Porto Velho (RO) quinta-feira, 5 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O AUTISTA DO PLANALTO


No meio das maiores investigações que se tem noticia da história do Congresso brasileiro e  da evidência de casos gravíssimos de corrupção envolvendo os governantes federais, inclusive com sérias evidências contra o ex-ministro da Saúde, Humberto Costa,  e municipais, as palavras do presidente Lula da Silva de que a oposição sente ódio pelas “coisas boas” feitas em seu governo soam meio descabidas. Embora demonstrando um desmemoriamento gigantesco, e uma arrogância explícita, na afirmação de que com três anos e sete meses (das quais grande parte passou fora de Brasília ) não teve o menor constrangimento de dizer que "humildemente, não tem medo de “sermos comparados (sic) com nenhum governo na historia do País, em nenhuma área". E se referiu às críticas dos adversários ao governo como se fosse dor de cotovelo afirmando "Que bom que as pessoas sintam tanto ódio, não pelas coisas ruins , mas pelas boas"

Pelo visto não passa por sua cabeça que são da lavra de seu governo o recorde de 240 mil sem-terras acampados em barracas, os formidáveis desmazelos do PCC, as invasões do Congresso, da Aracruz nem o envolvimento de um número recorde de parlamentares na cobrança de propina sobre ambulâncias superfaturadas sem contar as revelações degradantes que já haviam sido feitas nas CPIs do Mensalão, dos Correios e dos Bingos, na mais formidável falta de ética que já se assistiu de um governo. A imagem do parlamento em particular e da classe política desgastada, por mais que a generalização seja mentirosa e injusta, não parece ter nada a haver com seu governo ou com ele. 

Nem parece que deseja que no processo eleitoral estas questões sejam discutidas.  No seu entender, e pelo discurso que faz, como a prática política sempre foi uma história de apropriação ou de uso privado dos bens e serviços públicos, o que acontece no governo dele não tem nada demais. Só procura afirmar que isto se faz porque no seu governo se fiscaliza mais e que os que são pegos são punidos- o que é “menos” verdade. Também não gosta de que afirmem que o clientelismo, uso da máquina pública, toma-lá-dá-cá, negociação sobre emendas parlamentares, propina aberta ou dissimulada, tenha se tornado oficial com o uso de verbas para ONGs e entidades sindicais que se atrelam ao governo e as bolsas e vales usados, sem critérios técnicos, para fazer um tipo de “clientelismo oficial” que só tem de novo a tentativa de transformá-lo num novo “Pai dos pobres”. Porém não dá para se esquecer que provém do executivo um nível de audácia na corrupção que ultrapassa os limites do primarismo e desemboca na impunidade que cercou a quadrilha do mensalão e ameaça ser bisado com a máfia dos sanguessugas. O que Lula da Silva não tem como esconder é que todas distorções tem como fonte a utilização indevida do que é público para benefício do privado, sejam parlamentares, assessores, prefeitos, membros do executivo ou dos partidos. E isto não acontece em nenhum governo do passado e sim no de quem se apresenta como padrão de ética e de moral brasileira que, infelizmente, não vê, não ouve e não enxerga senão “as coisas boas” feitas no seu governo que nos levaram ao alto grau de descrença, de falta de respeito aos políticos e as campanhas de voto nulo. Claro que, para Lula, a culpa de tudo isto é da oposição, da imprensa e dos intelectuais que são incapazes de ver seu imenso “sacrifício” pelo país que os mais escolarizados estão doidos por dispensar. É um caso inconteste de autismo político.

Fonte: Sílvio Persivo

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Cada vez mais merece atenção o tema de transformação das cidades em cidades inteligentes, ou, em inglês, Smart Cities, que são sistemas de pessoas i

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

O Departamento Acadêmico de Ciências Econômicas da UNIR, com o apoio do Núcleo de Ciências Sociais Aplicadas também da Universidade de Rondônia e o