Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Éramos felizes e não sabíamos...


Éramos felizes e não sabíamos... - Gente de Opinião

Desde a década de 1990 o drama de Rondônia com relação à falta de energia elétrica era considerado coisa do passado, tipo de fase na qual os que a viveram costumavam dizer aos recém-chegados frases como “Você devia ver com era antes, faltava três horas de luz e vinha...” Daquele 1990 em diante a coisa mudou. “Ganhamos a hidrelétrica de Samuel”.

Mas ganhamos a hidrelétrica de Samuel e veio a luz, boa e constante 24 horas por dia. Logo a geradora passou a mandar a energia também para metade dos municípios da faixa da BR-364. E as comunidades passaram a acelerar o processo de desenvolvimento do Estado.

Nos primeiros anos deste século XXI começaram a chegar as duas hidrelétricas do Madeira, e logo sentimos na carne o golpe que muita gente não ligou e que o Governo estadual àquela época não entendeu: a produção seria aqui, mas o Governo Federal designou uma cidade paulista para fazer a distribuição e, pior, nos colocou no sistema nacional.

Mas a época era de crescimento grande. Grande e de ganhos enormes para muita gente daí que a questão de entrarmos no sistema nacional não gerou preocupação apesar da Imprensa, incluindo este ALTO MADEIRA, ter seguidamente chamado a atenção para essa questão dentro da pressuposição de que em caso de necessidade o sistema iria cortar aqui para atender centros maiores – econômica e politicamente falando.

Aos poucos o sistema foi dando claros sinais de cortes, um dia, dentro de mais alguns outros, além mais. Mas nos últimos 45 dias a coisa passou para a raia do absurdo, e o pior: ninguém assume a responsabilidade.

Pior de tudo: vemos a energia sair daqui, passar sobre nossas casas, mas não podemos usá-las, tudo inclusive porque falta à classe política rondoniense compromisso real com o Estado. Francamente, dá para acreditar que além desses anúncios que andaram fazendo por aqui desde segunda-feira, deputados estaduais e federais, além dos senadores, vão fazer alguma coisa mais? Duvidamos.

Comprem velas, estoquem achas de lenha, adquiriam candeeiros, velas e outros suplementos porque estamos a um passo de voltarmos a ser como até a década de 1990. Com “Samuel” nós éramos felizes e não sabíamos. Colocaram-nos no sistema nacional. Com os resultados que estamos tendo é bom lembrar do Barão do Itararé, que anunciava: “Dize-me com quem andas que direi se vou contigo”.

Azar o nosso: nem nos perguntaram com quem iríamos andar e o resultado está aí. Como nos tempos do Território Brasília nem nos dá satisfação. Só que naquela época tínhamos um deputado. Agora temos oito deputados e três senadores que, somados, não produzem nem o barulho que fazia, sozinho, o Jerônimo Santana, de saudosa memória.

Considere-se dito!


 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.