Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A ponte que virou pinguela


A ponte que virou pinguela - Gente de Opinião

Quando anunciaram no domingo o “ajuste institucional” para barrar a aprovação de qualquer anistia a caixa dois e delitos conexos, Temer, Rodrigo Maia e Renan Calheiros ofereceram à opinião pública uma dose de moralismo de ocasião para tentar conter o desmanche ético do governo depois do caso Geddel. O Planalto constatara, com espantoso atraso, a extensão do desgaste e da perda de apoio, que alcançou a mídia aliada, setores empresariais e até os movimentos de direita que proporcionaram ao golpe um elo com as ruas. O problema é que não combinaram previamente o enterro da anistia com seus “russos”, a base aliada que busca desesperadamente por um bote salva-vidas para escapar da Lava Jato. Sem anistia ou salvo-conduto, por que esta base que embarcou no golpe buscando proteção se manterá fiel a Temer, votando medidas impopulares? Sem anistia a taxa de lealdade da base pode cair perigosamente. A “ponte para o futuro” virou uma “pinguela” balançante.

Para sair da crise, o governo vai despejar no Congresso mais medidas de cunho neo-liberal, além da reforma previdenciária. Para nada, para dar sinal de vida, para agradar o mercado e os que cobram respostas fiscais e medidas contra o desmanche econômico, pois nada do que for enviado agora será votado este ano. Só depois da votação das dez medidas contra a corrupção saberemos se anistia foi abortada mesmo e só depois poderá ser aferida a reação da base e sua provável perda de coesão. Hoje, o Senado deve aprovar a PEC 55, a do teto dos gastos, e o governo quer dar demonstração de força e pode conseguir. Os compromissos ali estão amarrados e já foi criada em torno da PEC a mística de medida redentora. Mas o ano e a crise não acabam com esta votação e Temer precisará, mais do que nunca, de externar sinais vitais na política, já que na economia o governo não sai das cordas. Terá que enfrentar as decorrências do caso Geddel, como um pedido de impeachment, as gravações de Calero, que podem exigir a cabeça do ministro Padilha e os processos da procuradoria-geral da República. Se o governo resistir até fevereiro, o Centrão vai dar um empurrão no PSDB e no PMDB e tomar a presidência da Câmara. E colocar canga em Temer. Como Cunha fez com Dilma.

Se no Congresso a situação se complica sem a anistia, nas ruas a temperatura seguirá alta, acompanhando o verão. Lula estará à frente do movimento por diretas-já, ao lado dos movimentos sociais, das duas frentes de esquerda que vão intensificar os atos Fora Temer.  Os movimentos de direita também prometem se manter mobilizados. Estão desiludidos com o governo que ajudaram a entronizar mas não defendem uma saída para o fracasso do golpe. A mídia desembarca a olhos vistos, restando poucos  articulistas e colunistas dispostos a oferecer qualquer indulgência a Temer e seu governo. Vai se esgotando o apoio do empresariado diante do aprofundamento da recessão e de anúncios como o de domingo, de que recuperação só no segundo semestre do ano que vem. Temer e seu governo estão entrando na espiral do caos, tal como Dilma em seus tempos finais.

No PSDB, Aécio Neves saiu em defesa de Geddel e tem estado ao lado de Temer. Participou do jantar de domingo, depois da entrevista coletiva. Mas Fernando Henrique segue elevando o tom depreciativo de suas declarações sobre o governo. Nelas, “a ponte para o futuro” virou “pinguela” e o governo “é o que temos”. Até que possamos ter outro, quem sabe eleito indiretamente, quem sabe chefiado por ele ou por outro nome negociado. A não ser que venha rapidamente das ruas um forte movimento pelas diretas-já. Mas o tempo encurtou. Virado o ano, só indiretas.
 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual