Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Sítio de Bagé - Parte V - Houve tiranos e assassinos... E, por um tempo, eles parecem invencíveis...


Sítio de Bagé - Parte V - Houve tiranos e assassinos... E, por um tempo, eles parecem invencíveis...  - Gente de Opinião

Bagé, 1°.04.2020

Houve tiranos e assassinos... E, por um tempo, eles parecem invencíveis... Mas, no final, sempre caem.
Pense sempre nisto. (Mahatma Gandhi)

 

 

A Federação n° 41

Porto Alegre, RS ‒ Sábado, 17.02.1894

 

História do Sítio de Bagé

Fatos e Documentos

 

 

No dia 3 chegou a esta cidade uma mulher do Corpo de Transporte, com a notícia de haver sido degolado o Tenente-coronel Pantoja, comandante do 28° Batalhão, o que levou o Coronel Telles a dirigir aos chefes das forças inimigas a seguinte e enérgica intimação que foi portadora a mesma precedente Comissão:

 

 

 

Comando da Guarnição e Fronteira de Bagé.

 

Constando por declarações feitas por mulheres e meninos vindos do Rio Negro, dos acampamentos dos revolucionários, que estes cometeram a infâmia de degolar todas as praças e oficiais prisioneiros, rendidos no combate do Rio Negro, não escapando à degolação os míseros feridos soldados do 28° Batalhão de Infantaria e o seu distinto comandante Tenente-coronel Donaciano de Araújo Pantoja e sendo certo que o chefe dos revolucionários, em grande parte estrangeiros mercenários, têm por intermédio do Dr. Pedro Ozório, farmacêutico Amado Loureiro de Souza e outras pessoas mandado declarar nesta cidade e a Guarnição de meu comando que os prisioneiros rendidos do Exército Brasileiro, estão com suas vidas garantidas e bem tratados, intimo aos cidadãos Drs. Pedro Ozório, Veríssimo Dias de Castro e farmacêutico Amado Loureiro de Souza a irem imediatamente à charqueada buscar os feridos do 28° Batalhão para serem recolhidos ao Hospital Militar, e ao acampamento dos revolucionários de onde devem trazer declaração escrita a assinada do Tenente-coronel Pantoja de que está prisioneiro afim de que fique conhecida a verdade.

 

Bagé, 4 de dezembro de 1893.

 

Carlos Maria da Silva Telles.

 

 

 

A comissão regressou, no dia 4, trazendo a seguinte resposta:

 

 

 

Declaração

 

Nós abaixo-assinados, oficiais do 28° Batalhão de Infantaria, atualmente prisioneiros de guerra, declaramos ao Coronel comandante do 31° Batalhão de Infantaria da guarnição de Bagé Carlos Maria da Silva Telles, o seguinte:

 

1°    Dos oficiais que se renderam, apenas um está ferido, o Alferes Laurindo Vieira;

 

2°    O 28° Batalhão está em sua quase totalidade reunido [as praças] formando um Corpo à parte que nos consta denominar-se-á Batalhão Ernesto Paiva ou Rio Negro;

 

3°    Que todos do 28° [oficias e praças] temos sido tratados bem, não o sendo melhor atentas às circunstâncias que atuam, aliás, nas Forças em geral;

 

4°    Que nenhum de nós foi degolado nem disso temos ouvido tratar que se cogite;

 

5°    Que finalmente entregamos mais ou menos 30.000 cartuchos compreendendo a munição que traziam os soldados em bolsa.

 

Charqueada no Quebraxo, 4 de dezembro de 1894.

 

Tenente-coronel Donaciano de Araújo Pantoja.

Major Eduardo Augusto Ferreira de Almeida.

Capitão Luís Manoel da Silva Daltro.

Tenente Horácio de Castro Canto e Mello.

Tenente Vicente Francisco Álvares.

Alferes Ignácio da Fontoura Parrot.

2° Tenente Leopoldo Dortes do Amaral.

Alferes Indalício Benjamin Ferreira Álvares.

Alferes José da Costa Vasconcellos.

Alferes José de Figueiredo Neves.

Alferes Laurindo Vieira.

Alferes Antonio da Cunha Mesquita.

 

P.S. ‒ Munição acima declarada é de armamento Comblain, pertencente unicamente ao 28° Batalhão de Infantaria. Outrossim deixa de assinar a declaração supra o Alferes Antonio Francisco de Aragão Sobrinho, que foi à Porto Alegre, em comissão, ao Ministro da Guerra.

 

Era ut supra ([1]).

 

Tenente-Coronel Pantoja.

 

 

 

E esta outra:

 

 

 

Nós abaixo-assinados declaramos ter encontrado no hospital de sangue na Charqueada, cinquenta e dois feridos prisioneiros, bem tratados e medicados segundo as circunstâncias permitem, pertencentes às Forças do governo sendo doze do 28° Batalhão e o resto das brigadas civis e militares do Estado. Declaramos mais, que tendo interrogado um por um todos os feridos se queriam seguir para Bagé, afim de lá serem tratados, todos responderam que não queriam ir para Bagé, à exceção de dois, que depois resolveram, de livre vontade, ficar visto que os outros ficavam.

 

Charqueada, 4 de dezembro de 1893.

 

Dr. Pedro Osório.

Dr. Veríssimo D. de Castro.

Amado Lourino de Sousa.

 

 

 

E ainda a seguinte carta do Tenente-coronel Pantoja ao major V. O. Paes:

 

 

 

Amigo velho Major Paes.

 

Saúdo-vos e à Exmª família. Para que ainda não reste dúvidas de que aqui nos achamos bons e bem tratados, como prisioneiros de guerra, vos dirijo estas linhas. Até sempre.

 

Charqueada, 4 de dezembro de 1893.

 

Vosso amigo Donaciano de Araújo Pantoja.

 

P.S. ‒ Convém que façam ver ao cidadão Coronel Telles que de nossa parte foi a Porto Alegre o Alferes também prisioneiro Aragão Sobrinho levar um pedido ao Sr. Ministro da Guerra, propondo a permuta dos presos políticos existentes na cadeia pelos de guerra pie aqui se achai.

 

 

 

Nesse mesmo dia, possuído de indignação, o Coronel Telles dirigiu ao chefe da horda revolucionária a seguinte carta e ofício:

 

 

 

Comando da Guarnição e Fronteira de Bagé.

 

Ao comandante em chefe das Forças Revolucionárias.

 

Estando esta cidade sitiada desde 24 do mês passado, por forças sob o vosso comando, compostas em grande parte de estrangeiros mercenários, esperando, como é natural, depois dos combates que tiveram lugar no Rio Negro, que viésseis com elas atacar as de meu comando, ataque este que não tem sido efetuado, apesar da superioridade numérica de vossas Forças, animadas, sobretudo, como é de presumir, pelo sucesso que tivestes, julguei de meu dever, na dupla qualidade de Comandante das Forças que guarnecem esta cidade e que têm sido e serão sempre a garantia desta população, que já começa a sentir os efeitos do sítio em que a encerrastes com o único fim de reduzi-la, e o que é mais, até inocentes crianças à mais triste das situações, qual a da fome, e convencido de que não viestes sacrificar a esta população sim medir vossas forças com estas que se presam de manter até o último sacrifício a sua lealdade para com o governo da Nação, apelo neste momento para os vossos sentimentos de soldado, concitando-vos a virdes quanto antes decidir a luta com que nos ameaçais, mesmo porque tantas delongas deixam transparecer cobardia ou fraqueza de vossa parte.

 

Bagé, 4 de dezembro de 1893.

 

Carlos Maria da Silva Telles Coronel.

 

 

 

Ilm° Exm° Sr. Barão de Itaquy.

 

Bagé, 4 de dezembro do 1893.

 

Há muitos meses que V. Exª, com sucessivas “derrotas” na estrada de ferro e respectivas estações, tenta matar à fome, não só a população desta cidade como a da fronteira, o que não conseguiu devido à força de vontade do General João Telles, que, ao mesmo tempo que vos perseguia, não descurava um só momento desta mesma população, colocando-a sempre livre de vossa sanha.

 

Agora mesmo a parte pobre e miserável desta cidade, sitiada há dias por numerosas forças, e as inocentes crianças as quais V. Exª privou do principal e único alimento, que é o leite, ordenando aos vossos piquetes que não deixassem entrar os leiteiros, estão quase a morrer de fome.

 

Se isto já está se dando, imagine-se o que sucederá daqui a vinte ou trinta dias na impossibilidade de transportar os gêneros de primeira necessidade, visto que V. Exª acaba de incendiar mais uma vez as pontes da estrada de ferro, que trazia-lhes os meios de subsistência.

 

Tentar mais uma vez a reconstrução da estrada de ferro, não o farei porque seria isso inútil, visto como no dia seguinte V. Exª mandaria novamente por um ou dois infames castelhanos de dinamite e facho aceso em punho, incendiá-las.

 

Assim pois não há dúvida que esta população que muito devia merecer-lhe e à qual eu não devo nada, está condenada por vós a uma morte lenta ‒ a fome.

 

Mas há de concordar comigo que isso é infame!

 

Não seria mais nobre que V. Exª viesse com as vossas Forças dar quanto antes combate decisivo e franco à minha diminuta e fraca Guarnição, para que esta infeliz população, terminada a luta, com sucesso para uma das forças beligerantes qualquer que seja, possa por meio do restabelecimento das comunicações ver desaparecer o quadro triste que ora se lhe depara, se continuardes persistindo em não medir vossas Forças com as desta Guarnição?

 

Assim procedendo, só tenho em vista advogar a causa desta população miseravelmente condenada por V. Exª, pois é sabido que a Guarnição Militar d'esta cidade tem os seus depósitos abastecidos de gêneros para 6 meses ou mais, do que nunca me descurei, fazendo ainda vir, durante 4 dias sucessivos, depois do último restabelecimento da estrada, trens de Rio Grande e Pelotas, com todos os gêneros necessários à praça.

 

À vista do que fica exposto e se é verdade que não é só o único fim das Forças Revolucionárias degolar prisioneiros rendidos e desarmados, desonrar as famílias rio-grandenses, não esquecendo nunca o saque desbragado, conto e espero que V. Exª, venha, sem perda de tempo, atacar esta cidade, e se isso não acontecer ficará bem patente que nas Forças Revolucionárias não se conhece o brio nem a dignidade.

 

Carlos Telles.

 

 

 

No dia 7 foi recebida pela Guarnição a resposta do General Tavares, concebida nos termos seguintes:

 

 

 

Quartel General do comando em chefe do Exército Libertador, no Quebraxinho, 7 de dezembro de 1893.

 

Recebi vosso ofício e carta de 4 do corrente.

 

Em primeiro lugar vos advirto que não sou mais Barão de Itaqui, pois renunciei o título em junho de 1889, no tempo em que vós sustentáveis a monarquia.

 

Quanto ao ataque à praça para que me convidais, tenho a dizer-vos que as Forças Revolucionárias operam quando assim o entendem seus chefes, que no cumprimento de sua dignificadora missão não se movem pelas insinuações do inimigo. Não vos aflijais, oportunamente vos satisfaremos, no entanto, se estais tão apressado para combater, saia do seio das famílias e dos entrincheiramentos e vinde aos nossos arraiais que vos asseguro não recuaremos uma polegada.

 

Se tendes tantos víveres, como dizeis, reparti com as famílias e crianças, tanto mais quando ditos gêneros alimentícios foram comprados com o suor do povo, como bem o sabeis, e se não o quiserdes fazer, deixai sair da cidade as famílias, que, com os nossos poucos recursos, serão atendidas, respeitadas e garantidas.

 

Quando vos convidei para uma conferência era para dizer-vos que os melhores servidores do Marechal Floriano tinham, como recompensa o cárcere, como sucedeu ao vosso irmão e meu amigo General Telles, que tendo ultimamente chegado à Capital Federal e descrito com verdade o estado do exército do Rio Grande do Sul e o despótico governo do Dr. Júlio de Castilhos, foi em seguida mandado recolher à prisão onde já se achavam os Generais Solon, Pego Júnior e um outro.

 

Vos iludis quando apregoais vosso recursos; não os tendes e não os podeis obter. S. Gabriel já se acha em poder dos federais, porque, com a derrota do Marechal Izidoro a respectiva guarnição abandonou a praça disparando com todos os artigos bélicos que ali existiam.

 

Vossa carta e ofício só contem insultos dirigidos a mim e ao Exército Libertador que deixo de responder, atendendo ao mau estado de vossa saúde por não aumentar a “aflição ao aflito”.

 

Saúda-vos General Silva Tavares. [Continua] (A FEDERAÇÃO N° 41)

 

 

 

 

Bibliografia:

 

A FEDERAÇÃO N° 41. História do Sítio de Bagé ‒ Brasil ‒ Porto Alegre, RS ‒ A Federação n° 41, 17.02.1894.

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·    E-mail: [email protected].



[1]   “Era ut supra”: feito na data acima indicada.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Bagé, 13.07.2020 Diário de Notícias, n° 133 ‒ Belém, PASábado, 15.06.1895Igreja Paroquial de Sant’Anna Pará, 07.06.1895 Amigo e Sr. Dr. Gonçalves T

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Bagé, 10.07.2020   Diário de Notícias, n° 127 ‒ Belém, PASexta-feira, 07.06.1895 Hecatombe de Brasileirosdo Amapá, em 15 de maio de 1895,Pelos Soldado

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Bagé, 09.07.2020 O “Diário de Notícias” do Pará, nas edições n° 127, 128, 129 e 130 de 07, 08, 09 e 11.06.1895, respectivamente, publicou, na sua pr

As Estrelas e a Ciência Médica

As Estrelas e a Ciência Médica

Bagé, 08.07.2020 O Coronel de Engenharia Higino Veiga Macedo, meu Caro Amigo e Mentor (com letras maiúsculas mesmo), enviou-me outro texto de sua au