Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Nem fome e nem vontade de encarar a gororoba


Se a memória não me falha, desde o primeiro dia do mês de julho entramos num período de gestação e todos – homens, mulheres e até, pasmem(!) adolescentes com 16 anos – serão democraticamente obrigados a cumprir o dever de engravidar urnas eletrônicas que parirão rebentos que representarão o povo e/ou as instituições.

Diferentemente, porém dos recém nascidos que precisam de apoio para andar e até se alimentar, os rebentos da política nascem prontos e famintos. Quem menos corre, voa desde o primeiro momento ou até mesmo antes, quando se engalfinham na composição das mesas diretoras das casas legislativas ou quando saem cata das emendas parlamentares dos antecessores ou como é de praxe, apresentam as listas para indicação de apadrinhados, amigos, parentes e aderentes.

Para não nos esquecermos de como os políticos surgem, de como a democracia é parideira e de como somos uma relevante parte envolvida nessa festa que gesta novos líderes das velhas famílias, a cada 2 anos entramos novamente num democrático e induzido cio eleitoral.

Para ser franco, isso vinha acontecendo assim desde o dia em que inventamos esse Brasil do estado de direito, com a constituição cidadã, Sarney presidente, Congresso funcionando a quase pleno vapor e etc., etc., etc. E vamos deixar combinado que sempre é melhor desse jeito do que com aquelas velhas quarteladas latinas e em especial as brasileiras com a boca do canhão tapando a boca do cidadão.

Fico tentado a mentir e dizer que tudo mudou a partir do 18 de junho de 2013 com o badernaço nas ruas que não foi deglutido até hoje, mas não é verdade. Tudo começou bem antes e naquele dia 18 de junho o rango azedou. A gororoba de sempre além de não suprir as necessidades alimentares produzia asco com o seu cheiro nauseabundo. Talvez as máscaras tenham a ver com isso, talvez não, mas algo mudou, assustou e indica que esta eleição pode ser a mais broxante da nossa história.

A festa anunciada está sendo preparada, mas até agora nada de foguetes, luzes, músicas, gente e tudo aquilo que seria o normal. O povão que compulsoriamente deverá emprenhar as urnas parece estar com a libido em baixa, sabendo que outra vez, mais uma vez estará contribuindo para a manutenção do status quo de quem poderia efetuar mudanças em lugar de abortar a reforma eleitoral.

O rango é o de sempre. Os comensais idem, mas há fatos novos. Apesar do fome zero, do bolsa isso e aquilo, apesar do estado direito ou até por conta dele, o povo está com fastio e cá pra nós vai ser duro encarar essa gororoba eleitoral.

Leo Ladeia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d