Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Guajará e sua sina


Leo Ladeia

FRASE DE HOJE:

Guajará e sua sina - Gente de Opinião

“Há avanço em se cometer imoralidades a pretexto de combater imoralidades?  - Ministro Luiz Felipe Salomão do STJ, a propósito da reportagem da Veja sobre o ministro Dias Toffoli do STF.  

01-A palavra de Deus

Guajará e sua sina - Gente de Opinião

Numa daquelas suas críticas jurídicas no estilo trator Caterpillar D8, o respeitabilíssimo ministro Gilmar Mendes descarregou toda a bílis. Falava sobre a Lei da Ficha Limpa, espécie de estorvo que ele só descobriu agora. Primeiro disse: “Sem querer ofender ninguém, mas já ofendendo parece que foi feita por bêbados.” Como gosto da lei e da cerveja, tomei mais uma e continuei. Aí a OAB falou que sua linguagem "não se coaduna com a postura de um magistrado" e ele foi na jugular: "Bancou-se um pouco de Deus nesse tipo de matéria.” Pronto. Sabe tudo! Imaginem Deus no STF: “Gilmar estou com uma dúvida e preciso de seu parecer. Você pode me ajudar? “

Guajará e sua sina - Gente de Opinião


 

02-SOS OEA

Não gosto de siglas. Sempre imagino o significado da sopa de letrinhas que na maioria das vezes não faz sentido. Dois exemplos: Sitetuperon e Sojern. Minha birra, porém são as siglas com três letras como CPU, CPI, TCE, TCU, ONU, AGU, ANP, SUS, SPC, OMC, etc, e no particular de uma pela irrelevância e contradição. A OEA é fórum e como tal não tem ingerência sobre qualquer país e (ops) “O” não é “A”. Isso é para dizer que o grupo ligado à presidente Dilma pediu à OEA medidas cautelares contra o impeachment tido como “gópi” pelo grupo. A OEA remeteu à CIDH que inquiriu o Brasil e espera o retorno. A OEA pode fazer como fez em 2010: sugeriu a revisão da Lei da Anistia e o Brasil não considerou a sugestão, tal qual fez com a ONU em 2001. De novo um SOS após o naufrágio e a constatação que um dos pilares de toda nação é sua soberania.    


 

03-Guajará e sua sina

Guajará e sua sina - Gente de OpiniãoPlanejei viver o descanso da minha aposentadoria em Guajará-Mirim. Gosto da ideia de viver na fronteira e ser um quase duplo cidadão. Gosto do bucolismo e do quase ninguém na rua a partir das 18 horas. Gosto do café cedinho no mercado e de dar um passeio em “La Banda”. Gosto de imaginar um futuro para a cidade do passado. Fiz amigos bons e grandes que aguardam minha ida cada dia mais difícil de ocorrer. Na 4ª juventude os hospitais e médicos são indispensáveis e “minha ex-quase-futura-cidade” padece sem eles. Sexta feira e de novo o Hospital Regional foi fechado. Pode-se viver sem muito, mas não para sempre. Sina não é opção. É apenas sina.    


 

04-Delação na borla

É muito pouco provável que no meio da sinistrose porque passamos e que nos deixa abismados, não vá acontecer algo pior. Com os dois poderes – Executivo e Legislativo –enlameados da raiz ao talo, a possibilidade termos algum ministro do STF denunciado por algum empreiteiro é real. Impensável? Não. O ministro Joaquim Barbosa deu sinais durante sua gestão como presidente do STF e CNJ, quando não conseguia segurar a irritação com os trâmites da Casa. Ao falarem fora dos autos os ministros abriram brechas às críticas e suposições. A Veja traz o ministro Tofoli – alvo constante de suposições – com a delação de Leo Pinheiro atada à borla. É de estarrecer...

05-Jogando o sofá no lixo

Não se trata da piada que o marido jogou fora o sofá por ter sido o sujeito passivo no adultério. A traição se assim pode-se chamar, ocorreu quando os tesoureiros – “ôreias secas” do trampo – foram abandonados à própria sorte, aliás, prática bastante utilizada pelo líder maior do PT e por suas lideranças menores. Com seus três ex-tesoureiros – Delúbio Soares, Paulo Ferreira e João Vaccari Neto – no xilindró, o PT optou pela saída sem honra, pouco inteligente e nada criativa: eliminou o cargo. E querem trocar o nome do partido. Talvez pela associação: PT lembra Partido dos Tesoureiros. Quando tudo está ruim é possível encontrar uma forma de piorar. É o caso. 

06-Mentiras...

O carnaval de mentiras vai durar com certeza até o final dos jogos olímpicos patrocinado pela ala de nadadores americanos, salvo um “bafão” que viralize nas redes com maior octanagem. Aí me indago: num país como o nosso onde o desmentido é prova de confirmação de malfeito, em que negativa do tipo “eu não sabia” quer dizer justamente o contrário, em que a mentira é parte da campanha eleitoral, do orçamento público e sistema de licitação, por que o frisson? Outros americanos fizeram pior. Obama por exemplo espionou a Dilma e jamais confirmou o fato.  


 

07-A bela foto do patinho feio I

A revista Exame com a reportagem “Estados: a arte de equilibrar as contas”, faz uma abordagem sobre diversos estados e revela: “Eles interromperam investimentos. Cancelaram reajustes. Revisaram contratos. Mas estão depositando o salário dos funcionários em dia. A constatação é triste, mas ser pontual com a folha de pagamentos — a mais fundamental das obrigações de um empregador — virou artigo de luxo para muitos governos estaduais.” Mais à frente continua a análise e elogios à nossa quase sempre esquecida Rondônia. Vale a pena a leitura e os fogos, pois não é sempre assim. O patinho feio ficou bonito na foto. E sem Photoshop.

Guajará e sua sina - Gente de Opinião

08-A bela foto do patinho feio II

E segue a Exame: Em Rondônia, a folha de pagamentos passou por uma... espécie de auditoria... eliminando pequenas inconsistências que vinham se acumulando... a economia ultrapassou 50 milhões de reais por ano. Os gastos mensais com pessoal...são de 250 milhões de reais mensais. “Com a folha não se brinca. Depois de avançar sobre os limites, não dá mais para voltar atrás”, afirma Wagner Garcia de Freitas, secretário de Finanças. É muito difícil demitir um funcionário público no país, também não se pode reduzir os salários. E mesmo congelando os reajustes...,os gastos crescem... conforme os servidores avançam na progressão da carreira. E tem mais.  

09-A semana promete

Guajará e sua sina - Gente de Opinião

Rondônia na Exame, Tofoli na Veja, Dilma no Senado, Fernando Pimentel na Isto É, a operadora Oi na Época e a seleção brasileira, a campeã olímpica nas ruas, mostrando que a pátria de novo calçou as chuteiras e acertou o jogo. E justo contra a Alemanha.      


 

10-Zé de Nana e a queda do muro do cemitério.

Guajará e sua sina - Gente de Opinião

“Foi alma querendo vela, missa e reza. Como ninguém liga e nem acredita mais pra elas... Alma é gente morta que era viva e virou alma penada. E sente revolta das coisas. Vixi... Dêuzulivre”.  

[email protected]

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - De há muito o Brasil carece, torce e pede por uma reforma administrativa

Política & Murupi - De há muito o Brasil carece, torce e pede por uma reforma administrativa

De há muito o Brasil carece, torce e pede por uma reforma administrativa para que o país possa caminhar de preferência dentro do que preceituam as t

Política & Murupi - Amanhã o sete de setembro se anuncia como algo estranho

Política & Murupi - Amanhã o sete de setembro se anuncia como algo estranho

Vivemos tempos estranhos. Sou do tempo em que as escolas públicas e as poucos particulares que existiam preparavam as suas fanfarras e tinham orgulh

Política & Murupi - A Câmara Federal aprovou mudanças no imposto de renda para empresas e pessoas físicas

Política & Murupi - A Câmara Federal aprovou mudanças no imposto de renda para empresas e pessoas físicas

A Câmara Federal aprovou mudanças no imposto de renda para empresas e pessoas físicas e antes mesmo da aprovação pelo Senado as cabas começaram a es

Política & Murupi - A cada canetada e o direito de ir e vir ou de exprimir-se também se vai e a boiada

Política & Murupi - A cada canetada e o direito de ir e vir ou de exprimir-se também se vai e a boiada

Enquanto assistimos as bravatas de alguns detentores de mandatos que são concedidos – acreditem! – pelo povo através do voto livre, ainda que obriga