Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...'


'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de Opinião


Frase do Dia:



"Nós temos partidos de mentirinha. Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam no Congresso a não ser em casos excepcionais." – Joaquim Barbosa

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de OpiniãoI-Uma coisa é...

Com tanta greve pelo estado e o governo fala de um plano de obras de um “zilhão de reais”. Se para quem sabe vender um peixe desses a coisa já é difícil, imagine para a tal “equipe de comunicação” que não consegue explicar porque sumiu a nota fiscal premiada ou como está a contratação de OSs para a área da saúde ou onde estão e como estão vivendo os “zilhares” de miseráveis que – pelo menos em tese – estariam recebendo dindin do Plano Futuro ou porque o governo destruiu o Parque de Exposições para construir delegacias que ainda estão na ideia, nas mentes e nos corações de quem pretende fazer o projeto? Eita povim ruinzin...      

Gente de OpiniãoII-Uma coisa e...

Não seria mais fácil se o governo abrisse o verbo e falasse dos salários e supersalários ou se mostrasse a folha de pagamento com os seus quinquênios, quelônios, sapos e largatos e lista de cargos em confiança, aquela coisa de três letras e níveis com os nomes de apaniguados, parentes, apadrinhados, indicados e aderentes outros, que não fazem por merecer nem meia metade dos que lhes é entregue a título de pagamento por serviços que jamais prestaram e nunca irão prestar? Sugiro apenas por uma questão da decantada transparência que se quer. E posso garantir que todo mundo aplaudiria a ação e o seu autor. Que tal a aposta gente?   


 

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de OpiniãoIII-Outra coisa é...

Silenciar. Cada autoridade eleita pelo voto popular que chega para tomar conta da boca fala em olhar à frente e deixar quieto o resto, como algo que não lhe pertence e com o qual nem sequer tangencia. No Brasil a idéia geral é esquecer, como se o passado devesse ou pudesse ser esquecido. Mudou o dono da boca, surgem novos tempos, novos rumos e como num passe de mágica projetos são esquecidos ou arquivados, bola pra frente e não se fala desse  assunto, salvo se acontecer aquilo que chamamos no popular de “(*)erda” e seja preciso arrumar um culpado para ela e que será obrigatoriamente o antecessor. Exemplos? A saúde, o Beron, viadutos, lixo, ônibus.... Falar é abrir a guarda para levar o troco depois. Xáqueito

Gente de OpiniãoIV-Outra coisa!

O silêncio lembra a Omertà siciliana: eu calo, tu calas, nós nos protegemos. No atual sistema político brasileiro as dinastias estão grudadas no poder ungidas por uma esquisitice chamada voto popular democrático e obrigatório. Ou seja, dubaralho! Além de conflitante na essência ele permite às famílias donas de partidos que se apoiem em coligações passando o cetro de pai para filho. Exemplos? Magalhães e Sarney no plano nacional e aqui – com dinastias ainda em formação – Amorim e Donadon. Falar mal ou contra como, se mais tarde terão que se unir pela nobre causa que é continuar a divisão do bolo? E como falar contra alguma coisa da qual se fazia parte? Obras e serviços de governo são como butim e cada um tem sua “fetta”.

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de OpiniãoV-Explosão de violência

Não me arrisco com palpites, pois o achismo não ajuda em nada mas vejo com preocupação a escalada de violência aqui na aldeia. Sei que a droga barata, a permissividade e a leniência estão no caldeirão de horror das mortes no trânsito, dos homicídios passionais, dos assaltos seguidos de morte e dos roubos e furtos conhecidos – aqueles em que a vítima registrou um BO numa delegacia – mas deve haver algo mais que não vemos ou não nos deixam saber. O volume de crimes é bem maior que as estatísticas, sabem disso até os bagres do Madeira e, também aqui, o silêncio é ouro. Por que intranquilizar a população? Deixa assim como está.     

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de OpiniãoVI-Mais uma operação da PF ou tudo como sempre

Para quem gosta de números anota aí, foram 120 policiais federais de Rondônia, Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, 13 servidores da CGU, 25 mandados de busca e apreensão,19 mandados de prisão e mais de trocentas notícias de que a operação estava a caminho. Por ora, a figura de expressão política já devidamente encarcerada é o prefeito de Guajará Mirim, Atalíbio Pegorini. Tristeza é que em municípios tão carentes os ratos tenham agido em licitações para desviar recursos destinados aos paupérrimos do Assentamento Pau-Brasil, em Nova Mamoré e na reforma de postos de saúde e Creche de Guajará Mirim. Do Incra cinco estão presos por um tempo. Depois, como todos e como sempre, sairão ricos.

Gente de OpiniãoVII-Falando em operação...

Quem já tem culpa no cartório, pode preparar o bolso porque vem mais despesas por aí. Não creio que passem pela execração pública da prisão, até porque quem provou das iguarias do marmitex e dividiu cela com Zés e Manés engrossou o couro e aprendeu na marra a segurar o juízo, mas não descarto. O que tem de operação aberta e ninja de gravata com dados para finalizá-las não está no gibi. Do mesmo jeito que saíram toques sobre as operações que hoje ocorreram, segurem esta: os ninjas estão de olho e ouvidos ligados em você. E para quem acha que tudo já acabou, lembro que o braço da lei é longo. Tá-se falando, tá-se teimando...

VIII-Paranóia ou tramoia?

Bastou pintar o papo do fim do Bolsa Família para que a coceira na minha orelha começasse. Sinal de que minha velha paranoia voltou. Esperei o desmentido de algum ministro e o que vi foi o discurso-desmentido D’Ela. Cabreiro, tomei outra pilulinha, catei jornais e estava lá: 'Quem ganha com o boato do fim do Bolsa Família' por Ricardo Noblat. “A quem interessa o boato sobre o fim do mais importante programa social do governo, o Bolsa Família, responsável por um expressivo percentual de votos amealhado por Lula em 2006 e Dilma em 2010? À oposição não interessa. Simplesmente por não ser verdade, o que daria ensejo ao governo para desmentir com veemência, como o fez.” Leia aqui. Outra pilulinha pra dormir...

IX-O Siafi e o jogo do bicho

Ficar ajoelhado no milho tem um preço e quem paga é o “burro de carga”, o tal contribuinte. O orçamento do Congresso Nacional vai consumir R$ 1 bilhão a mais em relação a 2012. No total as duas cuias vão queimar R$ 8,6 bilhões em 2013, segundo dados do portal do próprio Senado que reproduz cuidadosos relatórios do Siafi. E, como os números não mentem, o seo Renan “et caterva” devem estar errados ao pregar austeridade, modernidade, economicidade e outras baboseiras com jeito e cara da inverdade. Prefiro acreditar no relatório do Siafi que, do primeiro ao quinto, assim como no jogo do bicho, é sério: “só vale o que está escrito”.   

X-Papo com Zé de Nana

X1-Reciclagem e economia: o povo está tapando buraco com entulho de obra na capital.

X2-Para acabar com tantas  invasões na Prefeitura, que tal mudar a sede para a periferia?.   
 

'Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam...' - Gente de Opinião
 

X2-À noite ninguém vê os buracos nas ruas de Porto Velho.O breu é parceria com a Emdur.  

[email protected]

  

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d