Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Uma bela coletânea de vivências amazônicas


Uma bela coletânea de vivências amazônicas - Gente de Opinião

O livro de narrativas biográficas “Vivências Amazônicas”, organizado por Izabel Cristina da Silva, Vânia Beatriz Vasconcelos de Oliveira, Jacqueline Palhano de Alencar e Rosângela Arend, uma produção coletiva da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil-Coordenação de Rondônia-AJEB-RO, publicado pela Temática Editora & Cursos é, de fato, como escrito na sua orelha “uma grande bacia”, porém não hidrográfica e sim das experiências, das vivências de mulheres diversas da Amazônia. É uma espécie de caleidoscópio de vidas de mulheres que são amazônicas em todos os sentidos, inclusive por serem guerreiras e, genuinamente amazônicas por mais que tenham nascido em lugares tão diversos quanto o Rio Grande do Sul, Ceará, Minas Gerais, Paraná, São Paulo ou lá em Puerto Suárez, Santa Cruz na Bolívia. São também das mais diversas formações como agricultoras, advogadas, psicólogas, empresárias, chefs de cozinha,  educadoras ou até mesmo com múltiplas atividades, porém todas tem em comum o fato de terem superados os obstáculos e serem capazes de contar algumas suas próprias vidas, outras a de pais ou avós, mas sempre vivências que enriquecem quem lê,  com a multiplicidade de  uma floresta amazônica. Como se trata de uma obra organizada de forma simples, quase intuitiva, com as experiências contadas de forma individual, sugiro uma leitura no tempo. Ler um pouco a cada dia e usufruir das palavras que contam histórias de vida com um sabor verdadeiramente amazônico e sem pretensão maior do que nos brindar com as passagens e emoções de cada uma que, em alguns momentos, envolvem uma música, uma poesia, uma explicação sobre os caminhos que tomaram. A verdade é que, como sou um leitor voraz, não respeitei o conselho que dou: li tudo avidamente, de um gole só! Mas, devo dizer que, em primeiro lugar, mergulhei nas pessoas que mais conheço, e que, por razões lógicas, me tocaram mais. Ler sobre Jussara Gotllieb, Cristina Dall”Agnol, Joana Joanora, Izabel Cristina da Silva, Flora Castelo Branco, Mileni Mota e Ana Maria Tourinho-são as que me vêm à lembrança, agora, foi como conversar com velhos amigos sobre os tempos passados. Talvez, me perdoe se assim for, tenha escapado alguma. O que não escapou mesmo foi o prazer em ler tantos relatos, tão ricos e tão diversas vivências  dessas mulheres amazônicas que me fazem endossar os versos de uma das organizadoras (Rosângela Arend) quando, com precisão, escreve:

“Na beira do igarapé

com lutas intensas, com confiança,

com coragem e esperança

conquistaram essas terras.

São guerreiras, são fortes, são mulheres do norte!”.

Enfim, o livro não pode ser resumido. Tem que ser lido para ser ter uma visão da grandeza das muitas vivências que a coletânea oferece. Leiam que, com certeza, irão gostar.   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

Minha visão do carnaval, a partir da época de criança, sempre foi de festa, de um momento de inversão dos valores onde os homens se vestiam de mulhe

A insegurança nossa de cada dia

A insegurança nossa de cada dia

Nas duas últimas semanas assisti, em Porto Velho, a dois fatos inéditos. O primeiro deles, na saída da Avenida Farquhar do Mercado Central, em plena

O jornalismo tradicional continua em xeque

O jornalismo tradicional continua em xeque

É comum que mudanças tragam consigo oportunidades. A questão é: para quem? Esta reflexão provém do fato de que o relatório de previsões do Instituto

Ensino à distância é fundamental para a sociedade brasileira

Ensino à distância é fundamental para a sociedade brasileira

O ensino brasileiro, todos sabem, passa a muito tempo por uma crise. Embora o número de vagas nos cursos públicos tenha aumentado isto, sem dúvida,

Gente de Opinião Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)