Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Política & Murupi 27/05/13


Frase do Dia:
 

“Sabedoria demais vira bicho e come o dono." – Zé de Nana distribuindo carapuças.
 

I-Oxigênio nas togas

Primeiro Dra. Eliana Calmon disparou seu “bandidos de toga”. Na posse no STF Dr. Joaquim Barbosa enfiou o: “Nada mais ultrapassado e indesejado que aquele modelo de juiz isolado e fechado, como se estivesse encerrado em uma torre de marfim”. Mesmo sem concordar com ele, a posição estoica de contestar o relator do mensalão pelo do Dr Lewandowsky foi outro bom momento, assim como os votos vencidos do Dr Marco Aurélio... enfim. Outro ministro vai para o STF e, antes mostrar o oxigênio que vai levar à corte Dr. Luiz Roberto Barroso diz: “não há democracia sem política e política de qualidade." Grande momento vive o STF.

II-Mr. Katra

Não gosto do estilo nem do mister, não iria ao show nem para pagar promessa, não conheço os promotores do evento, mas conheço a sanha da “tchurma da 190”. Desconheço o processo que determinou o impedimento, mas como já vi isso, sei que a má vontade às vezes dá o tom e influencia. Que autoridades se posicionem sobre quaisquer irregularidades é justo. Que apliquem o rigor da lei, idem, mas o bom senso diz que se mande corrigir o que está errado “a priori”. Proibir, vetar, impedir, são verbos que soam estranhos nos dias atuais. Sei que o gosto pessoal não entra no mérito da proibição. Coisas do tipo a gente só lamenta, mas é preciso aceitar. Se o “mister” faz sua festa lá, que a faça também aqui, sem restrição, até porque o proibido cria expectativas. “O mal por si se destrói”, diz o “mister” Zé de Nana.         

III-Conto de fadas cubano

A reação da classe médica à contratação de médicos cubanos – há corporativismo sim é claro – para o Brasil mereceu da Agência Brasil uma defesa tão canhestra, com razões amparadas numa crença da “izquerda braziliana” de que “a ilha” é a quintessência do desenvolvimento da ciência, da tecnologia, etc. O artigo ou peça publicitária é um panfleto muito meia boca, em que o título deixa dúvidas sobre qual país ou autoridades têm motivos para orgulho. Vivendo de “inhapa” faz muito tempo, onde teria o D. Castro arrumado recursos para investir em tecnologia de saúde e onde está essa tecnologia, desconhecida do mundo e visível só por nós e alguns “hermanos”? Que o Brasil faça acordos com Cuba ou qualquer país, dentro da lei ou use o BNDES, que financia até o Eike, para financiar a pesquisa e o ensino no Brasil.

IV-Falando em médicos...

A partir de 2012, alunos de Medicina estão obrigados a prestar o Exame do Cremesp que não condicionado ao resultado para obter o registro profissional. A razão para tal exame deve-se à queda do ensino médico e os resultados são reveladores: Nos últimos sete anos exames opcionais do Cremesp mandariam de volta a sala de aula quase metade dos alunos. Some-se a isso a profusão de cursos abertos no Brasil e as quase inexistentes residências médicas, a “mão na massa” que forma o médico e tem-se o retrato em branco e preto. Aí a contratação de médicos cubanos se mostra como é: penicilina para enfarto do miocárdio. Me tira o tubo!

V-Se vale para uns, que tal para todos?

Médicos e engenheiros só precisam pendurar seus diplomas na parede e esperar pela distinta clientela. Com os advogados é diferente. Para exercer a profissão precisam ser aprovados no exame da OAB para poder pendurar seu diploma na parede. Que diferença tão grande existe entre eles? Engenheiros constroem obras que envolvem grandes recursos e riscos. Médicos cuidam de vidas de pessoas. Concordo que advogados passem pelo exame de pós graduação e que o mesmo procedimento deveria existir para médicos, engenheiros e outras profissões. O Cremesp avançou com seu exame e o Revalida - exame para médicos formados fora do Brasil – reforçam a necessidade. Que o “Revalida” seja então adotado como padrão e que as outras profissões criem seus modelos de avaliação. O pau que dá em Chico dá em Francisco.

VI-Haitianos I

O sonho de trabalhar no Brasil e ajudar a família que ficou no Haiti é um pesadelo para quem deu duro e chegou aqui. Mulheres com filhos são as principais vítimas e seus algozes são as próprias famílias. Quem cuida das crianças no Haiti acredita que a mãe haitiana vive no mar de rosas, que recebe altos salários e para conseguir que ela envie mais dinheiro inventam até doenças nas crianças. Conheci uma dessas mães e sua tragédia pessoal. O relato sai de uma mistura de línguas e dialeto, mas os gestos e os olhos são eloquentes. E como desgraça pouca é bobagem, há ainda os espertalhões que agem para manutenção da tragédia.  

VII-Haitianos II

Como em qualquer grupo há indivíduos que estão do outro lado e com os haitianos não seria diferente. Vivendo dificuldades que precisam ocultar dos familiares distantes, sem emprego, com problemas de moradia, língua, costumes, sem possibilidade de aprontar onde vivem ou contra seus hóspedes e tendo que mandar cada vez mais dinheiro para o Haiti, a solução para alguns é aprontar para cima dos seus. Da patifaria pouco se sabe, mas alguns haitianos em conluio com coiotes agem de forma covarde, mantendo os que aqui estão como semi-reféns e minando suas poucas economias. Como diz Zé de Nana, “desgraça pouca é tiquim.”

VIII-Batalha da paz

Um tiroteio às 7h30 deste domingo quase pôs fim à corrida Desafio da Paz, promovida pela AfroReggae no Morro do Alemão. O secretário de Segurança do Rio, José Beltrame, chiou com a baderna dos bandidos que conspurcaram a terra pacificada: “O que aconteceu foi uma ação que infelizmente é irresponsável e criminosa, resquício de admiradores de uma facção que se pautou pela banalização da violência. Esta facção reinou por aqui absoluta por 30 anos, mas agora a Polícia Civil, a PM e o Estado estão aqui e não sairão”. Felizmente o pior não ocorreu: a polícia não teve que pedir licença aos bandidos para fazer o evento. Caaara...

IX-Miriam Leitão cirúrgica

“O governo aprova um orçamento inflado, parte de premissas de crescimento econômico que não se realizam. ...eleva essas previsões de arrecadação para incluir as emendas dos parlamentares. Há um momento em que...anunciam os cortes — ou contingenciamentos. O que tudo isso significa? Pouca coisa. As emendas são incluídas pelos parlamentares para mostrar para as suas bases que estão trabalhando, embora não pareça, e o governo as corta para dar a impressão de austeridade.” Se você acha que Miriam Leitão se refere a Rondonia errou. Seu artigo é bem mais Brasil, mas conta muito de nossa santa terrinha. Vale uma lida.

X-Papo com Zé de Nana

X1-Sobram casas para vender, mas os aluguéis continuam altos. Mas é questão de tempo.

X2-Se a greve não atrapalha ninguém, que tal acabar de vez com o serviço e o emprego?

X2-Alguém aí sabe qual a diferença entre o limite prudencial e a explicação providencial?

[email protected]

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d