Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Abrindo as portas à misericórdia


Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo Diocesano de Campos (RJ)

No próximo 08 de dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Francisco iniciará o Jubileu da Misericórdia na Basílica de São Pedro, com o rito de abertura da Porta da Misericórdia. Esta data celebra também a conclusão do 21º Concilio Ecumênico, os 50 anos do Concilio Vaticano II.

Este jubileu que porprimeira vez surge não a partir da celebração de uma efeméride cronológica da redenção, mas por iniciativa gratuita do Papa para que a Igreja contemplando o mistério da misericórdia que é fonte de alegria, serenidade e paz, sendo condição da nossa salvação, (MV. 2), torne mais forte e eficaz o testemunho dos fiéis. Recolhe por certo o olhar bondoso de São João XXIII, quando afirmava que a Igreja sempre deve preferir a medicina da misericórdia que a severidade da condenação.

O Papa Francisco pensou num caminho espiritual de conversão para viver e transparecer a compaixão, ternura e amor matricial do Pai assemelhando-nos a Ele, seguindo os passos do seu Filho o Rosto da Misericórdia. Jubileu para perseverar na oração, no jejum e na caridade, trabalhando em nosso coração a reconciliação e o perdão para anunciarmos a paz e a concórdia com todos/as.

Empenharmo-nos na prática da justiça superando a corrupção e a teia tentacular e mortífera do crime organizado. Fortalecer o ecumenismo, o diálogo inter-religioso e a partilha e contato inter-cultural, promovendo a cultura do encontro e da solidariedade, levando esperança as periferias existenciais e geográficas.

Viver e praticar as 14 obras de misericórdia na sua dimensão pessoal, eclesial e social gerando novas estruturas de inclusão e convivência centradas na acolhida, na valorização da dignidade e no bom viver.

Que neste ano a Igreja seja para todas as pessoas e criaturas um oceano de misericórdia, de compreensão e de fraternura, visibilizando e assinalando com gestos, atitudes e obras a Face esplendorosa da Misericórdia divina. Lembrando que a misericórdia para com os famintos, os pobres e os que sofrem é a chave do céu, (EG. 197), que sejamos misericordiosos como o Pai. Deus seja louvado!

Fonte: CNBB

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual