Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A visita de D. Pedro II à cidade do Porto


 
Por Humberto Pinho da Silva

 

Artur Magalhães Bastos foi professor da Faculdade de Letras do Porto, mas tornou-se notável, mormente, por se ter dedicado, de corpo e alma, ao estudo da História da sua cidade.

Entre as numerosas obras que publicou, há uma intitulada: “ Porto e Brasil”.

No capítulo XXXII, aborda o Imperador do Brasil e a viagem que realizou, em 1872, à cidade do Porto.

Para descrever minuciosamente a visita, utilizou livro impresso em Coimbra, em 1872 – “ Viagem dos Imperadores do Brasil em Portugal”.

O Imperador ficou hospedado no “ Hotel do Louvre”, que ficava na esquina da Rua do Rosário e a actual D. Manuel II.

Visitou a igreja da Lapa, onde se encontra, em mausoléu, o coração de D. Pedro I (Seu pai).

Assistiu, na Escola Médica Cirúrgica à aula do Prof. José Frutuoso Aires de Gouveia. Passou, em seguida, pelo Mercado do Bolhão e pela fábrica da Companhia Fiação Portuense, e mostrou, entretanto, interesse de visitar o romancista Camilo Castelo Branco.

Mandou dizer ao escritor que o desejava conhecer. Respondeu-lhe que estava doente. D. Pedro II pediu-lhe, então, para o visitar em sua casa.

O escritor, perante a humildade do Imperador, aceitou.

Foi então D. Pedro à Rua de S. Lazaro. Estamos a 2 de Março de 1878. Além de Camilo estavam presentes, o Dr. Fortes, o poeta Guilherme Braga e o sobrinho do escritor, aluno da Universidade de Coimbra, José de Azevedo Castelo-Branco.

Nesse encontro - escreve Luíz de Oliveira Guimarães, em “ O Espírito e a Graça de Camilo”, - D. Pedro condecorou o prosador com a Ordem da Rosa.

Conta-se que o Imperador ao examinar os retratos dos Braganças, que Camilo tinha no escritório, juntamente com o de Bérenger, virou-se para o escritor e disse:

- O poeta Bérenger parece mais feliz que os meus antepassados! …

- É natural… – respondeu Camilo. - É menos perigoso fazer versos do que decretos!

Mais tarde ao escrever:” O Livro de Consolação”, dedicado ao Imperador, Camilo escreveu:

- (…) Senhor, quando eu escrevia estas linhas, em frente da cadeira onde Vossa Majestade se assentou, no escritório do operário, esqueci-me de que é Imperador do Brasil. Aquele a quem as envio e vejo tão somente o sábio, o modelo de principies, que, ao descerem até aos pequenos, deixam o diadema e altura onde mais subidos vão os respeitos.

D. Pedro II e a Imperatriz D. Teresa Cristina Maria, filha de D. Francisco I, Rei das Sicílias, quando abandonaram a cidade do Porto, deixaram grande saudade entre os portuenses, que ficaram encantados com a simplicidade e a vasta cultura do Imperador.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.