Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'Dividir para governar'



Andrey Cavalcante

Entre as recomendações de Maquiavel até hoje adotadas como referência nos meios políticos, uma é exemplar. Ensinava o pensador italiano que o príncipe audaz deve tentar “dividir para governar” (ou reinar). “Divide et impera” – orientava ele. Em “Paz Perpétua” o filósofo Immanuel Kant, 300 anos depois, esclareceu, porém, que uma das condições para a pacificação universal seria a moralização da política, contra as astúcias utilizadas pela sabedoria imoral. Ele advertiu, em seu esboço filosófico, serem também rigorosamente imorais as máximas políticas “fac et excusa”(agir agora, e pedir desculpas mais tarde) e “si fecisti, nega” (quando você cometer um crime, negá-lo). São, como classificou Kant, estratégias comuns ao homem prático, para o qual a moralidade é mera teoria.

O noticiário político brasileiro exibe uma lamentável repetição do uso, estudado ou instintivo, da prática de promover ou estimular divisões entre os indivíduos com o objetivo de evitar alianças que poderiam desafiar o governante. E de auxiliar, estimular e dar poder político para aqueles que estão dispostos a cooperar. E, mais ainda, fomentar a inimizade e desconfiança entre lideranças políticas e incentivar gastos sem sentido dos entes federativos para reduzir sua capacidade de administração financeira e aumentar a dependência em relação ao poder central. Tudo absolutamente atual em um país que não se escandaliza ao ver um ex-presidente ameaçar a população com o “exército de Stedile” e ficar tudo por isso mesmo.

É contra isso tudo que a OAB nacional se insurge, pela recuperação da moralidade nacional, em defesa da ética na política, do respeito às leis, à constituição e ao estado democrático de direito – não custa repetir. E vai se empenhar, em campanha permanente, em favor do resgate da moralidade, da eficiência administrativa, da unificação do país e contra a reedição da CPMF ou qualquer outra elevação da carga tributária. A OAB vai envolver nessa campanha a credibilidade conquistada junto à população por todo o seu histórico de lutas. Ou, como disse o presidente nacional Cláudio Lamachia em seu discurso de posse, o “exército de um milhão de advogadas e advogados deste país, com sua opção pela democracia como a única forma aceitável de representação política.”

“Fui escolhido para representar um projeto” – disse ele, para acrescentar que “o farei sob a inspiração de Deus e junto aos colegas de Diretoria, aos membros do Conselho Federal e das comissões nacionais, aos presidentes e conselhos das 27 Seccionais, às diretorias das 27 Caixas de Assistência e das 27 Escolas da Advocacia, assim como às diretorias e conselhos das 1.010 subseções da OAB espalhadas por todo o território nacional. Nosso sistema tributário é feito para que ninguém consiga cumpri-lo, e, portanto, para que todos fiquem em mora com um Estado acostumado a criar dificuldades para vender facilidades. Um sistema tributário brasileiro é caótico e indecente. Por isso juro aqui, solenemente, perante a advocacia brasileira, combater o arbítrio, a corrupção e a injustiça em todas as suas formas de manifestação”.

Já disse aqui, em vários artigos, que o Brasil tem cura. É importante ressaltar que, na Argentina, em somente dois meses na presidência, Maurício Macri retirou todas as restrições de importações, zerou o imposto de exportação de trigo, milho e carne, e reduziu o da soja, automóveis e motos. Mesmo assim, a arrecadação aumentou. Além disso, denunciou o acordo com o Irã e expulsou médicos cubanos sob a justificativa de que não financiaria ditaduras enganando a população com uma pseudo assistência médica. Demitiu 19 mil comissionados, desmontou a “Ley de Medios” e anunciou que vai pagar todas as dívidas dos importadores argentinos, no total de US$ 5 bilhões, 80% delas com exportadores brasileiros.

Como disse o articulista Renato Follador, “a Argentina voltou ao mercado mundial de capitais, depois de 10 anos de kirchnerismo, em que foi a leprosa do mundo. Há duas semanas, investidores internacionais fizeram fila em Davos para falar com Macri. Enquanto isso, no Brasil, o Congresso parado sob o comando de dois denunciados e a presidente, sustentada por um partido esfacelado pela contradição e pela corrupção, reafirma sua incompetência, arrogância e impopularidade para fazer as reformas necessárias. Mais uma vez se confirma a tese de que governos são resultado da qualidade e da visão estratégica de seus governantes. Nunca pensei que teria inveja da Argentina.”

Isso não será necessário. Vamos concentrar esforços para resgatar a moralidade nacional. E demonstrar ao mundo que o Brasil e o povo brasileiro são muito maiores que isso. E o Brasil poderá sempre contar com a OAB pois, como disse o presidente Lamachia, nosso partido sempre foi o Brasil, nossa ideologia sempre será a Constituição Federal. A OAB não é do Governo nem da oposição, mas sim voz do cidadão. E a vitória não será desta instituição e muito menos nossa. A vitória será do Brasil e dos brasileiros”.


Fonte: Eficaz 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.