Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Dilma mobiliza aliados


 
A última pesquisa Datafolha, do jornal Folha de S. Paulo, é trágica para o atual governo. De acordo com o levantamento, a desaprovação de Dilma Rousseff chega a 71%, indicador maior que o de Fernando Collor no período pré-impeachment, em 1992. Tendo em vista a baixa popularidade, e a fim de estancar o avanço da oposição, a presidente decidiu repensar suas estratégias. Ao lado da base aliada, a petista busca alternativas para salvar sua gestão do colapso.

Na última semana, jornais do centro do país noticiaram que a presidente movimentou a tropa de ministros para evitar o conchavo dos partidos opositores pelo seu impeachment. O objetivo é disciplinar as bancadas para que não haja votos suficientes pela queda, caso o processo seja instaurado. Procedendo assim, o Planalto reage às declarações do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se mostrou disposto a avaliar pedidos dessa natureza.

Em reunião com governadores no Palácio da Alvorada (e dias depois, na televisão), a presidente tratou de reforçar seu posicionamento. Ela não nega a crise, mas afirma que o país está estruturado para a retomada do caminho do crescimento. Sobre os críticos que pedem sua queda, Dilma enfatizou o compromisso dos eleitos em governar até 2018 e afirmou que todos os representantes têm um patrimônio em comum: o fato de terem sido ungidos ao poder pelo voto democrático e popular.

O argumento recupera algo que a petista já havia mencionado anteriormente: ela está na presidência por vontade do povo. Tudo contrário a isso é golpe. Entretanto, a oposição tem uma carta na manga. Caso se comprove o envolvimento de Dilma no uso de dinheiro de bancos públicos para reduzir o déficit do governo em 2013 e 2014 – as fatídicas ‘pedaladas fiscais’ – vão chover pedidos de impeachment. Nesse momento, o governo torce por um julgamento “técnico” do Tribunal de Contas da União.

Honestamente, é difícil prever o que seria melhor para o futuro do Brasil. Dilma permanecendo, porém incapaz de agir diante de um Congresso opositor? O poder nas mãos do PMDB? Algum golpe jurídico para a chamada de novas eleições? No momento, o país parece não andar. Fica a mercê das discussões partidárias, enquanto o povo sofre com lentidão e inação. Pelo bem de todos nós, que os impasses se resolvam o mais rápido possível. Aguardemos os próximos episódios.

Fonte: Gabriel Bocorny Guidotti
Bacharel em Direito e estudante de Jornalismo.
Porto Alegre – RS

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.