Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Desesperança


Leo Ladeia

Em poucos minutos o avião explodiu matando todos os seus ocupantes e a coligação cujo nome – Unidos pelo Brasil – mais parece uma faixa levantada por manifestantes numa passeata se vê à frente de um dilema que é substituir a personalidade que emprestava o nome e ditava o rumo ao precário ajuntamento político, coeso apenas em torno de uma pessoa e não de um programa.

Com a morte de Eduardo Campos e a difícil equação a ser resolvida pela coligação – assumirá Marina Silva? – duas constatações incômodas surgem para nossa reflexão: o deserto de idéias para as demandas do país e a carência quase que absoluta de lideranças políticas jovens com visão republicana de estado.

Cunhadas pela massa amorfa que ocupa os espaços da política nacional por falta das lideranças validadas, não é raro ouvirmos citações sobre a necessidade de se criarem políticas públicas, para enfrentar demandas específicas, vindas às vezes de pressões nada republicanas, para atender ao “clamor popular”, ainda que, e na maioria das vezes o tal clamor sejam os berros de grupelhos barulhentos. Ora, se a demanda é específica, a solução ou já é pré-existente e não é utilizada ou, por força de um pouco provável ineditismo, deve ser avaliada com método e rigor científicos para a solução de caráter geral sem criar “particularidades” à guisa das perniciosas políticas públicas tão em voga.

Para os mais idosos, a causa é o aborto de lideranças produzido pela ditadura militar e para os mais novos a causa seria o esgarçamento do tecido social por demandas sociais não atendidas, aumento brutal da carga tributária com alta concentração de poder no Executivo, corrupção endêmica, custos estratosféricos da máquina pública e coisa e lousa.

Creio que os novos e os idosos têm razões de sobra nos seus diagnósticos, mas a verdade é que o Brasil é um organismo doente de há muito, sem um diagnóstico fechado e que espera a cura milagrosa vinda de não se sabe como ou de onde.

Pior, não há panacéia. Convenhamos que os velhos remédios das velhas receitas disponíveis, já não curam e muitas vezes até agravam os nossos males crônicos.

Sem choro nem vela: além da ausência de lideranças jovens com visão de estado é preciso transformar nosso país através de uma revolução pacífica na escola. Somente com a educação de qualidade poderemos semear e colher idéias nesse deserto estéril. Só a educação pode nos redimir e afastar essa nossa desesperança que nos faz acreditar a cada eleição que apenas um homem, um nome, um mito, um símbolo possa resolver de vez as nossas mazelas.         

    

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d