aguardar o novo ano que se avizinha com a esperança de que o Brasil voltará a trilhar o caminho da ética, e do respeito. É isso que todos desejamos; . .



[1]Desembargador do TRT da 24a Região.

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.