Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O ASSEMBLEÍSMO DANOSO


Grassa, atualmente, no país uma grave doença que ameaça as instituições democráticas que é o chamado assembleísmo. Seja em questões relativas as causas sociais, seja em órgãos sindicais e até mesmo nas universidades os riscos de decisões que acabam sendo tomadas ao calor de assembléias, muitas delas aparelhadas por interesses partidários e até mesmo anti-democráticos, são maiores, hoje, do que nunca. Um exemplo bem presente são as greves das universidades que, muitas vezes, são decididas, justamente, pelos que, na sua grande maioria, nem freqüentam as salas de aulas, porém fazem da política universitária sua função maior. E, como parte deles, são bons em agitação pretendem até mesmo minar a universidade com a adoção de um sistema paritário na qual os alunos passem a ser um fator decisivo na escolha dos reitores. Um enorme retrocesso na medida em que criar uma boa universidade com base no poder para os alunos é inverter a lógica do ensino. O que passa a ser preponderante não é mais a qualidade, nem a cobrança do mestre e sim sua capacidade de agradar aos alunos-o que, convenhamos, é a subversão da ordem natural.

Dar a mesma paridade de votos para os alunos que as dos professores é, na prática, quebrar a hierarquização universitária que situa os professores, em cima, e os alunos, embaixo, cada um com suas responsabilidades inerentes e insubstituíveis. É fundamental para a qualidade universitária que seja mantida a clara noção de que, embora os alunos devam ser ouvidos e suas reivindicações e reclamações, quando justas, atendidas, são os professores que conduzem a vida acadêmica e é da sua experiência, de sua condução, de seu trabalho continuado que surge, ou não, uma qualificação real. Nada, portanto tão danoso quanto o democratismo que diminui o professor dedicado, o que se preocupa com a pesquisa, com a qualidade do ensino, com o tipo de educação que seus alunos possuem com os que, simplesmente, procuram, convenientemente, atender os alunos para esconder sua preguiça quando não a irresponsabilidade. A democracia deve ser cultivada e feita nos locais adequados. Na universidade, para que seja, de fato, uma agência de desenvolvimento, de criatividade, de formação de qualidade a hierarquização se faz indispensável. Professor é professor por deter instrução, conhecimento, por ter anos de estudo e não pode ser equiparado, na vida acadêmica, ao adolescente recém-chegado que terá que sentar muito nas cadeiras da escola para ter o seu grau de conhecimento e experiência. Como aceitar que este vá ter a mesma influência que a de um mestre? Só o completo desrespeito a uma boa formação, e a má política educacional, podem defender coisas assim e esta é representada pelo assembleísmo danoso que, em nome da democracia, os que desejam miná-la procuram impor. Uma boa universidade se faz com e pelos bons mestres que possui. Para serem iguais os alunos devem se tornar mestres e, se possível, ultrapassá-los.


Fonte: Sílvio Persivo
[email protected]

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

A repetição inovadora de uma velha história

A repetição inovadora de uma velha história

O mundo nunca foi justo. Quando mais jovem acreditei na utopia de que a nossa geração, os nascidos na segunda metade do século XX, poderiam transfor

A imprensa bateu no iceberg da viralização

A imprensa bateu no iceberg da viralização

Que nós vivemos tempos em que se repetem os pensamentos, as notícias e as imagens sem análise não se trata de novidade nenhuma. O que mais me impres

O Sol voltará a brilhar

O Sol voltará a brilhar

A grande verdade- e isto se observa com o hiato entre os políticos e os seus representados, bem como pelo papel indigno da grande imprensa no moment

O atraso vestido de progressista

O atraso vestido de progressista

O atraso sempre foi uma característica brasileira. E, convenhamos, não há nada demais em ser atrasado, quando sempre se foi assim. A questão, agora,