Porto Velho (RO) domingo, 5 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

CIMI cobra solução rápida para disputa por terra no Acre


João Porto  - Rádio Nacional da Amazônia

Brasília - Uma área localizada às margens do Rio Amônia, no município de Marechal Taumaturgo, no Acre, é palco de conflitos por terra, de acordo com denúncia do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) do estado. Segundo o conselho, na região vivem indígenas Apolima-Arara, produtores rurais de um projeto de assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e seringueiros da reserva extrativista do Alto Juruá.

O coordenador do Conselho Nacional de Seringueiros no Acre, José Maria Barbosa, afirma que o impasse é antigo. Segundo ele, muitos dos indígenas que reivindicam a ampliação da terra indígena também vivem da extração de látex na reserva do Alto Juruá. “Essa briga começou logo quando a reserva extrativista foi demarcada.”

De acordo um dos líderes indígenas da região, Francisco Siqueira, da etnia Arara, a ocupação da terra por não-índios preocupa porque há construção de casas na região e extração ilegal de madeira. Siqueira entrou uma representação contra os produtores rurais e seringueiros no Ministério Público Federal no Acre.

O Cimi divulgou uma nota de repúdio à situação de conflito na região. No texto, o conselho cobra da Fundação Nacional do Índio (Funai) ações para conter a violência na região. Para o coordenador do Cimi no estado, Lindomar Padilha, é preciso encontrar uma solução rápida para o impasse. “Todos eles são trabalhadores e precisam de seu espaço. Mas esse conflito precisa terminar.”

O superintendente do Incra na região, Raimundo Cardoso, informou que existem documentos no processo de criação do assentamento mostrando que a Funai não tinha interesse na área quando os trabalhadores foram assentados. “Quero isentar o Incra de sua participação no conflito porque o Incra criou o assentamento com base em dados da Funai.”

A assessoria de imprensa da Funai informou que o administrador regional da fundação no Acre, Antônio Apurinã, viajou para a região do Alto Juruá para tentar resolver o impasse. Segundo a Funai, Apurinã vai apresentar um relatório sobre situação na terra indígena na segunda-feira (5).

Fonte: Agência Brasil

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre