Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'A voz rouca das ruas'



Andrey Cavalcante

Civilizada, ordeira e pacificamente, a população vestiu verde e amarelo, no Brasil e no exterior, para cantar o hino nacional e protestar contra a corrupção generalizada, sucessivos escândalos e imobilismo das autoridades governamentais. O gigantismo das manifestações bem demonstra a insatisfação da população com a corrupção endêmica que tomou conta do país e que tantos prejuízos gera para a sociedade brasileira. A manifestação popular – que superou em número até o movimento “Diretas Já” – foi estrepitosa e atordoadora a ponto de não ser possível ignorar. A despeito do que demonstraram imaginar até agora os detentores do poder político, a população deixou clara sua repulsa e indignação. A OAB estará ao lado da sociedade e em defesa da própria constituição. É o que todos queremos e lutamos. É a força da sociedade brasileira em um só grito: “Chega de corrupção!”.

A Ordem dos Advogados do Brasil não está alheia ao momento e nem se exime de participar, desde que dentro dos parâmetros e balizamentos que sempre nortearam sua conduta histórica, seu equilíbrio, ponderação e respeito às leis. Isso colocou a Ordem no topo da lista entre as instituições de maior credibilidade do país e granjeou o reconhecimento e o respeito de que desfruta nacionalmente.

Algumas lições, contudo, devem ser tiradas da força com que a voz rouca das ruas se fez ouvir nesse domingo histórico. A primeira, bastante clara, é que a classe política precisa se guiar, inequivocamente, por uma nova plataforma, sob pena de ser por ela mesma desembarcada, a meio caminho, do trem da história. Segunda: a população não admite pagar a conta, com novos impostos, da inaptidão dos responsáveis pela gestão dos destinos do país e desatinos governamentais. A derradeira lição aponta na direção de mudanças imediatas, com nome e endereço inequívocos. A advertência que fiz aqui em 2014 se confirmou. Chamei a atenção, à época, para a necessidade de que mudanças fossem implementadas, sob pena dos responsáveis serem mudados por elas. É o que está acontecendo.

A OAB pode e dará uma boa contribuição, considerando que os partidos e políticos estão aparentemente surdos, e não se furtará a exercer o papel institucional que a sociedade lhe reconhece, muito menos neste momento em que o país clama por uma instituição com capacidade para promover a necessária reunificação. A pauta tem que ser democrática, o que não deixa de ser uma advertência para os oportunistas de plantão – pescadores de águas turvas, que aparecem depois do temporal – pois pressupõe absoluto respeito à Constituição. Nesse sentido, o presidente nacional Cláudio Lamachia convocará uma reunião extraordinária do Colégio de Presidentes e do Conselho Federal da OAB para uma tomada de posição com a rapidez que o momento exige. Lamachia orientou os presidentes de todas as seccionais para que convoquem reuniões com seus próprios conselhos, para debaterem as implicações dos fatos ocorridos durante a semana que passou, bem como os reflexos das manifestações.

O que se busca é ampliar ao máximo o debate democrático no âmbito da OAB, de forma a legitimar ainda mais uma posição concreta quanto à eventual responsabilização da presidente da República, dentro dos mais legítimos processos legais e rigoroso respeito ao que estabelece a Constituição e o estado democrático de direito. E não poderia ser diferente, considerada a credibilidade, representatividade e conceito da instituição, que será mais uma vez protagonista natural da história que agora se escreve. É, portanto, inescapável e rigorosamente clara a opção partidária da OAB: Nosso partido é o Brasil!

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.