Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Bordejo de Carnaval – II


Bordejo de Carnaval – II

(os novos blocos)

 

Por: Altair Santos - Tatá (*)

 

Na semana que passou, fomos contatados por várias pessoas que estiveram na Fundação Iaripuna, interessadas em inscrever seus blocos no carnaval de 2007. Duas propostas, em particular, nos chamaram a atenção por se afinarem com a irreverência e a alegria, quesitos básicos na festa popular e que, certamente, em muito contentariam o festivo Zé Pereira, afamado como o Rei da Folia.

A professora Lúcia Tenório (nossa particular amiga e comadre), tramitou o registro do Bloco denominado Saio do 4 - Volto de 4 (do bairro 4 de janeiro). Arte da camiseta em punho, a foliã Lúcia discorreu sobre a agremiação, a concentração, o panelão de caldo, o desfile e outras particularidades. Ouvimos atentamente a explanação e não deu pra segurar: fomos acometidos de uma incontida seção de risos, ante ao engraçado, bem humorado e sugestivo nome do bloco, assim como, pelo divertido desenho que ilustrará a camiseta.

Depois, ficamos assim, reflexivos e felizes pelo fato de, em tempos de esquisitos modismos culturais, ainda existirem pessoas que lançam mão da possibilidade de promoverem a cultura popular nos eixos comunitários, reunindo amigos para a brincadeira descontraída, leve, solta. Quem quiser se divertir no bloco, poderá optar, (ao singelo preço de R$ 20,00), pela aquisição do kit que é composto de 1 camiseta, 1 camisinha e 1 engov. Se a proposta do nome do cordão for levada a sério, ao plano de como será estampado no peito e costas da camiseta, dificilmente o kit será usado no todo (aí by, by camisinha e engov). Primando pelo carnaval tradicional de marchinhas e sambas, o bloco será animado por uma bandinha que tocará no chão, sem aparato eletrônico.

A outra boa idéia é a criação do Bloco Até Que Noite Vire Dia, organizado pelo Benjamin Mourão e outras pessoas da comunidade do bairro do Mocambo (ali atrás do muro do Cemitério dos Inocentes). Na sexta-feira, fomos visitar o primeiro ensaio do bloco e ficamos maravilhados com o que vimos. A comunidade em peso participou do evento, lotando a Praça de São José, (santo padroeiro do bairro.) Um grupo formado por jovens pagodeiros, dava as cartas, luxuosamente auxiliado pelo sambista Carlinhos Maracanã, que não poupou o público, e desfraldou um repertório com muitos de sambas da Portela.

Enquanto a numerosa e participativa se deliciava com show, diretores do bloco se dividiam entre rápidas sambadinhas (ao redor das mesas) e providências, pra ver se tudo estava correndo bem. O histórico bairro do Mocambo, famoso reduto de bambas e boêmios de outrora, voltou a reinar no cenário da cidade, pelas mãos de seus moradores e pelo envolvente matiz da cultura popular.

Que bom! ver as comunidades redescobrindo o valor das manifestações culturais e espontâneas. Melhor ainda, é vê-las promovendo a inclusão social, redesenhando, em favor das pessoas, possibilidades de valorização, interferindo positivamente em suas vidas.

 

(*) o autor é músico e vice-presidente da Fundação Iaripuna

tata.anjos@bol.com.br

 

Mais Sobre Opinião

O grande engodo: “Reformar a Previdência Social”

O grande engodo: “Reformar a Previdência Social”

Assistimos a cada dia, a cada semana, a cada mês, há mais de dois anos, capítulos de uma novela que não termina, como tantas outras, sobre as mudanç

DALAI LAMA NO BARCO DO MAINSTREAM

DALAI LAMA NO BARCO DO MAINSTREAM

Contradições no Pensamento do Líder religioso tibetano

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO

Quando falamos de inclusão, muitas vezes, pensamos em inserir uma pessoa com características vistas como fora do padrão num contexto de mercado de tra

O PENSAMENTO TAMBÉM TEM CHEIRO

O PENSAMENTO TAMBÉM TEM CHEIRO

Do Direito a cheirar não só o Cravo mas também a Rosa