Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Política & Murupi 22/10/13


Frase do dia:

“Por que queríamos chegar ao governo? Não para fazer como os outros, mas para agir de maneira diferente.” – Lula num exercício inacreditável de falar a verdade, algo incomum na sua biografia.

1-Bobografias: o que não revelar?

Não sou dado a ler biografias e ainda que sejam publicadas, autorizadas ou não, não lerei as de Gil, Caetano, Roberto Carlos e Chico Buarque. Cada um deixou o melhor do que produziram no período mais fértil de suas vidas. Todos eles erraram, cometeram equívocos e fizeram coisas de que não se orgulham e, apenas para confirmar, coisas como esse debate sobre suas biografias não autorizadas que nos leva aos tempos negros da censura, onde pelo menos três deles luziam no escuro. E o papo dos quatro bocós, só faz com que a censura chafurde no esgoto de onde tenta sair há dez anos.

2-Mídia (anti)social

Uma motorista atropelou e causou a morte de um homem em Salvador. Médica dedicada, fazendo trabalho voluntário, foi linchada moralmente por usuários do Facebook. Semana passada o acidente sem mortos, na Usina Santo Antonio ganhou os 50 tons tragédia na mesma mídia. Evidente que nem se imagina a censura e menos ainda no ambiente livre das mídias sociais, mas a agressividade, boçalidade e irresponsabilidade estão transformando esta importante ferramenta de comunicação entre os povos no espaço da mentira, da ignorância e pior, numa arma de destruição de biografias.  

3-Kombi cheia

Acamado, não acompanhei o amigo Pantera no evento regional para o 13º Congresso Nacional do PCdoB. Simpatizo com a causa mais pelo sonho de combater a ditadura, quando a juventude nos uniu, que pela pregação. Incendiário aos vinte, virei bombeiro, mas o “rojo pasión” é latente, ainda que a “izquerda brazuca” tenha virado uma festa burguesa comandada pelo PT. O PCdoB cresceu e já não faz convenções regionais dentro de uma Kombi. Agora precisam de uma van. “Volare ô ô ô”...

4-“Tô voltando...”

Acordei com Chico Buarque na cabeça e lembrei-me de amigos que não vejo faz tempo. Ivan Rocha, ex-Saga, revi ontem, e cheio de notícias. Dele que “está voltando” e prepara o bloco buscando vaga em Brasília e do Amado Rahal, que cheio de gás com o novo empreendimento, entra no bloco de olho numa vaga na ALE. Política como pirâmide carecem de base para montar o topo. Mas a coisa anda tão ruça que só o samba p’ra me socorrer. Sai Chico, entra Kid Morenguera: “a justa já vem...”

5-“Barrados no baile”

A “tchurma da limpeza” pendurada na broxa pela Lei Ficha Limpa não entra na festa, mas vai “por algum” na mão de alguém para ajudar no churrasco. Quem foi criado na teta só vê o peito da viúva. Conhecedores de atalhos e com grana, os fichas sujas miram nos contratos das terceirizados para mamar por tabela. Gilberto Gil em “Fechado pra balanço diz: “Um xaxado bem guardado e mais algum trocado... tô fechado pra balanço meu saldo deve ser bom”. Pra quem não é da minha idade e gosta do funk tem espaço. O que não pode é perder a festa: “tá dominado, tá tudo dominado”.

6-Latidos e silêncio

Um grupo de ativistas invadiu um laboratório de um instituto de pesquisas no interior de São Paulo e soltou 178 cães usados legalmente para pesquisas. Lembrei-me de tantos que no Brasil morreram por envenenamento com DDT e de pesquisadores da Amazônia que usavam ribeirinhos como isca para o mosquito da malária e das mortes por infecção hospitalar e da falta de médicos, materiais e remédios no país e do superfaturamento e desvios na área da saúde e de como a ação pró-cães sensibiliza e provoca tantos latidos enquanto nos quedamos silentes quando o assunto é gente...   

7-Dilma tucanou

Após escaramuças externas com protestos de manifestantes berrando palavras de ordem, jurídicas com ações para dobrar o governo, policiais com o bloqueio bem montado pela PM com um aparato maior ao da visita do Papa vieram as escaramuças comerciais. Um grupo de empresas – a Petrobrás tem 41% – ganhou a joia da coroa dentro do novo modelo de partilha. A atualmente desacreditada Petrobras, o governo, a presidente e o PT vão comemorar o fiasco do leilão: para quem reclamou a vida inteira da privatização da Vale do Rio Doce, o Leilão de Libras é de envergonhar tucano surdo.

8-Dourando a pílula

O que determina o sucesso de qualquer leilão seja de boi, de quermesse ou qualquer outro é que o lance vencedor tenha um ágio, ou seja, que ultrapasse o valor que o leiloeiro – no caso de Libra é o governo brasileiro – tenha estabelecido como o mínimo para bater o martelo e efetuar a transação. O governo que carece de aporte de recursos financeiros para a Petrobras e de dividendos políticos para a reeleição da D. Dilma vai tentar “dourar a pílula”, mas não se enganem: o leilão foi um fiasco.

9-A vaca do leilão

As chinesinhas entraram para compor o consórcio e a Shell e a Total se juntaram com a combalida comadre Petrobrás num jogo que poderia até liberar o tão apregoado leilão do bilhete premiado do pré-sal. E o resultado foi tão acachapante que tenho certeza que uma reunião entre os interessados obteria resultado mais expressivo. Leilão sem martelo. O gesto entendido por todos, até por quem não fez curso de sinais serviria para o leilão de Libra: balançar a cabeça como a vaca do presépio.

10-Pois é...

A retirada dos “fícus” da Tiradentes não é pacífica. Os “pé-inchados” querem cana, sombra e sofá.

[email protected]

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d