Porto Velho (RO) domingo, 24 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Política & Murupi - Um fim de mundo só nosso, bem brasileiro, ao som de samba suor e cerveja como soe


Política & Murupi - Um fim de mundo só nosso, bem brasileiro, ao som de samba suor e cerveja como soe - Gente de Opinião

Depois de uma semana de folga volto à lide e precisamente fechando agosto, o mês do cachorro louco, que se dizia desde o início seria o mês de um fim do mundo muito particular e brazuca. Um fim de mundo só nosso, bem brasileiro, ao som de samba suor e cerveja como soe. Para ser fiel à verdade, nosso pitbull estava mal-humorado, mas não fez arruaças, diferente dos selvagens cães de guerra no Afeganistão. Abro setembro que também se anuncia como o mês do cachorro louco II – a missão e haja baba escorrendo pela bocarra do canzarrão.

Duas bombas estão prontas para deleite de quem quer futrica: a primeira é a quebra de sigilo de um reles vereador do Rio de Janeiro que leva o sobrenome do pai como seu maior obra política. Carlos Bolsonaro, Carluxo, tem um BO antigo na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro e é investigado pela prática da tal “rachadinha”, essa praga que existe do Oiapoque ao Chuí e que tem como pano de fundo aquele inquérito mandrake do STF sobre fake news. A segunda bomba caseira é o depoimento de um homem comum, um motoboy, que segundo acreditam os cabeças gordas da CPI da COVID – também do fim do mundo – seria  o “leva e trás” de milhares de dinheiros para a empresa onde trabalhava e que seria também o pagador de boletos de alguém ou alguns que como ele trabalhavam, operavam ou tinham ligações – suspeita-se que espúrias – com o Ministério da Saúde, um órgão federal que para os venerandos senadores que, suspeita-se sejam ilibados e decentes, é olhado, investigado, tido e havido como um covil de ladrões e coisas tantas e que tais e que por pouco não aplicaram um golpe, surrupiando do erário valores que deixariam no chinelo o mensalão, o petrolão e outras tantas falcatruas.

Pois é, setembro além da cachorrada marcada para sete de setembro promete flores, mas as viúvas das casernas de um lado chamando os tanques e as carpideiras revolucionárias ainda chorosas mas contando o valor da indenização que sua ideologia vencida lhes deu de presente, anunciam que “soldados armados, amados ou não” irão trucidar a direita e a esquerda, deixando um Brasil para ser vendido aos chineses e a quem mais interessar possa, a preço de soja transgênica, frango com hormônio e antibiótico e banana.

Para quem gosta da guerra de sofá para promover a guerra de aplicativos, sugiro tirarem o cavalo da chuva. Nossa guerra é outra e é travada em hospitais por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas,  agentes de saúde contra o inimigo invisível. Temos outra guerra que é contra a informação que desinforma, a educação que deseduca e as péssimas condições de vida em que estão 14 milhões de brasileiros sem trabalho, sem futuro, sem água tratada, sem coleta e tratamento de lixo e sem esgotamento sanitário. O Brasil precisa de um nome para se colocar como uma terceira via e é para já!. Chega de direita, de esquerda e de centrão. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d