Porto Velho (RO) domingo, 26 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

É hora da onça beber água - Por Sílvio Persivo


É hora da onça beber água - Por Sílvio Persivo - Gente de Opinião

Vamos começar as quartas de finais e, seguramente, é surpreendente que, pelo menos, três das grandes seleções de qualquer copa estejam fora (Alemanha, Argentina e Espanha). Ainda mais que, em especial a Alemanha e a Espanha eram tidas como favoritas para o título. Já fazia falta a Itália cujo futebol é, indiscutivelmente, um dos melhores do mundo. Não há como não fazer palpites. Pelo chaveamento o lado onde o Brasil está possui as seleções melhores. França, Uruguai e Bélgica se destacaram. Do lado de lá, a Croácia e a Inglaterra são as duas grandes seleções. No entanto, os donos da casa, a Rússia e a Suécia, que venceu a Suiça, com a qual o Brasil, precisamos lembrar, empatou não são times fracos, muito ao contrário, chegaram até aí com méritos.

Contudo, este não é um dos melhores mundiais que já tivemos. Foi, via de regra, recheado de partidas muito defensivas e os gols bonitos, existiram, mas, foram bem menos que nas copas anteriores. Talvez por isto que as atrações acabem sendo o que acontece fora do gramado, como o caso de um  russo torcendo pelo Brasil e até mesmo a repercussão mais dos fingimentos de dores do Neymar do que o fato de que seja um dos grandes nomes que acabou sobrando para o final da Copa da Rússia. Dos times que sobraram a Croácia, a Bélgica, o Brasil e depois o Uruguai, nesta ordem mesmo,  foram os que apresentaram um desempenho melhor. O Brasil é o que mais chuta a gol dos que restaram, mas, a Suécia, por exemplo, tem uma defesa que só levou um gol na primeira fase. A Croácia também. O Uruguai só levou um gol nas quartas de finais. Por isto mesmo são times mais duros de serem batidos. Até agora a posse de bola não adiantou muita coisa quando não se transforma em eficiência do ataque. E se um time se comporta como a Rússia, que teve consciência de que o adversário tinha mais qualidade, se fechando lá atrás para decidir nos pênaltis, não é improvável que venhamos a ter, novamente, decisões que irão depender mais da sorte e dos nervos. De qualquer forma, amanhã, dia 06, às onze horas em Novgorod, Uruguai e França começam a definir os semi-finalistas e, como é mata-mata, emoção haverá de qualquer jeito, embora meu palpite é de que este jogo deve ser um grande jogo, onde os dois irão procurar definir no tempo normal.

Original do Blog “Um Estranho no Ninho” (https://spersivo.blogspot.com/). 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Arte para quê?

Arte para quê?

A questão do que é a arte e da beleza da arte tem sido um tema sempre permanente nas discussões intelectuais.

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

Lenha na FogueiraNo apagar das luzes ou como se diz no jargão futebolístico, nos acréscimos, a polêmica entre a Sejucel (leia-se, superintendente Jobs

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr