Porto Velho (RO) sábado, 17 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

5º BEC – Meio século a serviço da Amazônia


 5º BEC – Meio século a serviço da Amazônia - Gente de Opinião

                

Há exatos 50 anos, de uma canetada, o presidente Castelo Branco mudou as vidas de muitos brasileiros e deu uma grande contribuição ao desenvolvimento da Amazônia Ocidental, criando naquele 30 de julho, a primeira unidade de Engenharia do Exército a ter sede na região, o 5º Batalhão de Engenharia de Construção, o 5º BEC, que só começaria a funcionar no ano seguinte quando o contingente comandado pelo coronel Carlos Aloysio Weber veio “rodando” pela BR 029, atual BR-364, chegou a Porto Velho e se instalou.

Euro Tourinho, Alto Madeira e a história do 5º BEC / Vídeo/Campanha da Santo Antônio Energia

Neste meio século, ainda que possa ter cometido alguns exageros no período de sua instalação, o saldo do 5º BEC sem qualquer dúvida é positivo, atuando não só em sua atividade fim, mas também na oferta de possibilidades para que  jovens incorporados pudessem ali aprender profissões que a seguir, no retorno à vida civil, oportunizavam um trabalho.

Uma missão fundamental foi desenvolvida pelo 5º BEC, talvez tenha sido essa a razão de sua criação: assegurar a trafegabilidade na rodovia aberta cinco anos antes de sua criação, fato gerado pela coragem do presidente que pensou este Brasil grande, Juscelino Kubistchek, e o desafio que lhe foi feito por um oficial, da Arama da Engenharia, então governador do Território Federal de Rondônia, coronel Paulo Nunes Leal. A rodovia, a seguir abandonada, já havia sido chamada pelo presidente Jânio Quadros de “estrada de onças” – ele não tinha a visão de que, como dissera Getúlio Vargas em 1940, em Manaus, o Brasil precisava conhecer melhor a Amazônia. E na década de 1960 o Brasil precisava urgente conhecer a Amazônia Ocidental.

Claro, houve situações difíceis envolvendo o 5º BEC, até hoje relembradas por segmentos ligados à ferrovia Madeira-Mamoré, mas foram fatos que precisam ser analisados sem paixões,  contextualizando-os historicamente em relação ao momento que o país vivia.

Quem viveu a época do Território sabe da importância do 5º BEC para o desenvolvimento das comunidades que se formaram ao longo da própria rodovia, ou a partir de seu eixo e, depois, ainda como ação de pioneirismo, quando o Batalhão sediado em Porto Velho passou a atuar também no asfaltamento de estradas.

Nestes 50 anos o 5º BEC somou com toda a região, realizando obras rodoviárias e civis, formando cidadãos, participando de missões diversas - como nas duas últimas enchentes que abalaram a vida e a economia neste lado da Amazônia e está, sem dúvida, integrado não só na vida social ou  regional, mas, também, na História deste lado do Brasil de tal forma que fica impossível falar em desenvolvimento e integração sem que “O Pioneiro” deixe de ter sua importante parcela de contribuição.
 

                Considere-se dito! 

Gente de Opinião

Mais Sobre Opinião

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual

Vagalumes nas trevas

Vagalumes nas trevas

Mas as trevas não são absolutas: há estrelas, há vagalumes, há réstias de luz