Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A RENOVAÇÃO NECESSÁRIA DA IMPRENSA ESCRITA - Por Silvio Persivo


Silvio Persivo

Como um aficionado dos jornais, das revistas e dos livros é impossível não me ligar às questões da que se costuma denominar como crise da imprensa escrita. Sem dúvida, a imprensa escrita sofreu muito, em especial, nos últimos 10 anos, com as grandes mudanças tecnológicas, com os meios digitais e as redes sociais roubando grande parte dos seus leitores e, mais ainda, desviando os gastos em  publicidade, ainda que, examinadas de perto,  as receitas do on-line não compensem as receitas perdidas no papel. De fato, estima-se que os  anunciantes na imprensa escrita decresceram, em uma década, quase 80%, enquanto o digital, talvez, recupere apenas 55 a 60% dos investimentos, ou seja, na prática, há uma queda de investimentos, embora a sua multiplicidade, e até mesmo a anarquia das mensagens invadam nossos olhos e mentes.

O sinal real da crise reflete-se em que os grandes jornais, as grandes revistas, nacionais perderam milhares de leitores nas edições impressas, e, como se sabe, muitos até cessaram de ter edições impressas, ou até mesmo, encerraram suas atividades, enquanto sobe, e muito, a leitura digital que, no entanto, sobe muito pouco na circulação digital paga, o que gera um saldo pouco positivo para a imprensa em geral. A crise, no meu entender, é, na verdade, do modelo de negócio que a indústria jornalística tanta manter, num ambiente hostil à sua permanência, até mesmo por falta de opção. Aliás, a tentativa que vem sendo feita, de cortar custos, parece ter piorado sua situação na medida em que diminui a qualidade do seu jornalismo e, via de consequência, acelera seus problemas mais do que resolve. E o resultado se vê como um desastre: jornais e revistas com, cada vez mais, menos páginas, com análises e notícias mais curtas, numa concorrência inútil de atender uma população com cada vez menor capacidade de atenção. E, como cortaram na carne, nas redações, o preenchimento dos espaços com fotos e notícias de agências de notícias, torna todos muito parecidos, tudo muito igual, muito pasteurizado.

Não tenho uma formula para combater isto, e se tivesse já teria tentado, mas, ainda creio existir um mercado para o jornalismo de investigação e de análise e de uma opinião bem sustentada. É este tipo de jornalismo que faz falta à democracia, que falta (e muito) ao nosso país. Minha crença é a de que , para que os jornais permaneçam relevantes,  é preciso servir um jornalismo de muito maior qualidade, que seja um diferencial para o leitor. Ainda creio que exista uma grande procura por uma imprensa qualificada, de opinião e crítica. Também pode ser lida, é claro, e até partilhada, com as redes sociais, mas, é este tipo de notícia que cria audiência e da qual sinto falta em todos os meios. Claro que as revistas e jornais são empresas, porém, não são apenas isto. Possuem também um papel cívico e responsabilidades mais amplas. Não podem, como tem sido a tônica nos últimos tempos, somente considerar seus interesses próprios, sem qualquer preocupação em relação à veracidade das notícias. Se fazem isto, então, em nada se diferenciam das opiniões do Facebook, onde cada um diz o que quer, na maioria das vezes, indiferente aos efeitos. Revistas e jornais continuam a ser os maiores produtores de contéudo e devem ser a melhor fonte de informação sobre os governos, as empresas e as instituições que conformam as nossas vidas. Se não fazem isto, se perdem este tipo de preocupação, se não despertam interesse, é natural que percam importância. E perder a importância é também perder renda e leitores. É preciso inovar nossa imprensa escrita.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

As perspectivas depois da crise do coronavírus

As perspectivas depois da crise do coronavírus

Os setores mais ricos, aliados com a esquerda supostamente progressista, até por oposição à Bolsonaro, mas, sem nenhuma consideração pelas consequên

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

Um dos setores mais profundamente impactados pela crise do coronavírus foi o setor cultural, em especial a denominada economia criativa, a parte da

Nem as máscaras nos tornam iguais

Nem as máscaras nos tornam iguais

É verdade. Antes usar máscara era coisa de bandidos ou de heróis marginais, como Zorro, Fantasma ou Batman. Agora não. Para sair na rua ou entrar nu

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Embora, no Brasil, a mídia tenha consagrado a quarentena, ou isolamento horizontal, como um consenso científico, de fato, não é bem assim. O coronav