Porto Velho (RO) quarta-feira, 5 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Quem corre risco é opinião pública


Quem corre risco é opinião pública  - Gente de Opinião

Cada vez mais as pessoas migram de determinadas plataformas para outras em busca de informações, sejam notícias ou produtos. Por exemplo, agora mesmo, se verifica uma queda de acessos no Facebook em busca de outros serviços similares.  Qual a razão? A razão é a mesma que afeta a grande imprensa nacional. O descrédito. Ou, como acontece com o Facebook, com um posicionamento que se pauta pela esquerda, pelo controle sobre opiniões divergentes, enquanto fecha os olhos para o que os que fazem o que querem,  que estão alinhados com suas opiniões. Uma coisa é fazer jornalismo, ainda que as mídias sociais sejam meios de opinião e não jornalismo, outra é buscar usar o jornalismo ou uma empresa usar a mídia social para justificar suas crenças e desejos pessoais, ou de seus chefes, ou defender a ideia de um estado que tudo domina e controla. Embora grande parte dos jornalistas só defendam mesmo sua carreira e não possuem, inclusive, preparo para ter opiniões próprias. De forma que o que se observa é o descrédito que já atingiu grandes redes de televisões, portais, emissoras, empresas e profissionais. É flagrante isto, por exemplo, com a campanha negativa que se faz com a crise do novo coronavírus. Que se seja contra Bolsonaro, que não paga, com razão, aliás, as vultosas somas que se pagava para manter uma imprensa submissa e lacaia, é compreensível. Não é compreensível é que pela repetição se deseje manter o país em permanente estado de medo para atingir o presidente e seu governo. Não é compreensível, por exemplo, que, apesar da comprovação patente do fracasso da política nacional de restrições às armas, se crie uma inflação de casos para justificar o que não deu certo. E como a grande imprensa, com a falsificação exagerada se encontra, cada vez mais, espremida e desossada pela internet, onde se debate tudo, que se queira, como se quer, utilizar uma legislação criada atabalhoadamente para sustentar a narrativa do medo na população evitando o contraditório. Há até mesmo a criação histérica de ataque a imprensa livre, que nunca foi tão livre antes, porque, agora, é o cúmulo, para a imprensa, qualquer pessoa pode contestar os dados fornecidos, cobrar a fonte da informação ou até mesmo mostrar, o que é muito normal, que o profissional apenas copiou uma notícia e não se empenhou em verificar sua autenticidade. Autenticidade? Meu Deus! Aqui me ocorre que é a grande imprensa, que publica quase a totalidade das notícias,  não checa nada! Até porque, a rigor, não se tem mais redações. A grande imprensa brasileira, com exceção dos colunistas, passou a ser um repassador de notícias. Não há mais repórteres, não se cria nada. Basta ver que até os mesmos erros são publicados da mesma forma em vários jornais, portais, emissoras e quejandos. Com a criação de leis para coibir a opinião quem, de fato, corre risco não é a imprensa livre, nem as grandes empresas que dominam a imprensa - que estas somente publicam o que lhe interessa, mas, a opinião pública livre, como as opiniões das mídias sociais que mostram o que a grande imprensa, por interesses próprios, não gosta de mostrar. Os que estão sendo atacados são os que conseguem se destacar por contestar o alimento ruim com que tentam alimentar a manada. Mas, pelo jeito, para muitos políticos o importante é que se tenha a mesma ração sempre. Uma ração diferente pode fazer com que o gado mude de direção- é o que pensam. O problema é que o povo não é gado. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

O mundo vai mudar por onde menos se espera

O mundo vai mudar por onde menos se espera

Ora, mesmo antes da pandemia, dizer que o mundo ia mudar não se tratava de uma profecia muito original. Com a pandemia, então, a mudança parece mesm

O Norte também tem cachaça

O Norte também tem cachaça

Por intermédio do meu amigo Jackson Jibóia tive o prazer de ter acesso ao anuário “A Cachaça no Brasil-Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes-A

O novo normal não será tão novo

O novo normal não será tão novo

Há uma série de pensamentos sobre a vida depois da pandemia do novo coronavírus que me parecem irreais. As pessoas pensam, ou desejam acreditar, que

Quatro anos de glórias sem comemorações

Quatro anos de glórias sem comemorações

E foi assim, de gole em gole, de conversa em conversa, de carnaval em carnaval, de encontros e desencontros que o Buraco do Candiru completa, neste