Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

CIMI cobra solução rápida para disputa por terra no Acre


João Porto  - Rádio Nacional da Amazônia

Brasília - Uma área localizada às margens do Rio Amônia, no município de Marechal Taumaturgo, no Acre, é palco de conflitos por terra, de acordo com denúncia do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) do estado. Segundo o conselho, na região vivem indígenas Apolima-Arara, produtores rurais de um projeto de assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e seringueiros da reserva extrativista do Alto Juruá.

O coordenador do Conselho Nacional de Seringueiros no Acre, José Maria Barbosa, afirma que o impasse é antigo. Segundo ele, muitos dos indígenas que reivindicam a ampliação da terra indígena também vivem da extração de látex na reserva do Alto Juruá. “Essa briga começou logo quando a reserva extrativista foi demarcada.”

De acordo um dos líderes indígenas da região, Francisco Siqueira, da etnia Arara, a ocupação da terra por não-índios preocupa porque há construção de casas na região e extração ilegal de madeira. Siqueira entrou uma representação contra os produtores rurais e seringueiros no Ministério Público Federal no Acre.

O Cimi divulgou uma nota de repúdio à situação de conflito na região. No texto, o conselho cobra da Fundação Nacional do Índio (Funai) ações para conter a violência na região. Para o coordenador do Cimi no estado, Lindomar Padilha, é preciso encontrar uma solução rápida para o impasse. “Todos eles são trabalhadores e precisam de seu espaço. Mas esse conflito precisa terminar.”

O superintendente do Incra na região, Raimundo Cardoso, informou que existem documentos no processo de criação do assentamento mostrando que a Funai não tinha interesse na área quando os trabalhadores foram assentados. “Quero isentar o Incra de sua participação no conflito porque o Incra criou o assentamento com base em dados da Funai.”

A assessoria de imprensa da Funai informou que o administrador regional da fundação no Acre, Antônio Apurinã, viajou para a região do Alto Juruá para tentar resolver o impasse. Segundo a Funai, Apurinã vai apresentar um relatório sobre situação na terra indígena na segunda-feira (5).

Fonte: Agência Brasil

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)