Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Desconstruindo


Num país onde empresas de construção comandam projetos, verbas, licitações, mandatos em todos os níveis, montam um clube de criadores, alavancadores e tocadores de obras, falar em desconstrução é exercitar uma lógica reversa, somente possível nesse jabuticabal brasileiro que não para de frutificar. 

Desconstruir seria uma espécie de verbo político usado em campanhas quando há a necessidade de estraçalhar moral, financeira e politicamente um concorrente, pela espinafração constante, calúnia difusa, avacalhação pública e mentira repetida à exaustão. Para letrados, coisa de George Orwell, para quem prefere assistir a TV numa esteira rolante, um desses edificantes realities shows tipo BBB.Desconstruindo - Gente de Opinião

Vivenciamos uma campanha eleitoral com a desconstrução política em nível nacional e onde, tal qual  “heróis de BBBs”, os contendores se enxovalharam, não pelos milhões dos realities televisos, mas pelo prêmio maior oferecido pela pátria amada, idolatrada, salve, salve: a caneta para assinar com o clube de empreiteiros&políticos, os contratos milionários das obras da Casa da Mãe Joana. E não queime neurônios com números, índices, cifras, etc. Essa coisa é muito maior do que você imagina.

Há poucos dias o advogado de Fernando Baiano, que é tido como operador do PMDB berrou: "Pode pegar qualquer empreiterinha de qualquer Prefeitura do interior: sem acerto não tem paralelepípedo no chão".  Em tom mais rebuscado o empresário Ricardo Semler, tucano assumido diz: "Afinal, quem de nós não aceitou um pagamento sem recibo para médico, deu uma cervejinha para um guarda ou passou escritura de casa por valor menor? Deixemos de cinismo. O antídoto contra esse veneno sistêmico é homeopático. Deixemos instalar o processo de cura, que é do país, e não de um partido”. E nem tente comparar o que está ocorrendo. Quem conhece da barafunda, o ministro Gilmar Mendes –tangenciou e deu uma pista sobre o rombo do petrolão: “Os senhores acompanharam aqui o caso do mensalão, a AP 470. Agora, a AP 470 terá que ser julgada em juizado de pequenas causas pelo volume que está sendo revelado nesta demanda, nesta questão”. E o fundo do poço ainda está bem distante.

E não se preocupe em guardar nomes de pessoas, empresas, partidos, consórcios e grupos.  O próprio Semler antes de rebuscar sua frase, se atola no populacho: “Cada um de nós tem um Desconstruindo - Gente de Opiniãodedão na lama”. Os que mamavam em gordas tetas agem agora como bando acuado, batendo em retirada, queimando pontes e criando teorias com a lógica de que a corrupção é natural e que somos farinha do mesmo saco. E até de onde menos se espera surgem coisas como, "A classe política é um reflexo de uma sociedade que, ao não distinguir do seu meio o público e o privado, escolhe sem esse critério seus representantes e depois os reprime, legitimamente, mas sem olhar para si", disse o ministro Cardozo que é da Justiça (?) num evento de Magistrados Brasileiros (?). Se errar é humano, arranjar quem leve a culpa é divino, deve ter o ministro imaginado, como Pilatos ao lavar as mãos e jogar para a plateia

Falando em plateia, não é que Rondônia, enrolada com obras em andamento, paralisadas ou sequer iniciadas, pontua com um exemplo desta oblíqua arte de desconstruir? “Condução coercitiva” ou “condução debaixo de vara” é o ato policial de levar alguém a algum lugar, independentemente da sua vontade, como se deu ontem com o governador Confúcio Moura, conduzido à Polícia Federal para ser ouvido nos autos da Operação Platéias. Constrangimento há sim, mas a condução coercitiva é legal, própria do inquérito e a ela se sujeita todo cidadão independente do cargo que ocupe. O resto é tentativa de desconstrução ou como dizem os peladeiros eboleiros, uma jogada para a plateia.

Desconstruindo - Gente de Opinião

Leo Ladeia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d