Porto Velho (RO) quinta-feira, 6 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

CONSIDERAÇÕES SOBRE O OBSCURANTISMO CONTEMPORÂNEO - Por Silvio Persivo



Silvio Persivo

Não tenho mais paciência nem de explicar, quanto mais discutir, questões complexas com a imensa maioria das pessoas. Não que me considere um grande pensador, porém, a intelectualidade brasileira anda pensando de forma tão rasteira que barriga de cobra pode ser pensada como um lugar elevado. Ainda permanecemos, em termos das discussões relevantes, no século passado. Este pensamento dominante de esquerda, por exemplo, do politicamente correto e da ideologia do “coitadinho” são, tipicamente, produtos de subpensadores (não vou nomear os mais conhecidos para não dar crédito ao submundo), que são ampliados nos vídeos e facebooks da vida pelos nerds pagos e os (as também para agradar a mediocridade) ativistas de sofá. É difícil, para estes pseudointelectuais pensar, daí, que ainda estão no tempo em que era possível pensar que mais estado fosse uma solução e incapazes de reconhecer que o capitalismo, por mais desigualdade que faça, foi quem melhorou a vida de todos nós.

A incompreensão, para não dizer um termo mais forte, vem de que se apegam a uma definição (nem sabem que isto existe) de pobreza do passado para argumentar que, quem não concorda com suas ideias, ou é alienado ou não tem compaixão com os pobres. A pobreza mental deriva de que a pobreza moderna não é a mesma nem do século passado quanto mais do século XVIII, quando havia, de fato, muito mais pessoas em situação de carência alimentar. Hoje, o que havia no passado, seria considerada pobreza intolerável, mas, foi a norma. E as pessoas não tinham escolas, nem sapatos, nem qualquer tipo de assistência de saúde, por pior que seja. Ignoram que, mesmo que a pobreza seja eliminada, digamos em 25 anos, sempre haverá um “revolucionário” usando a pobreza para justificar seus interesses de poder ou, meramente, pelo desejo de aparecer numa sociedade do espetáculo.

A verdade é que a pobreza estará sempre sendo redefinida por ser uma forma de comparação. A pobreza depende da comparação que se faz. Com o que ou quando se compara. E só mesmo a indigência mental deduz uma correlação entre pobreza e criminalidade. Os pobres são criminosos? Não se pode levar esta correlação que a esquerda faz a sério. A pobreza sequer ajuda a criminalidade. São as ideias vigentes, o discurso idiota de que todos têm direito sem deveres, que basta existir para que o estado dê tudo a todos. É muito bonito o discurso, mas, quem paga. Não são os Chicos Buarques da vida, nem as atrizinhas bonitas, que fazem discursos infantis, que vão abrir mão de sua boa vida para manter os pobres. Depois a grande realidade é que, com todos os problemas, as condições de vida têm melhorado, cada vez mais, enquanto a criminalidade aumenta violentamente. A realidade é que o discurso idiota do politicamente correto, como o incitamento à revolta, ajudam mais ao aumento da violência do que o discurso conservador, e correto, de que é preciso melhorar a educação, trabalhar e se esforçar para melhorar de vida. Mas, terceirizar a culpa para os políticos, para a corrupção, contra a elite, os ricos e outros, estigmatizando quem não segue o discurso fácil, é sempre mais confortável do que pensar. Vivemos uma época obscura onde se empunha tochas apagadas pretendendo fazer luz.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

O mundo vai mudar por onde menos se espera

O mundo vai mudar por onde menos se espera

Ora, mesmo antes da pandemia, dizer que o mundo ia mudar não se tratava de uma profecia muito original. Com a pandemia, então, a mudança parece mesm

O Norte também tem cachaça

O Norte também tem cachaça

Por intermédio do meu amigo Jackson Jibóia tive o prazer de ter acesso ao anuário “A Cachaça no Brasil-Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes-A

O novo normal não será tão novo

O novo normal não será tão novo

Há uma série de pensamentos sobre a vida depois da pandemia do novo coronavírus que me parecem irreais. As pessoas pensam, ou desejam acreditar, que

Quem corre risco é opinião pública

Quem corre risco é opinião pública

Cada vez mais as pessoas migram de determinadas plataformas para outras em busca de informações, sejam notícias ou produtos. Por exemplo, agora mesm