Porto Velho (RO) domingo, 22 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Arte para quê?


Arte para quê? - Gente de Opinião

A questão do que é a arte e da beleza da arte tem sido um tema sempre permanente nas discussões intelectuais. De certa forma, entre os brasileiros, foi abordada a relação entre arte e beleza pelo poeta Afonso Romano de Sant’Ana, que considera ter havido um desvirtuamento da arte ao se realçar o conceito se abandonando o objeto, ou seja, a arte passou a ser conceitual, enfim, mais explicações da arte do que arte mesmo. Outro intelectual brasileiro que se debruçou sobre o tema foi Ferreira Gullar que lamenta a covardia da crítica de arte que, talvez por medo ou mesmo por dinheiro, deixou que os critérios da arte se tenham diluído, de tal forma que a arte, agora, pode ser qualquer coisa que se denomine de arte. Este tema me rondava a cabeça em razão de um vídeo do artista rondoniense Joeser Alvarez que sob o título “Arte Para Quê?”, fez o que chamou de “Um registro documental e artístico no qual, quase uma centena de produtores culturais e artistas, manifestam de modo diverso e, por vezes confluente, suas visões sobre a finalidade da arte, conferindo a esse repertório uma semântica rica e diversa . As imagens foram captadas por câmeras e celulares ao longo de 10 anos”. O vídeo é mais dinâmico e provocador e, como se pode ver no Youtube facilmente(https://www.youtube.com/watch?=ZmelLX7rZus&feature=youtu.be&fbclid=IwAR1z9gnN4l1TKzdqf2fEpjMm5G2z3XrXRDtzckd2qUwozbg65wDPVjb5_Pw) uma busca de explicações sobre a visão de cada um sobre a arte. É uma coincidência, um pouco dolorosa, embora os céticos não acreditem em coincidência, que o vídeo surja quando morre um filósofo que muito se ocupou da arte e da beleza: Roger Scruton.  É dele, aliás, um livro muito interessante denominado de “Beleza” onde alerta para o permanente desejo de dispor da beleza desde da arrumação da casa, passando pela arrumação da mesa num jantar para os amigos, do jardim mais simples ao mais sofisticado, e até mesmo  nas vestimentas, especialmente, nos nossos tempos de redes sociais e “zilhões” de fotografias de celebridades e desconhecidos. No cotidiano, a beleza é buscada por todas as culturas e fica evidente na exposição de Scruton, ao dizer sobre a beleza, que não se estabelece um critério firme para a definição do que é a beleza, pois, isto passa por um conjunto amplo de possibilidades, ao mesmo tempo, que sempre o desejo de beleza se relaciona com critérios formais e com uma certa sensação de bem-estar e aconchego. O que ressalta é que, sem sombra de dúvida, a arte consiste numa das mais apropriadas atividades para a busca da beleza. Scruton, que nada tem de saudosista,  escreve que : “... tudo que afirmei acerca da experiência da beleza insinua que ela possui fundamentos racionais. Desafia-nos encontrar significados em seu objeto, traçar comparações críticas e examinar nossas próprias vidas e emoções à luz do que descobrimos”.  Para ele, a questão é a de que, no mundo moderno, há na arte uma fuga da beleza e da verdade. Então, talvez, a pergunta certa não seja “Arte Para quê”, mas, “Arte Por quê”. Daí, o importante é perguntar até onde a arte serve para a vida. Ou, talvez, indo mais longe, como se faz da vida uma arte. Fazer arte na vida, no entanto, hoje, em dia, até para obter 15 segundos de fama, milhões já fazem, independente da beleza e da verdade. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Somente para quem quer ser bem informado

Somente para quem quer ser bem informado

No Brasil há mais ruído que informações. A verdade é que se pega qualquer afirmação para se ser contra ou a favor e, com a inflação alta, os combust

Brasil, em 2021, teve o melhor resultado do PIB dos últimos 11 anos

Brasil, em 2021, teve o melhor resultado do PIB dos últimos 11 anos

Esta semana Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, foi alta de 2021. anual para a economia brasileira 2010, desde o país cresceu 7

Os sinais da desmaterialização da realidade

Os sinais da desmaterialização da realidade

É um problema demasiado humano, talvez provindo do desejo de sermos “realistas”, somente nos ocuparmos daquilo que é imediato, dos problemas polític

Uma divagação sobre as incertezas do presente

Uma divagação sobre as incertezas do presente

Não há, como algumas vezes, por diletantismo ou especulação, não pensar em como se comportariam certos personagens no mundo moderno. Deveria, por ex