Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A 'ameaça' da amiga Bolívia


 

Professor Nazareno*

            O indígena Evo Morales, presidente constitucional da Bolívia, disse recentemente em uma base militar de seu país que se derem um golpe e expulsarem a Dilma Rousseff da presidência Brasil, assim como o PT, o quase falido Partido dos Trabalhadores, os bolivianos poderiam invadir o nosso país para, dentre outras coisas, salvaguardar a democracia no continente. Muitos brasileiros ficaram furiosos com as declarações mal-educadas e utópicas do mandatário cocaleiro. Dentre as muitas tolices que os nossos compatriotas falaram foi que a Bolívia é fraca, quase não tem Forças Armadas, a sua população mal chega a 10 milhões de pessoas e que numa guerra de verdade nós, os “valentes e destemidos guerreiros verde-amarelos”, faríamos picadinho deles em poucas horas. Ouvi até uns pseudopatriotas e idiotas gritarem “SELVA”.

            Claro que jamais entraríamos em guerra contra os nossos irmãos bolivianos, assim como fizemos contra os paraguaios no século dezenove. Motivos suficientes não há, pois a democracia brasileira não corre nenhum risco iminente. E depois, o Brasil só entra em guerra para agradar a outro país e nunca a si mesmo: contra o fraco Paraguai, covardemente nos juntamos à Argentina e ao Uruguai para defender os interesses da Inglaterra. Isso sem falar que os brasileiros de um modo geral amam de coração o povo que habita além do rio Guaporé. Se não é verdade, por que vamos todo mês comprar produtos “made in China” dos nossos “hermanos”? Por que muitos de nossos alunos, Rondônia e Acre inclusive, invadem as várias universidades de lá para cursar Medicina? Por que fazemos vistas grossas quando os bolivianos aos montes vêm trabalhar aqui?

            A população boliviana é pequena, mas desconheço um povo que tenha tanto nacionalismo quanto eles. No campo de batalha creio que até venceríamos, só que teríamos alguma dificuldade. Com que patriotismo e amor enfrentaríamos uma guerra para defender o nosso país? Bravura mesmo dos brasileiros só para roubo e corrupção. O caso da Petrobras é emblemático. Destruímos sem mais nem menos uma das maiores empresas petrolíferas do mundo. Mas e se os bolivianos nos vencessem? Seria muito bom para o Brasil, pois devolveríamos o Acre o pediríamos de volta o cavalo que demos em troca daquele charmoso Estado. Sairíamos no lucro. E por causa da EFMM, já destruída e abandonada, eles poderiam querer Rondônia também.  Seria uma dádiva.

            Sem Rondônia e sem o Acre o nosso país ficaria bem melhor, claro. Se a terra Karipuna fosse entregue, sem nada em troca, o abacaxi ficaria só com os bolivianos e o lucro seria total para o Brasil. Sem fumaça, sem viadutos inacabados, sem ponte escura, sem Rua da Beira, sem Hospital João Paulo Segundo e sem Espaço Alternativo seria o máximo para qualquer país. Quem sabe se os bolivianos não gostariam também de ficar com Mauro Nazif e com o resto dos nossos políticos? Podem levar a ALE inteira e também a Câmara de Vereadores de Porto Velho que poucos brasileiros sentirão falta. Se isso acontecesse, juro que até torceria pelos inimigos. Mas não haverá guerra. Nem contra o povo amigo da Bolívia nem contra nenhum outro povo ou país. Problemas internos de nações soberanas devem ser resolvidos pela própria nação e pela sua gente sem precisar de declarações desastradas de aventureiros irresponsáveis. Que fase, hein?

*Es Maestro en Puerto Viejo.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual