Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O TERROR DO DESEMPREGO À VISTA


Dizem que tem até  50 000 petistas  preocupadíssimos em perder a boquinha........

De acordo com as pesquisas Lulla da Silva teria mais de 10 pontos de vantagem de Alckmin. Há!Há!Há! Dizem as lideranças petistas, e alguns jornalistas isentos e outros não tão isentos, que o programa eleitoral de Lulla está melhor do que o de Geraldo Alckmin. Lulla teria incorporado, novamente, o papel de “Lulinha paz e amor” e sua voz voltado a ser terna, aveludada, quase de um pai falando aos filhos; que seu programa é simples, objetivo, direto uma marmelada sem gosto servida não para dizer nada e induzir ao triunfalismo. Nada que lembre qualquer assunto polêmico, só uma insistência “normal” de exibir como feitos as coisas que não faz e repetir mentiras desnecessárias com uns “erros”, naturalmente, que se explicam pelo desespero que se aproxima dos petistas com a perda do poder.

Afinal são milhares de cabos eleitorais, pendurados em diversos órgãos que fizeram da boca-livre do governo Lulla seu meio de vida, de enriquecimento, de vida mansa que jamais teriam de outra forma. Esta gente está desesperada com o desemprego à vista. Aliás, com razão, já viram como será duradouro pelo exemplo do Rio Grande do Sul e de São Paulo, só para citar governos onde a frustração com as administrações petistas deixaram seus pares procurando um rumo. Isto é que leva à insensatez, ao terrorismo de dizer que Alckmin vai acabar com a bolsa-família. Isto e o costume, o modo particular petista de gostar de criar boatos e repetir mentiras indefinidamente para se convencer que é verdade.

Outra mentira absurda, porém mais lógica é a de que Alckmin vai privatizar o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e outras estatais. É claro que não há o mínimo de verdade não só porque não consta nem nunca constou nem na visão de Alckmin, nem do PSDB, qualquer intenção neste sentido, bem como se sabe os óbices técnicos e políticos e o desgaste de qualquer ação para tal. Qual a razão da mentira? Primeiro que tem uma pá de petistas pendurados nestes galhos que precisam ser mobilizados. Muitos deles são, como toda direita, moralista e não se refizeram dos dólares nas cuecas, do Mensalão, das orgias de Palocci e outras tratantadas conhecidas e badaladas. Muitos deles não se movem, então, o segundo motivo se agiganta, a suposta privatização é para lembrar que estão ameaçando seus poleiros, que é preciso lutar pelo partido, apesar da desilusão, porque é dele que vem sua sobrevivência. Não se trata mais da ideologia. Trata-se do pão e é isto que a mentira lembra. E, na esteira, tentam também iludir os outros funcionários o que é difícil, quase impossível. Há, entre os bancários e outros servidores públicos, um grande repúdio ao governo Lulla. Eles sabem que tiveram que conviver com o despreparo, com as barbeiragens, os desmandos, a arrogância e as perseguições. Não faz efeito mais. Quase quatro anos de convivência com a máfia petista deram a eles a visão do modo de (des) governar petista. È uma tentativa desesperada dos estrategistas para criar medo, criar o que não existe um “Risco Alckmin”. E por que fazem isto? Eles sabem que tem que tentar comparar o governo Lulla, e sua avassaladora e mentirosa venda de “feitos”, com o governo FHC, embora este não seja candidato. A razão principal é que não tem a mínima possibilidade de se comparar ao governo Alckmin em São Paulo, que foi muito elogiado pelos paulistas, tido como sumamente competente, inclusive em eleições, vide José Serra e os votos para o segundo turno. Os orientadores da campanha ficam apavorados porque sabem que precisam impedir o crescimento lento e consistente de Alckmin que a esta hora já passou Lulla da Silva. É o desespero que o fazem insistir neste caminho e fazer com que Lulla tenha o descaramento até de se auto-atribuir o fim da inflação elevada. Que mentira desavergonhada! É o medo, o desespero, o desemprego à vista que move a campanha de Lulla da Silva. Vai perder, de qualquer forma, porém, anotem, antes ainda vão fazer uma trapalhada qualquer. O clima, a afobação, o despreparo junto com o medo o farão errar feio. È só esperar. Só os grandes craques chamam o jogo para si na hora da decisão. Lulla já provou que empurra os outros para responsabilizar. Ótimo para o país. Vamos ter de volta o futuro. Apesar de Chico Buarque de Hollanda ter perdido o rumo da história amanhã há de ser outro dia.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Uma divagação sobre as incertezas do presente

Uma divagação sobre as incertezas do presente

Não há, como algumas vezes, por diletantismo ou especulação, não pensar em como se comportariam certos personagens no mundo moderno. Deveria, por ex

A crise do Covid-19: impactos na economia e no comportamento das pessoas

A crise do Covid-19: impactos na economia e no comportamento das pessoas

A maior crise sanitária do Século XXI atinge o mercado valorizando o local e mudando comportamentos Uma análise dos impactos da pandemia do coronaví

Nada será como antes: o enterro do mito

Nada será como antes: o enterro do mito

O capitalismo, integrando países e fluxos mundiais de comércio, tecnologia e investimentos, melhorou, de forma sustentada, os padrões de vida de dif

A repetição inovadora de uma velha história

A repetição inovadora de uma velha história

O mundo nunca foi justo. Quando mais jovem acreditei na utopia de que a nossa geração, os nascidos na segunda metade do século XX, poderiam transfor