Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A BR-364 nossa de cada dia


Gente de Opinião
 

Gente de Opinião

A BR-364 ficou conhecida popularmente como a “Rodovia da Morte” por conta dos inúmeros acidentes ocorridos nos últimos meses. Somente no ano passado, conforme aponta as estatísticas da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram 111 mortes e mais de 1,2 mil acidentes no trecho que compreende os municípios de Vilhena, Sul de Rondônia, a Rio Branco, no Acre.

O Ministério dos Transportes deve apresentar nesta segunda-feira o estudo técnico de análise da concessão de um trecho de 806 quilômetros da rodovia federal. O trecho é de Comodoro (MT) até o município de Porto Velho (RO). Pelos menos 20 empresas manifestaram forte interesse em administrar o trecho.

Sem dúvida, a BR-364 não suporta mais operação tapa-buraco. O Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) passa o dia tapando buraco na rodovia federal. No dia seguinte, o buraco volta a abrir. De fato, a rodovia está totalmente deteriorada e prejudicada nas suas camadas. A forte chuva que cai na região ajuda a agravar ainda mais a situação da estrada. Quem sofre com tudo isso é a população.

O maior problema nessa época do ano, o volume de carreta que chega transportando soja do Mato Grosso e Sul de Rondônia até o Porto Graneleiro de Porto Velho. O número de acidentes, somente no primeiro trimestre, já representa 30% do ocorrido na mesma época do ano passado. A quantidade de buracos na rodovia ajuda ainda a complicar a vida dos usuários e representou somente este ano 8% dos acidentes.

Mas a maior causa dos acidentes é a imprudência, hoje responsável por 85% dos acidentes na BR, conforme dados da PRF. Enquanto não houver duplicação, a população rondoniense vai continuar assistindo cenas de acidentes graves e vidas se perdendo. A PRF passa mais tempo prestando socorro às vítimas da rodovia do que fiscalizando.

Os cortes no Orçamento Geral da União inviabilizam qualquer tipo de investimento na rodovia. O projeto de duplicação da BR, na época em que foi feito um estudo, teria custo de mais de R$ 400 milhões no trecho entre Ouro Preto e Ariquemes. O governo não tem como nos próximos anos viabilizar esse dinheiro. Ao que parece, a saída nesse momento, é a privatização da rodovia. Seria uma forma, pelo menos, de reduzir o índice de mortes na estrada. Está na hora de dar um basta nessa sangria.

 

Mais Sobre Opinião

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual

Vagalumes nas trevas

Vagalumes nas trevas

Mas as trevas não são absolutas: há estrelas, há vagalumes, há réstias de luz