Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'Corrupção'


Andrey Cavalcante

Parece desnecessário um profundo conhecimento científico da natureza humana, cujos desígnios todos sabem insondáveis, para perceber que os escândalos que hoje ocupam o noticiário de Rondônia e de todo o país têm sua origem no sistema eleitoral dramaticamente inflacionado e na confiança da impunidade que desde o império norteia a vida pública nacional. Mas não é, nem de longe, reflexo de uma “cultura” brasileira como pretendem alguns. O povo brasileiro é honesto, ordeiro e trabalhador.

Os corruptos são exceções. A população respeita as leis e preza, como seu bem mais precioso, a manutenção do nome limpo, em defesa do qual se submete inclusive a inúmeros sacrifícios. Não se pode, portando, lançar todos na vala comum das acusações irresponsáveis. As denúncias devem ser rigorosamente apuradas e os culpados exemplarmente punidos, lhes tendo sido assegurados amplo direito de defesa.

Em nosso Estado, seguimos testemunhando um esforço multi-institucional enorme no sentido de aprimorar as instituições para que nossa história siga os rumos do desenvolvimento desejado por todos os rondonienses.

Precisamos pôr um fim à impunidade. A sociedade não quer tão somente o perdão dos corruptos. Ela clama por justiça!  O povo quer de volta o que lhe foi roubado.

Acredito que as campanhas eleitorais milionárias representam a porta de entrada dos corruptos na vida pública. O sujeito gasta uma fortuna para se eleger e a base de todo o seu plano de ação é o avanço por sobre o dinheiro público. E não dá para ser diferente, já que a remuneração dos cargos jamais irá compensar o capital investido.  Os belos discursos elaborados pelos marqueteiros com a já surrada pregação de mais saúde, educação, segurança e bem estar social são nada além de pano de fundo para suas reais intenções. É claro que não se pode generalizar, mas no atual sistema eleitoral brasileiro as exceções apenas confirmam a regra.

O primeiro passo para romper esse círculo vicioso está na Ação Direta de Inconstitucionalidade – a ADI 4.650, proposta pela OAB nacional para acabar com o investimento empresarial nos partidos e candidatos. “Ele é o germe da corrupção”, lembrou muito apropriadamente o presidente da Ordem, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, que defendeu o rápido julgamento da Ação. Ele esclareceu que não se trata de demonizar o empresariado ou diminuir a atividade política, mas o modelo atual cria uma relação nada saudável à democracia.

É basicamente direcionada nesse sentido a nota oficial emitida pelo conselho pleno da OAB nacional, que repudia veementemente as práticas reiteradas de corrupção nos diferentes níveis de governo da Federação brasileira,  “É chegada a hora de enfrentarmos e pormos fim às disfunções estruturais do sistema político-administrativo pátrio, pois qualquer omissão condenará a Nação a escandalizar-se com novos atos de corrupção no poder público nos próximos anos e, ao mesmo tempo, colocará em risco o horizonte da democracia e de suas instituições, por cujo aprimoramento a OAB tem sido intimorata combatente na evolução histórica do Brasil” – diz a nota.

Artigo publicado pelo jurista Modesto Carvalhosa, autor de “Considerações sobre a lei anticorrupção das pessoas jurídicas” aponta este como um momento histórico brasileiro, com o implacável desenrolar da “Operação Lava Jato”, que tem exibido a fratura exposta da corrupção no seio do poder público. E, ao contrário do que imaginam os envolvidos, existe, sim, instrumento legal para ser aplicado especificamente à questão: a lei anticorrupção, em vigor desde janeiro deste ano.

Está aí o caminho pelo qual será possível chegar à punição exemplar dos culpados, sem que isso possa vir a ser objeto de vinganças sórdidas ou oportunismo eleitoreiro. Não se pode combater a corrupção abrindo território para oportunistas igualmente corruptos, como numa espécie de guerra de quadrilhas.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.