Porto Velho (RO) quinta-feira, 23 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O COMÉRCIO EM 2030 SERÁ MUITO DIFERENTE - Por Silvio Persivo


Silvio Persivo (*)

Como será o comércio em 2030? Mais sustentável e inclusivo? Estas foram   perguntas que nortearam o debate na edição 2018 do Fórum Público da Organização Mundial do Comércio (OMC), que aconteceu entre os dias 2 e 4 de outubro, em Genebra, na Suíça. O que ficou patente no encontro foi que as mudanças tecnológicas e sociais provocarão uma grande transformação da sociedade e vão gerar novos hábitos de consumo, fazendo com que o ato de ir às compras no futuro seja muito distinto do de hoje. Uma das expectativas é a de que, em 2030, o varejo será lazer, com as  fronteiras, entre ambos, desaparecendo, de vez que as experiências de compras únicas e personalizadas para consumidores serão cada vez mais digitais. A expectativa também é de que o acesso aos bens predomine sobre a sua posse. Outra previsão é a de que a cadeia de abastecimento irá adaptar-se a prazos de entrega cada vez mais curtos. As mudanças na procura e as possibilidades ofertadas pelas novas tecnologias vão fazer com que os processos de produção se tornem mais locais com a produção feita por impressão 3D e 4D, o que impulsionará o comércio.  Os clientes forçarão os varejistas a caminhar mais no sentido da omnicanalidade, integração entre todos os canais, de tal modo que a norma será comprar o que se quiser, como e quando se quiser, o que irá requerer uma interação mais intensa entre as empresas e a logística. A loja física deve continuar a desempenhar um papel importante na comunicação da marca e na atração do cliente. E mesmo os negócios puramente on-line, chamados de "pure players", amparados na análise de dados, acrescentarão lojas físicas ao seu canal online.

Uma tendência que parece inevitável será das cidades reduzirem a prioridade dos veículos. Decorrente disto a necessidade de criação de jardins e praças e de ambientes mais acolhedores. Isto deve levar a uma revalorização dos centros das cidades, mais amigáveis para os pedestres, e com uma maior dinâmica  e atividades como os festivais urbanos, pois, o lazer deverá ganhar maior expressão nessas áreas. Na verdade, os centros comerciais serão comunidades de uso misto e incluirão todos os elementos para a vida cotidiana, misturando escritórios, varejo e áreas residenciais. E passarão a incluir novos serviços, como ofertas educativas, espaços de co-working, zonas de armazenagem e serviços de saúde. Com o aumento das vendas online serão necessárias menos lojas para cobrir um mercado. Em contrapartida, os consumidores serão mais exigentes e cobrarão experiências mais personalizadas. A tecnologia digital reformulará as lojas físicas para melhorar a experiência de compra e reduzir custos. E não será nenhuma surpresa a introdução de com robôs no varejo para a automatização de processos.  O Big Data e análise de dados aprofundará o poder de previsão e o  entendimento das emoções dos clientes. É varejo concorrerá com o lazer focado na personalização de produtos para manter a fidelidade dos clientes. Surgirão novas soluções que não se tem como prever, mas, veículos autonômos recolherão os produtos devolvidos em casa dos clientes ou em pontos definidos. A logística recorrerá à analise de dados para serem mais eficazes, o que tornará os processos de entrega e devolução  bem mais eficientes. O artesanato, em  2030, será um novo segmento do comércio. O consumidor está cada vez mais interessado em produtos artesanais e marcas locais devido ao aumento da procura por experiências únicas e autênticas, daí,  o número de negócios independentes deve aumentar. Além disto, as próprias grandes cadeias de varejo vão desenvolver conceitos e marcas com aparência independente para ocupar uma parte deste mercado. Não há dúvida de que a  beleza e a saúde serão setores que ganharão imenso impulso. Graças ao Instagram, Facebook e da vontade de  aparecer continuamente, os negócios da beleza e cirurgia estética, focados na melhoria da imagem, tendem a ter um forte crescimento, bem como a procura de bem-estar fará crescer os serviços de "wellness" e as lojas de alimentação .

Nos combustíveis, os a previsão é do surgimento de mini hubs logísticos. Os  serviços serão centrados nos veículos elétricos, porém,  incorporarão mais oferta de comércio e de lazer devido aos tempos de espera dos carregamentos. Devido à sua localização, converter-se-ão também em locais de mini distribuição e incluirão diferentes opções de ponto de retiradas de mercadorias (os "click & collect"). O que parece ser uma tendência consolidada é a de que os consumidores serão mais sensíveis às experiências do que para a aquisição de bens, o que aumentará o nível de competitividade. Na prática desparecerão as grandes diferenças de preços entre os artigos de luxo e os comuns e o consumidor tenderá a compras no curto prazo, com os produtos baratos, ou no longo prazo, com os produtos de maior qualidade.

(*) É Doutor em Desenvolvimento Sustentável pelo NAEA/UFPª e Professor de Economia Internacional da UNIR.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Arte para quê?

Arte para quê?

A questão do que é a arte e da beleza da arte tem sido um tema sempre permanente nas discussões intelectuais.

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

Lenha na FogueiraNo apagar das luzes ou como se diz no jargão futebolístico, nos acréscimos, a polêmica entre a Sejucel (leia-se, superintendente Jobs

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr