Porto Velho (RO) domingo, 8 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O NOME DA FERA É CRISTIANO RONALDO


Agência Brasil na Copa 2018: Portugal e Espanha - Cristiano Ronaldo de Portugal faz seu terceiro gol. /Hannah McKay/Reuters/Direitos Reservados - Gente de Opinião
Agência Brasil na Copa 2018: Portugal e Espanha - Cristiano Ronaldo de Portugal faz seu terceiro gol. /Hannah McKay/Reuters/Direitos Reservados

O jogo mais esperado desta primeira rodada da Copa do Mundo não decepcionou: Portugal e Espanha fizeram um clássico muito disputado no Estádio Olímpico de Sochi. Logo aos três minutos, numa infantilidade de Nacho, que chutou sem necessidade Cristiano Ronaldo, o juiz marcou pênalti acertadamente. Implacável o atacante português marcou e converteu com precisão. A Espanha custou um pouco a reagir, mas, paulatinamente foi impondo seu jogo de toques, sob o comando de Iniesta, até que, aos 23 minutos, Diego Costa, de forma faltosa,  levou a melhor na disputa de bola com Pepe, porém, o juiz não deu. E o centroavante, na frente de dois marcadores, conseguiu encontrar espaço para finalizar no canto direito de Rui Patricio empatando o jogo.

Tudo indicava que a Espanha iria mudar o rumo do jogo, pois, impunha o seu ritmo e chegou a pregar um susto na torcida portuguesa com uma bola que bateu no travessão, e caiu em cima da linha, num chute de  Isco. Porém, Cristiano Ronaldo, depois de receber de Gonçalo Guedes, aos 43 minutos, desempatou o jogo com um chute em que houve uma falha grave do goleiro De Gea. Para muitos um frangaço, de vez que a bola esteve nas suas mãos antes de escapar para as redes. E terminou 2x1 para Portugal o primeiro tempo.

A Espanha voltou com tudo para a etapa complementar. E tocando a bola, incomodando a defesa portuguesa chegou ao empate aos nove minutos. Numa cobrança de falta, David Silva levantou na área e Busquets completou de cabeça para o meio. Lá o Diego Costa, com o faro e a perícia de artilheiro, mandou a bola para o fundo das redes. Portugal sentiu o baque. E o time de

 Hierro soube aproveitar o momento  e virou o jogo três minutos depois.  O ataque espanhol fez uma jogada pela esquerda e a bola, desviada na zaga, sobrou limpa para Nacho, que, num sem pulo, tocou a bola com efeito e comemorou ao vê-la tocar na trave antes de entrar. A Espanha parecia ter o jogo sobre controle valorizando a posse de bola até que, perto da área, Piquet fez uma falta em Cristiano Ronaldo, aos 42 minutos. Ele mesmo cobrou com perfeição marcando seu terceiro gol na partida e se tornando, até agora, o artilheiro da Copa e o nome da partida. O jogo ficou mais emocionante, mas, agora, era Portugal quem buscava mais o gol. Mesmo com quatro minutos de compensação o placar não se mexeu mais. Numa avaliação isenta a Espanha foi melhor, no entanto, Cristiano Ronaldo equilibrou a balança.

Cristiano Ronaldo, de fato, fez história ao ser o único jogador de Portugal a disputar quatro edições da Copa do Mundo. Com os gols que fez se igualou a Pelé, Klose e Seeler com gols em quatro Copas do Mundo. E também é o primeiro a marcar em oitos torneios internacionais consecutivos. Fez comemoração de cabra, mas, está mais para lobo. E um lobo feroz faminto por gols.

Original do Blog "Um Estranho no Ninho" (https://spersivo.blogspot.com/). 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Cada vez mais merece atenção o tema de transformação das cidades em cidades inteligentes, ou, em inglês, Smart Cities, que são sistemas de pessoas i

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

O Departamento Acadêmico de Ciências Econômicas da UNIR, com o apoio do Núcleo de Ciências Sociais Aplicadas também da Universidade de Rondônia e o