Quinta-feira, 30 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: MANAUS E O DESENVOLVIMENTO


 
Bruno Peron Loureiro

Manaus é uma terra de energia e grandeza. As culturas desta cidade são diversas e exuberantes; a natureza ao seu redor, em meio à floresta amazônica, é frondosa e magnificente. Ao contrário do que esperava, encontrei uma urbe grande e moderna: extensa, quase dois milhões de habitantes e número crescente de edifícios altos e condomínios de luxo, como no bairro da Ponta Negra. Prosperam algumas regiões, porém, ao mesmo tempo que outras se deterioram, como a zona Leste. Manaus provocou-me assim dois sentimentos inconciliáveis: encanto e comoção.

Problemas parecidos com os de outras cidades grandes do país: delinqüência, mendicância, congestionamento automotivo em horários de pico, acúmulo de lixo na área central, sobreposição das culturas de elite, e separatismo de classes. Até se convence de que Manaus tem comparativamente índices mais baixos de violência porque o infrator, comentou um taxista, não teria para onde fugir devido ao isolamento da cidade, cujo acesso majoritário é por via aérea ou pelo rio Negro. As rodovias são escassas, o que justifica a rodoviária pequena, e ao redor é selva.
 
Esta cidade, no entanto, possui vôos diretos a Estados Unidos, país do qual recebe grande quantidade de turistas ávidos para conhecer a Amazônia; o governo do estado do Amazonas investe fortemente em propaganda audiovisual de integração de seu povo através do slogan de que é um orgulho ser amazonense; e o que mais integra esta região ao restante da federação são os meios de comunicação, sobretudo os programas da rede Globo, que, a meu ver e com o Rio-centrismo desta emissora, mais anulam as particularidades dos amazonenses que as promovem.
 
Ainda sobre a questão da semelhança de Manaus com outras cidades brasileiras, a idéia que mais me surge é a de povoamento em função de alguma atividade econômica. Naquela, o auge do ciclo da borracha (entre 1850 e 1910) ensejou um processo de expansão da cidade, atração de mão-de-obra de outros estados e configuração de uma oligarquia, que se formou a partir da figura do “barão” e de outros imigrantes europeus. Construíram-se em função deste gênero de exploração, entre outros, o Palácio Rio Negro e o Teatro Amazonas.
 
Logo na segunda metade do século XX, formou-se um dos maiores centros industriais do país com a Zona Franca de Manaus. Como de costume, buscou-se mão-de-obra barata e atraiu-se contingente de outros estados, mormente das regiões Norte e Nordeste. Esta cidade tem sua peculiaridade. Engoli, contudo, dois sapos. Um é o de entendê-la como o interesse de um pequeno grupo em precarizar o trabalho do povo brasileiro para remunerá-la cada vez menos desde a expansão industrial. O aumento descontrolado da população do nosso país responde a esta demanda.
 
E outro é a minha dúvida da viabilidade de promover o crescimento industrial no meio da selva quando a ênfase deveria ser a proteção ambiental. A sujeira dos portos e a expansão periférica da cidade com moradias e fazendas são alguns dos meus argumentos. Em outras palavras, não sou a favor de um distrito industrial nesta cidade porque a depredação ao redor se torna inevitável. Escrevi este texto sobre papel reciclado de caixa de presente. A ocasião era propícia para fazer-me refletir. Roguei, neste ínterim, que o futuro de Manaus acompanhe o desenvolvimento sustentável e demonstre que outro modelo é possível.

Fonte: Bruno Peron Loureiro é bacharel em Relações Internacionais – UNESP 

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 30 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Sangue novo, vampiros e cuequeiro

Sangue novo, vampiros e cuequeiro

As eleições para a Câmara de Vereadores de Porto Velho se têm caracterizado, de tempos a este, pela presença de políticos bastantes conhecidos da po

Prometer e não cumprir é o esporte preferido de muitos políticos

Prometer e não cumprir é o esporte preferido de muitos políticos

Por mais que nos esforcemos para acreditar no que dizem alguns políticos, não adianta, com o tempo, eles próprios se encarregam de nos lembrar que f

Entre a ilusão e a realidade, brilha a verdadeira vida

Entre a ilusão e a realidade, brilha a verdadeira vida

Era uma vez uma mulher chamada Maria que passava grande parte da sua vida entre o adormecer e o acordar. Nos seus sonhos, Maria encontrava mundos

Eita, que cara sortudo esse Zé Dirceu!

Eita, que cara sortudo esse Zé Dirceu!

A persistência é uma das qualidades que eu mais admiro no ser humano. Tem gente que não desiste de jeito nenhum de lutar por seus ideiais, ainda que

Gente de Opinião Quinta-feira, 30 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)