Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

De Cabral a Dilma: 515 anos de caos


De Cabral a Dilma: 515 anos de caos - Gente de Opinião

Professor Nazareno*

Hoje, dia 22 de abril, comemora-se uma das piores tragédias da história da humanidade: há exatos 515 anos, navegadores portugueses teriam descoberto o Brasil. Apesar de fazer tanto tempo, ainda não há a certeza de que as caravelas capitaneadas por Pedro Álvares Cabral chegaram aqui casualmente ou intencionalmente. É difícil, no entanto, engolir a tesa da intencionalidade, já que desde o ano de 1453 com a tomada de Constantinopla pelos turcos e o início da Idade Moderna, os ambiciosos europeus buscavam um caminho alternativo para as Índias com o objetivo de comercializar e roubar as especiarias de lá. A fim de contornar o continente africano e dobrar o cabo da Boa Esperança no sul da África, os navegadores portugueses ao enfrentar as fortes calmarias do Atlântico Norte, podem ter chegado a estas terras por obra do acaso.

Como descobriram o que não queriam e nem tinham a menor intenção, os nossos antepassados lusitanos parece também que não se preocuparam em dotar esta terra “selvagem e tacanha” com o que melhor tinham na Europa. Diferentes dos ingleses, que descobriram os Estados Unidos e logo transformaram a nova terra em colônia de povoamento, os malditos portugueses transformaram isto aqui em colônia de exploração. Além disso, o Brasil serviu como depósito de gente da pior espécie que havia na Península Ibérica. Ladrões, assassinos, pedófilos, psicopatas e estupradores foram nossos antepassados. Roubar e explorar toda a riqueza produzida por aqui era a meta. Parecia até uma maldição. Madeiras, ouro, prata, cobre e toda a sorte de metais preciosos tudo era levado escandalosamente para Portugal sem o menor acanhamento.

Desgraça esta que continuou no DNA dos futuros habitantes e, como uma praga secular, se perpetua até hoje. Aqui, nada dá certo. O “jeitinho” e o improviso são a marca maior da nação e levar vantagem em tudo parece ser o lema preferido dos atuais escroques. Temos um dos piores capitalismos do mundo e continuamos a produzir riquezas como antigamente, porém somos a pátria da desigualdade social, dos pobres, dos miseráveis e dos famintos. Como ratos, nos multipicamos e hoje somos mais de 204 milhões de pessoas, a grande maioria sem perspectiva nenhuma de futuro e desprovidos totalmente de escolaridade, de leitura de mundo, de boas maneiras e de civilidade. Pior: nossa mentalidade ainda está na Idade Média e a corrupção tem-nos acompanhado durante todo este tempo. A hipocrisia: todos dizem amar este torrão inóspito e inculto.

Sem eira nem beira e aos trancos e barrancos”, o Brasil não tem nenhuma importância no cenário internacional. Nunca participamos de nenhuma decisão que norteie os caminhos da humanidade e simplesmente somos ignorados pelas grandes potências da atualidade. Nunca ganhamos um prêmio Nobel, não temos a bomba atômica, nossa sociedade é rústica e não nos destacamos em nada. Somos ainda uma colônia atrasada, com escravos, exploração, mão de obra barata e produzindo commodities para o resto do planeta sem ganhar nada em troca disto. Temos, como na época dos colonizadores, um dos piores sistemas de educação do mundo e ainda a catástrofe de sermos governados pelo PT. Em qualidade de vida perdemos até para os portugueses. Nestes 515 anos de agruras e sofrimento, a melhor coisa que poderia nos acontecer era voltarmos a ser colônia, pelo menos de Portugal. E começar tudo de novo.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.