Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A judicialização da Violência Contra a Mulher


A história da posição da mulher na sociedade é caracterizada pela submissão ao homem e como um meio para a imposição de vontades arbitrárias.  Na Grécia Antiga, a mulher já era vista como inferior e foi simbolizada pelo mito de Pandora, como a responsável por trazer os problemas aos homens mortais. Posteriormente, na Grécia e em Roma, ao homem eram dadas as atividades nobres e intelectuais (política, filosofia e artes), enquanto a mulher dedicava-se ao matrimônio e atividades domésticas.

Com o passar dos anos, após os movimentos renascentistas e com a revolução industrial, o papel da mulher ganhar maior destaque na sociedade, épocas marcadas pela busca de melhor condição de vida e espaço.

No início do século XX, no dia 8 de março de 1908, operárias do setor têxtil faziam protestos pelas más condições de trabalho, quando foram trancadas e queimadas vivas. Cerca de 130 mulheres morreram. Posteriormente, em memória a essas mulheres, o dia 8 de março foi consagrado como o Dia Internacional da Mulher.

Quase cem anos depois o Brasil permite a judicialização de processos que tenham como característica a violência contra a mulher e a proteção de seus direitos, assim é sancionada a Lei 11.340/06, conhecida como “Maria da Penha”, um marco histórico para a legislação brasileira. A lei foi uma homenagem a Maria da Penha Maia Fernandes, vítima de violência pelo seu marido que recorreu à Comissão Interamericana de Direitos Humanos. A lei trouxe a definição de violência doméstica e familiar contra a mulher como qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.

Dados apontam a necessidade de haver maior combate à violência contra a mulher. Só em 2013, 4.762 mulheres foram assassinadas, uma média de 13 homicídios por dia, sendo que 27,1%, ocorreram dentro de sua própria casa. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde a taxa é de 4,8 homicídios por 100 mil mulheres, em 2013, e coloca o Brasil na 5a posição internacional onde mais se mata mulheres no mundo, entre 83 países.

Para enfrentar com maior rigor e reduzir a violência contra a mulher no Brasil, há um ano, em 9 de março de 2105, foi criada uma nova qualificadora ao crime de homicídio no Código Penal: o Feminicídio, que também foi inserido no rol dos crimes hediondos.  Nem sempre um assassinato de uma mulher será considerado feminicídio, para ser configurada a qualificadora deve haver provas de que o crime foi cometido contra a mulher “por razões da condição de sexo feminino”.

Há também jurisprudências no Superior Tribunal de Justiça de que o sujeito ativo do crime pode ser tanto o homem como a mulher, desde que esteja presente o estado de vulnerabilidade caracterizado por uma relação de poder e submissão.

Apesar das legislações específicas existentes, é necessário criar mais mecanismos de defesa aos direitos da mulher, como rede de proteção eficiente por parte do Estado. Atualmente há leis que são consideradas rígidas, mas quanto à sua eficácia, é questionável. Como a própria Lei Maria da Penha, onde muitas mulheres tornam-se estatísticas, vítimas de homicídio mesmo com medidas protetivas em mãos.  Assim como é preciso promover mais debates para acabar com o discurso machista como o de que a violência doméstica e familiar não deve haver interferência do estado por se tratar de algo que se refere à intimidade do casal.

Defender os direitos das mulheres é garantir o princípio da dignidade da pessoa humana, fundamento do nosso Estado Democrático de Direito.  É preciso que prossiga a luta, só assim todos realmente serão iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.

A violência contra a mulher não tem classe, raça ou cor.

Fonte: Ascom TJRO

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.