Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Dez medidas contra a corrupção e o caixa 2


Gente de Opinião
Marcelo Freire


Ministério Público brasileiro comemorou essa semana a superação da meta de 1,5 milhão de assinaturas para a campanha “10 Medidas contra a Corrupção”, mas o número ainda é pequeno ser for comparado com a estimativa populacional no Brasil hoje de 204,5 milhões. A marca de 1,5 milhão de assinaturas era necessária para a apresentação de projeto de lei, o que agora poderá ser realizado, graças ao cumprimento da meta.

O movimento vem pra rua, realizado no dia 15 de março em todos os Estados, mobilizou mais de 2,2 milhões de pessoas nas ruas. A maior concentração na época aconteceu no Estado de São Paulo, quando mais de 1,1 milhão de pessoas foram às ruas contra os escândalos de corrupção. Em Rondônia, a manifestação reuniu mais de 19 mil pessoas.

Apesar de toda a mobilização da população nas ruas, se esperava um número bem maior de assinaturas contra a corrupção. A campanha foi lançada em 2015 e talvez a falta de divulgação nos principais meios de comunicação tenha influenciado no número de de assinaturas. Mas o objetivo foi atingido, que era superar a marca de 1,5 milhão para e elaboração do projeto. O próximo passo agora é trabalhar o projeto e protocolar no Congresso Nacional.

Este ano o Brasil vai passar por mais um processo eleitoral, quando a população retorna às urnas para eleger prefeitos e vereadores. O tempo é curto para colocar a proposta em votação, mas é necessário uma segunda mobilização no sentido de agilizar a votação da proposta nas duas casas legislativas.

Entre as propostas da campanha “10 Medidas contra a Corrupção”, está a medida que pretende responsabilizar, de forma objetiva, os partidos políticos em relação a práticas corruptas, à criminalização da contabilidade paralela (caixa 2). Foi o que aconteceu na eleição passada. Muitos partidos políticos foram base política para recebimento de dinheiro fruto da corrupção. Parlamentares e empresários estão presos até hoje por conta do caixa 2.

Delegados que atuaram na operação “Lava Jato” podem auxiliar com sugestões no desfecho do projeto contra a corrupção. Eles podem contribuir com informações que possam dificultar e impedir que mais dinheiro público saia pelo ralo e seja injetado em campanhas eleitorais.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.