Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A CIDADE EM SUAS MÃOS


   
Faustino  Vicente *

A complexidade do mundo dos negócios tem no marketing um valor agregado de grande importância na conquista e na fidelização dos clientes. “Marketing não é uma batalha de produtos. Marketing é uma batalha de percepção”. A tecnologia está fazendo com que os produtos, de uma mesma categoria, cada vez  mais se assemelhem. Exemplo? Como distinguir a marca de um televisor, entre vários deles funcionando, sem a identificação do fabricante? Posicionar a figura do candidato na mente do eleitor é o objetivo principal do marketing político.

As atuais determinações do TSE - Tribunal Superior Eleitoral -, válidas para a próxima eleição têm, entre outros, o objetivo de reduzir o custo das campanhas,dar transparência as proposta, facilitar a controle público sobre os gastos dos partidos e reduzir a desigualdade financeira entre os candidatos. Maior transparência sobre as doações, com restrições à entidades que recebam recursos públicos e a prestação de contas pela Internet são medidas que, se não vão eliminar possíveis simulações contábeis,irão pelo menos dificulta-las. As novas regras do jogo visam erradicar o superficial e valorizar o essencial, ou seja, a biografia do candidato – novo enfoque do marketing político.

O programa, qualitativo e quantitativo,dos partidos, è de fundamental importância não apenas para o planejamento estratégico, mas para que o eleitor saiba,em detalhes, como ele será viabilizado. Não basta revelar o que será feito, isto a sociedade já sabe: investimentos em educação, saúde, saneamento básico, infra-estrutura, transporte, segurança pública,preservação ambiental, moradias urbanas e geração de empregos,mas,principalmente, como será feito. Os vereadores e prefeitos, que estão pleiteando reeleição, devem prestar contas  das promessas que fizeram por ocasião da eleição passada. Na realidade o que interessa à maioria da população é saber o que será feito para reduzir a mais cruel das violências -  a desigualdade econômica e social – linha divisória entre o oceano de pobres e a  ilha de ricos. Em Jundiaí, louve-se o posicionamento do nosso bispo, Dom  Gil Antônio Moreira,sobre a próxima eleição.

Os programas dos partidos não devem conter apenas o que será feito, mas qual a origem dos recursos, sem que se aumente a já elevadíssima carga tributária, que mina o poder aquisitivo da classe de baixa renda. O detalhamento das propostas  deverão chegar ao conhecimento dos eleitores pelos mais diversos meios,principalmente, através dos debates pela TV. A mídia, a Internet, as reuniões nos bairros e  a conversa com eleitores nas ruas,também, são meios de tornar as propostas transparentes. Entidades de classe,faculdades, igrejas,clubes,ONGs,entre outras,devem convidar os candidatos para que o eleitor possa conhecer,analisar,comparar,refletir, julgar e decidir em quem votar. Conduta ética e competência técnica deverão encabeçar os pré-requisitos de uma candidatura.

Para os que julgam que as pessoas simples não têm a devida compreensão da realidade, relatamos uma pequena história. Um ilustre político convidou um famoso  economista para fazer uma palestra e no final da brilhante apresentação do professor, o anfitrião apanhou o microfone e sugeriu que os participantes fizessem perguntas ao palestrante.Apesar da insistência ninguém se atrevia a falar, até que um cidadão,carinhosamente, conhecido como Zé do Mato levantou-se e falou: “Eu intendi tudinho: si nóis gasta mai do que nóis ganha,nóis quebra”.”Somente os incautos menosprezam a sabedoria popular.”

Uma simples reflexão sobre cidadania nos leva à concluir que temos o direito de exigir conduta ética dos candidatos e, paralelamente, temos o dever moral de não  vender a nossa consciência por qualquer espécie de vantagem pessoal futura ou em pagamento de benefício já recebido.

* Faustino  Vicente  - Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos– e-mail: faustino.vicente@uol.com.br

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.