Porto Velho (RO) domingo, 15 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Artigo

Contra o abuso contra a lei do abuso

Os aduladores de plantão precisam evoluir para fãs incondicionais de Bolsonaro


Contra o abuso contra a lei do abuso - Gente de Opinião

A tal nova Lei do Abuso de Autoridade deu pano pras mangas. Há mais o que se falar sobre o processo legislativo dela do que propriamente sobre seu conteúdo. E o mais engraçado disso tudo é ver os aduladores irresponsáveis do presidente Jair Bolsonaro, aqueles que se opõem automaticamente a qualquer proposta política que não seja oriunda dele, terem que rever suas performances nas redes sociais.

Já me manifestei em outros artigos, sempre expressando minha opinião com identidade, porém me esforçando em não ser tendencioso. Sei que o fato de ser jornalista há três décadas e meia cria nos leitores que cativei uma expectativa de isenção e imparcialidade que são se afasta quando, em vez de uma reportagem, escrevo um artigo de opinião. Preciso de meus leitores. Um pouco de Exupéry: “Não preciso de ti. Não precisas de mim. Mas, se me cativares, e se eu te cativar... ambos precisaremos, um do outro.

Em um quadro generalizado de desinformação jurídica, inseriu-se na opinião pública a ideia de que se estaria inaugurando uma legislação para coibir o abuso de autoridade, quando, em verdade, o que o Congresso Nacional estava fazendo era apenas atualizar a lei que existia desde 1965, sancionada pelo Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, segundo presidente do regime de exceção (o primeiro foi Ranieri Mazzilli).

Pois sim, eis que Bolsonaro veio a público e deu seu testemunho de que o Ministério Público Federal comete, sim, abuso de autoridade. E mais: Bolsonaro afirma ter sofrido abusos de autoridade do Ministério Público. Mandou a matéria de volta para o Legislativo com apenas alguns vetos. Daí eu pergunto: o que os aduladores fanáticos que faziam campanha contra a aprovação e, depois, pelo veto integral da nova lei têm a fazer agora? Só há uma resposta: converterem-se em fãs incondicionais de Bolsonaro.

A vida dá voltas. São esses cidadãos imbecilizados pelo fanatismo que estão agora numa saia justa, pois não podem criticar seu caudilho por ter agido com certo grau de bom senso, nem tampouco se sentem à vontade para aprovar seu procedimento notoriamente comedido e racional. Os aduladores de plantão precisam evoluir para fãs incondicionais de Bolsonaro, se é que querem realmente tê-lo como um caudilho. “Riam!” E eles riem. “Chorem!” E eles choram. Até aí é fácil. Difícil é quando é para rir e chorar da mesma coisa.

Ao Bolsonaro vítima do abuso de autoridade do Ministério Público, minha solidariedade. Sei bem o que é isso. E como sei. Entretanto nunca me intimidei. E continuo convidando os cidadãos a não se intimidarem, mormente nós, profissionais da comunicação. Temos um dever cívico a cumprir, principalmente neste momento em que a repulsa aos erros do “ancien régime” impele a massa ignara ao extremismo idólatra, prestes a erguer um panteão com estátuas de ícones de uma nova era.

Ainda prefiro o bom senso. Mantive-me firme posicionando-me a favor da edição de uma nova lei do abuso de autoridade, com os devidos ajustamentos. E, segundo Bolsonaro, não é que eu estava certo? Sorry, periferia...

Mais Sobre Artigo

O amor é contagiante! A saga do Bazar da Solidariedade

O amor é contagiante! A saga do Bazar da Solidariedade

O BAZAR DA SOLIDARIEDADE, realizado pela Associação Pestalozzi de Porto Velho, começou tímido, pitoresco, mas cresceu tanto que conseguiu contagiar

Fotoantropologia faz do Palácio Presidente Vargas um espaço de memória viva

Fotoantropologia faz do Palácio Presidente Vargas um espaço de memória viva

Localizado no centro histórico de Porto Velho, o Palácio Presidente Vargas, que foi sede do Governo de Rondônia de 1998 a 2013, foi quase rebatizado

Desinformação e vergonha permeiam relação dos jovens com a depressão

Desinformação e vergonha permeiam relação dos jovens com a depressão

Os jovens brasileiros sabem pouco sobre a depressão, sentem vergonha de falar sobre o assunto e não estão convencidos sobre a importância do tratament

Boi lerdo bebe lama – O mínimo que se espera de um político é que saiba escolher assessores

Boi lerdo bebe lama – O mínimo que se espera de um político é que saiba escolher assessores

Chega a impressionar como boa parte (e estou me referindo à parte boa, mesmo) dos políticos eleitos por nosso Estado estão cercados de assessores le