Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

11 de setembro - Quinze anos sem arrogância


11 de setembro  - Quinze anos sem arrogância - Gente de Opinião


Professor Nazareno*

           

            Há exatos 15 anos o “Império do Mal” era atingido em seu próprio coração e a alegria tomava conta do mundo civilizado. No dia 11 de setembro de 2001 aviões civis norte-americanos, comandados por pilotos suicidas, desfecharam ataques contra alvos imperialistas dentro do próprio território inimigo. O World Trade Center e o Pentágono, respectivamente símbolos dos poderes econômico e militar dos Estados Unidos foram alvos da vingança, a mais poderosa e letal arma atribuída a combatentes muçulmanos sob as ordens de Osama Bin Laden, ex-aliado da CIA e da Casa Branca, que seria o alvo político. O governo de George W. Bush, o filho, é obrigado a engolir a empáfia e a arrogância que sempre caracterizaram aquele povo metido a “deus”. O mundo mudou e para melhor depois que os poderosos tiveram que engolir a seco todo o seu pedantismo.

            Claro que se deve lamentar a morte de quase três mil inocentes, embora os EUA nunca lamentem as mortes que ainda causam ao redor do mundo em suas investidas imperialistas e assassinas. Foi assim na guerra do Vietnã, na década de 1960 quando mataram criancinhas asiáticas com gás Napalm. Foi assim também em 1945 quando trucidaram os japoneses com dois covardes e desnecessários ataques atômicos. Os yankees sempre se autoproclamaram os donos do mundo e por isso pagaram o preço da soberba no Pearl Harbor moderno, o 11 de setembro. Até para nós brasileiros sobrou: foi em 1964, no golpe militar para agradar àqueles ambiciosos capitalistas. A nossa Ditadura Militar foi reconhecida pelos malditos norte-americanos antes de qualquer país. Por isso, o governo golpista de Michel Temer também já foi reconhecido por eles.

            Os Estados Unidos são uma nação amaldiçoada cuja população é repleta em sua maioria de ladrões, prostitutas e viciados em drogas e não têm muito que ensinar ao mundo civilizado. Procuram impedir a todo custo que iludidos cidadãos do “resto do planeta” não entrem em seu país. Várias adolescentes brasileiras, por exemplo, foram recentemente barradas e presas injustamente em suas fronteiras. Donald Trump, atual candidato à presidência do país, é o maior exemplo desta infame xenofobia. Eles tentam a todo custo imitar o que veem na Europa desenvolvida, humana e civilizada. Mas são uma pátria de pessoas arrogantes e prepotentes em sua maioria, mesmo que invistam como ninguém em educação, pesquisas, esportes e IDH. Têm, é verdade, seis das dez melhores universidades do mundo, mas só usam o bem quando é para si mesmos.

            Conheço muitos países do mundo, mas não os Estados Unidos, onde me orgulho de nunca ter ido e nem quero. Jamais entendi por que muitos de nossos jovens e adolescentes, das classes média e média alta principalmente, têm como vontade maior conhecer aquele inferno na terra. O que aprenderiam lá além do xenofobismo, da violência, da injustiça e da arrogância? Pátria de obesos, cardíacos, do preconceito racial, da KKK e de chacinas, os EUA nunca foram um bom lugar para se visitar. Desde a sua independência em 1776 que semeiam guerras e revoluções mundo afora para poder aumentar sua fortuna com a desgraça alheia. Foi assim nas duas guerras mundiais, na Guerra Fria, na Guerra da Coreia, na Guerra do Vietnã e na Guerra ao Terror. Os milhões de mortos são consequências macabras do seu imperialismo já decadente. De forma ousada, a criatura, Bin Laden, fez o criador engolir todo o seu orgulho e maldade.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual