Porto Velho (RO) quarta-feira, 15 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Mulheres Guerreiras – Parte IX - D. Ignez Augusta Corrêa de Almeida


F. Cabrera, Cabichuí n° 45, 10.10.1867 - Gente de Opinião
F. Cabrera, Cabichuí n° 45, 10.10.1867

Bagé, 14.05.2020

 


 

O Major Antonio José de Moura, em dezembro de 1869, resgatou, em Tibicuari, a prisioneira de guerra D. Ignez Augusta Corrêa de Almeida, esposa do negociante Ricardo da Costa Leite, que fora presa, juntamente com o marido e dois filhos, em 1865, em Corumbá, e levada para Assunção. Todos os seus familiares sucumbiram às crueldades promovidas pelos militares paraguaios. D. Ignez partiu, depois de receber auxílio pecuniário do Exército Brasileiro, para Cuiabá onde chegou em fevereiro de 1870. Faleceu nos idos de 1887, depois de permanecer totalmente reclusa, durante 17 anos, sem ter conseguido se recuperar das crueldades e privações da Guerra.

 

 

Guerra do Paraguai

(Franklin Dória)

 

Um dia tu soubeste, ó povo brasileiro,

Da afronta que lançou-te o bárbaro estrangeiro

Num ímpeto de orgulho e indômita ambição.

 

Ouviste a nova infanda ([1]) entre magoado e pasmo,

Mas logo após, aceso em santo entusiasmo,

Dos lábios irrompeu-te irosa exclamação.

 

‒ Que! Somos nós, ‒ disseste, ‒ o pueril joguete

De um vizinho infiel, que assim nos acomete

Sem causa, à falsa fé, como um salteador?

 

Toldou-se-lhe a razão? Persegue-o uma quimera?

Que pretende de nós? De nós o que é que espera?

A palma da conquista?! Os foros de senhor?

 

Há muito que em silêncio o seu olhar dilata

Das raias da república até a foz do Prata.

Sonhando o predomínio em outras regiões.

 

Seus lances disfarçado há muito que calcula;

Nos grandes arsenais petrechos acumula;

Bélicos planos traça e engrossa batalhões.

 

Sua intenção funesta anima a negra ofensa,

Que, para doer mais, parece a recompensa

De preciosos bens que ingrato recebeu.

 

E, começando infrene a obra da maldade.

Não lembra que a conquista à luz da liberdade

É hoje o espectro vão de Atila ou de Pompeu!

 

Do servilismo o preito acaso não lhe basta?

Nem sua autoridade imperiosa e vasta,

Que simboliza a lei, o direito, o poder?

 

De uma bela nação intolerante dono,

Dos súditos verdugo em vez de seu patrono,

Quer a seus pés prostrado um povo livre ter?

 

Não! Para castigar o déspota arrojado

Cada um cidadão transforme-se em soldado

De vontade constante e de ânimo viril!

 

A Pátria envergonhada exige nosso culto.

Às armas! Corresponda a vingança ao insulto!

Às armas! Já e já, por nós, pelo Brasil!

 

Então do Sul a Norte e de Leste a Ocidente,

Voando o eco longe, agreste e docemente

Na Cidade e na Vila e na Aldeia soou.

 

E ao mesmo tempo o velho, o levou, o menino,

Como se repetisse o estribilho do um hino,

Por nós, pelo Brasil, às armas! Replicou.

 

Cada dia depois, desde o raiar da aurora,

Se ouvia um longo adeus e saudação sonora

Onde se erguia um teto e crepitava um lar.

 

Era um vivo alvoroço ostentando-se fausto!

Prenúncio encantador do celeste holocausto

Que ia ser ofertado, ó Pátria, em teu altar.

 

Do pomposo Palácio e da casa modesta,

Entre bênçãos de amor e júbilos de festa,

Saíram campeões sempre a mais e a mais.

 

Todos quantos mover puderam sem tardança

Uma espingarda, um sabre, uma espada, uma lança,

Oh! Todos o dever associou leais.

 

Já ergue o colo a guerra e temerosa estruge,

Como revolto mar que enfurecido ruge

Quando à praia deserta em tempestade aflui.

 

Já fere-se a primeira, inaugural batalha!

Relâmpago sinistro anuncia a metralha!

Armada contra armada entre pelouros ([2]) rue.

 

Sobre o rio, que tinto em rubro sangue estua ([3]),

Morto o contrário tomba ou trêmulo flutua,

Ao troar dos canhões da Frota Imperial!

 

Tremendo pelejar! combate peregrino,

Que faz Riachuelo igual a Navarino ([4]),

E arroja um turbilhão ao líquido cristal!

 

Entanto, quando o crime, o incêndio e a pilhagem

Pelo chão brasileiro abriram a passagem

À tropa canibal do trêfego ([5]) invasor.

 

Vendo a Pátria em perigo, um ínclito ([6]) soldado,

Pelos heróis de Homero acaso modelado,

A súbitas partiu. Quem foi? o Imperador!

 

No incruento prélio, altíloquo ([7]) poema,

Um laurel lhe esmaltou o puro diadema.

Herança gloriosa, imenso cabedal.

 

E volvendo a seu trono, ai majestosa sede

Onde ao rei virtuoso o sábio não excede,

O cinge o resplendor do triunfo imortal!

 

Por uma região do mundo sequestrada

Empreendeu-se após aspérrima jornada

De cruas privações e de penoso afã.

 

Em seu peregrinar, sem exemplo na história,

Os lidadores vão, de vitória em vitória,

Desde o Passo da Pátria até Aquidabã!

 

Nas batalhas campais, nas mínimas contendas,

Obraram mil e mil façanhas estupendas,

Que a fama proclamou e altiva redirá.

 

Foi-lhes mister até mais que valor e tino,

Sobre-humano labor, quase esforço divino,

Pra galgarem além da fera Humaitá!

 

Lutaram sem cessar! Bateram-se temíveis!

Tiveram muita vez recontros impossíveis,

Novos Bayards ([8]), mostrando a sua impavidez!

 

Dizei que fez Ozório, o herói legendário,

Quando o primeiro abriu o longo itinerário,

E dizei Porto Alegre em Tuiuti que fez!

 

Chegando tu por fim, lhes tomas a vanguarda

Como seu General e seu Anjo da Guarda,

Tu, príncipe gentil! Tu, jovem Conde D’Eu!

 

Se ateia o entusiasmo acrisolado, ardente,

No grande Capitão, de Marrocos valente,

O poderoso Exército inteiro se revê.

 

E teu gládio o conduz a ínvias cordilheiras;

E ele avança, avança em cerradas fileiras,

Peleja aqui, além; cerca, assalta, destrói!

 

Teu exemplo o transporta e a coragem lhe expande.

Em Pirebebuí, depois em Campo Grande,

Sublime sobressais entre os heróis, herói!

 

As tuas legiões, que o perigo inebria,

Sustentaram assim a renhida porfia.

Na Pátria o pensamento, a esperança no céu!

 

Tendo Câmara à frente, em seu extremo abrigo

Somente deram trégua ao pérfido inimigo

Quando foi sua espada o último troféu!

 

Ele expiou com a morte a afronta e o louco intento.

Em seu próprio País, sem pranto nem lamento,

Em erma sepultura ei-lo! execrado jaz.

 

E, enquanto um povo irmão desperta à liberdade.

Refulge em nosso céu com doce claridade

A aurora festival de gloriosa paz!

 

(Extraído do jornal “A Vida Fluminense n° 125”)

 

 

A imprensa paraguaia, também, valorizava, sobremodo, a contribuição das suas mulheres no esforço de guerra e ressaltava a conduta de suas tropas em relação aos civis. Vejamos algumas destas controversas manifestações:

 

 

El Semanario n° 560

Asunción, Paraguay – Sábado, 14.01.1865

 

Sección no Oficial

Sábado 14 de Enero de 1865

 

A vitória, finalmente, está se esboçando a favor do Paraguai. A população de Nioaque foi subjugada pelos nossos bravos, comandados pelo Cel Resquin, Chefe das Operações no rio Mbotetey.

 

Essa brilhante vitória que alcançamos, no dia 10 do corrente, foi reforçada pela tomada de Albuquerque e Corumbá. [...]

 

As famílias de Corumbá estão sendo acudidas pelo altruísmo do Comandante em Chefe de nossas Forças no Norte. Em contraste com a conduta dos escravos do Império que assassinaram mulheres e crianças no bárbaro bombardeio de Paysandú, o Comandante das Forças Paraguaias ofereceu ajuda aos indefesos que fugiram enganados pelo inimigo e os encaminham às suas casas, depois disciplinar os bandoleiros, que queriam aproveitar-se da situação para criar um escandaloso tumulto.

 

Aqui está um exemplo de humanidade e civilização. […] (El Semanario n° 560)

 

El Centinela n° 2

 

La Mujer Heroína

 

 

Não nos cansamos de admirar a nobreza de nossas mulheres. Diariamente surgem novos e interessantes manifestações de patriotismo.

 

Nós as vemos altaneiramente nos altares da Pátria oferecendo, em fervoroso sacrifício, suas preciosas joias. Incansavelmente, elas cultivam o solo com as próprias mãos e fertilizam os campos com o suor de seu rosto angelical. Desveladas e caridosas correm aos Hospitais de Sangue para curar as feridas dos bravos defensores da Pátria.

 

Devemos admirá-las por estarem dispostas a empunhar uma lança, para impedir que os invasores avancem sobre o nosso território.

 

Esta é a determinação e o desejo de todas as nossas extraordinárias mulheres. Como nos inspiram esses belos atributos de sublime abnegação!

 

O coração se dilata no peito e a inteligência divaga nos espaços infindos, apreciando a nobreza da mulher paraguaia. (EL CENTINELA N° 2)

 

El Semanario n° 584

Asunción, Paraguay – Sábado, 01.07.1865

 

Actos Recomendables

 

 

Dentre os vários atos meritórios alusivos às manifestações de patriotismo dos paraguaios de ambos os sexos pela causa nacional, incluímos o de uma mulher humilde chamada Bonifacia Agüero da “Vila del Rosario” que, por ocasião das repetidas manifestações dos moradores em apoio à guerra, se destacava solicitando, veementemente, que seus dois filhos menores, que ainda continuavam com ela, também fossem alistados para a guerra, e que somente dessa maneira ela ficaria satisfeita no amor para a pátria. (El SEMANARIO N° 584)

 

 

 

El Semanario n° 596

Asunción, Paraguay – Sábado, 23.09.1865

 

Correspondencia de Ejército

 

 

Senhor Redator do “El Semanario

 

Todas as armas, por mais degradantes que sejam, são usadas pelos nossos inimigos para nos atacar. Não é uma guerra franca e digna, realizada face a face, como devem promover nações cultas. Nossos adversários corrompem os sentimentos mais nobres, recorrendo às mentiras mais flagrantes, às calúnias profanas, à intriga, a tudo apelam que nos possa prejudicar, se atrevendo a nos tachar de abjetos, degradados e bárbaros.

 

Abjetos e degradados, são aqueles, que depois de nos trazer (???) uma guerra injusta, de perturbar nosso descanso, de buscar a aniquilação e a destruição da riqueza desses povos, reconhecendo sua impotência, eles dão expansão a seus instintos mais ferozes, procurando servir à sua causa maligna com as ações mais baixas e mais degradantes.

 

Você sabe como eles acreditam poder trabalhar nos espíritos dos povos aniquilando qualquer simpatia que tenham em relação à nossa causa?

 

Aos mais corriqueiros acontecimentos, eles vociferam nos jornais, nas ruas e em eventos públicos, que o Exército Paraguaio, “Massa de Bárbaros”, está furtando, aniquilando, queimando e roubando das populações, tudo o que encontram, destruindo casas de empresários, estuprando mulheres e devorando criaturas.

 

Eles querem provocar a antipatia dos estrangeiros à nossa causa e simpatia à sua; fingem-se de indignados narrando como a casa de um inglês, um francês e um italiano foram saqueadas e barbaramente assassinados seus donos, mostrando que os paraguaios não respeitam nenhuma bandeira.

 

Para prová-lo a tudo recorrem, mesmo ao suborno, coagindo o estrangeiro mais miserável, que encontram pelas ruas, para atestar esses fatos.

 

Tentam encorajar seus soldados, pintando com as cores mais vivas, cada vitória alcançada, afirmando que o povo paraguaio se nega a combater e que dentre alguns soldados paraguaios capturados foram encontradas mulheres vestidas de homem aliciadas pelo governo para aumentar seu efetivo de combatentes.

 

Essas e outras mentiras degradantes são usadas pelos nossos inimigos. Essa é a sua concepção de guerra, mas estas ações perversas serão por si só desmascaradas. (EL SEMANARIO N° 596)

 

 

Cabichuí n° 28

Paso Pucú, Paraguay – Lúnes [9], 12.08.1867

 

Francisca Cabrera

 

 

Com a doce emoção que as ações heroicas e a justa admiração que nos inspiram e provocam a sublime virtude do Amor pela Pátria, assinalamos em nossas colunas o nome de Francisca Cabrera, que será gravado nas páginas da história como uma das mais notáveis mulheres paraguaias que, quando colocada à prova, reagem com dignidade e nobreza.

 

Francisca Cabrera, era moradora de “Vila del Pilar”, mãe de quatro filhos menores de idade, quando 8 Regimentos das hordas invasoras do bárbaro inimigo, sob o comando do escravo Brigadeiro José Luís ([10]), que tinha privado seus cruéis soldados de suas mulheres, mandou-os procurar mulheres paraguaias para saciar seus lascivos desejos, estimulando seu desempenho e covardia, para invadirem o Arroio “Hondo”.

 

Francisca Cabrera, a única mulher que permaneceu na área com seus quatro filhos, além de outra mulher e um idoso, sabendo que as catervas inimigas estavam se aproximando, apanhou um punhal e levou as quatro crianças para as montanhas para se esconder; após entrar na floresta, pegou o punhal e disse aos filhos, dirigindo-se ao seu primogênito:

 

Meus filhos, esses mulatos que estão vindo, vão querer levar a gente; eu, com esta faca vou lutar com eles até morrer, e você meu filho, depois de minha morte, pegue esta faca e lute contra eles, esfaqueando-os no estômago, rasgando tudo; uma coisa eu vos digo: morram para que esses mulatos não vos aprisionem e os convertam em escravos. ([11])

 

Esta é mais uma prova dos crimes trazidos à República pelo inimigo sem religião e sem consciência que profana nossa Pátria.

 

E aqui está um testemunho eloquente do espírito dominante em toda a nação paraguaia em relação à sua pátria e ao inimigo de sua honra e de sua vida. (CABICHUÍ N° 28)

 

 

El Centinela n° 21

Asunción, Paraguay – Jueves [12], 12.09.1867

 

La Ofrenda del Bello Sexo

 

 

[...] Quando as mulheres paraguaias se propuseram a contribuir com seus adornos e joias com o objetivo de contribuir para o esforço de guerra de extermínio que o Brasil e seus aliados trouxeram à essa terra (???), elas se reuniram em Assembleia Geral, escolhendo, para isso, a Praça de 14 de maio.

 

As sessões de 24 a 26 de fevereiro foram fantásticas, porque nelas vimos pela primeira vez as mulheres participarem de manifestações públicas que a sociedade lhes vinha negando. […] (EL CENTINELA N ° 21)

 

 

El Centinela n° 26

Asunción, Paraguay – Jueves [13], 17.10.1867

 

La Heroína Paraguaya

 

 

Com o título acima, o último número de “El Semanario” registra a transcrição de uma correspondência do “Standart”, na qual lemos, com orgulho, a descrição do combate de uma mulher paraguaia e um capitão brasileiro, que desejava levá-la.

 

Esta defendeu-se valentemente, matou o capitão apesar de ter o braço esquerdo quebrado e um grave ferimento na cabeça. E para maior afronta aos militares brasileiros este estava acompanhado de doze indivíduos.

 

Esse atributo de coragem feminina é para a nossa história um episódio que mostra, ainda mais, a firme determinação de nosso “belo sexo” que, unidos ao seu valente marechal, jurou vencer ou morrer seguindo o exemplo dos nossos soldados que nos surpreendem com sua coragem e bravura.

 

 

A heroína paraguaia, que derrotou um capitão, essa mulher determinada, nos enche de entusiasmo e a apresentamos à consideração de todo o mundo, porque essa bravura, que distingue todos os filhos deste solo, é inédita. O “El Centinela” parabeniza o “belo sexo” e dá um “Viva!” à heroína paraguaia. (EL CENTINELA N° 26)

 

 

Cabichuí n° 91

 

Paso Pucú, Paraguay – Lúnes [14],

 

22.06.1868

 

O Cabichuí noticia que Bárbara Alen e Dolores Caballero, quando regavam o solo com o suor de seu rosto na faina do seu trabalho, foram surpreendidas por monstruosa onça que mataram usando apenas uma faca e um porrete. Ofertaram seu couro ao Senhor Marechal López. (CABICHUÍ N° 91).

 

 

 

As resenhas divulgadas pela imprensa nacional e estrangeira, como podemos observar, mostravam, claramente, as estratégias adotadas por estes governos de maneira a incentivar a população nativa, inclusive as mulheres, a participarem do esforço de Guerra principalmente como enfermeiras nos Hospitais de Sangue ([15]).

 

 

No Paraguai os órgãos de imprensa, vinculados ao Estado, defendiam os interesses do governo manipulando as informações e criando fatos com o objetivo de obter total apoio popular.

 

Toda a mentira é mais crível quanto maior for.
(Joseph Goebbels)

 

Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. (Joseph Goebbels)

 

Com o rádio, destruímos o espírito de rebelião. O rádio deve ser propaganda. E propaganda significa combater em todos os campos de batalha do espírito, gerar, multiplicar, destruir, exterminar, construir e abater. A nossa propaganda é inspirada naquilo que chamamos raça, sangue e nação alemães. (Joseph Goebbels)

 

A doutrina da propaganda, informação e contrainformação, ao longo dos tempos, foi sendo aperfeiçoada atingindo o seu clímax na elaboração dos 11 princípios do Ministro da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbels, o criador do mito do “Führer” (aqui personificado por López). Na Alemanha a racionalidade e o bom senso foram eliminados pela propaganda massiva e pela força, a mídia estatizada e os educandários foram usados à exaustão para promover as ideário do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (mais conhecido como Partido Nazista ou Nazi). Outro cenário, outro povo, novos tempos e a sinistra história se perpetua “ad aeternum”.

 

Bibliografia:

 

Vida Fluminense n° 125. Poema – Guerra do Paraguai, Franklin Dória – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – A Vida Fluminense: Folha Joco-Séria Illustrada n° 125, 21.05.1870.

 

CABICHUÍ N° 28. Francisca Cabrera – Paraguay – Paso Pucú – Cabichuí n° 28, 12.08.1867.

 

CABICHUÍ N° 91. Francisca Cabrera – Paraguay – Paso Pucú – Cabichuí n° 91, 22.06.1868.El Centinela n° 2

 

EL CENTINELA N° 21. La Ofrenda del Bello Sexo – Paraguay – Asunción – El Centinela n° 21, 12.09.1867.

 

EL CENTINELA N° 26. La Heroína Paraguaya – Paraguay – Asunción – El Centinela n° 26, 17.10.1867.

 

EL SEMANARIO N° 560. Sección no Oficial – Paraguay – Asunción – El Semanario n° 560, 14.01.1865.

 

EL SEMANARIO N° 584. Actos Recomendables – Paraguay – Asunción – El Semanario n° 584, 01.07.1865.

 

EL SEMANARIO N° 596. Correspondencia de Ejército – Paraguay – Asunción – El Semanario n° 596, 23.09.1865.

 

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·    E-mail: [email protected].

 



[1]   Infanda: torpe.

[2]   Pelouros: projetís de pedra.

[3]   Estua: arde.

[4]   Navarino: batalha naval travada em 20.10.1827, durante a Guerra da Independência Grega, na Baía de Pilos (antiga Baía de Navarino).

[5]   Trêfego: manhoso.

[6]   Ínclito: ilustre.

[7]   Altíloquo: eloquente.

[8]   Bayards: Pierre Terrail LeVieux, militar francês, herói na Guerra Italiana (1521 a 1526) – “cavaleiro medieval ideal, sem medo e irrepreensível”.

[9]   Lúnes: Segunfa-feira.

[10]  Brigadeiro José Luís Mena Barreto (1817-1879).

[11]  Tradução do guarani para o português de Dario Agostin Ferreira (Pesquisador do NEABI/PUCRS)

[12]  Jueves: Quinta-feira.

[13]  Jueves: Quinta-feira.

[14]  Lúnes: Segunfa-feira.

[15]  Hospitais de Sangue: prestavam o atendimento de primeiro escalão aos feridos que depois de devidamente socorridos eram transportados para a retaguarda.

Galeria de Imagens

  •  Cabichuí n° 91, 22.06.1868
    Cabichuí n° 91, 22.06.1868
  • López e Joseph Goebbels
    López e Joseph Goebbels
  • Album de la Guerra del Paraguay
    Album de la Guerra del Paraguay

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte IV

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte IV

Bagé, 14.07.2020   Jornal do Brasil, n° 66 ‒ Rio de Janeiro, RJSábado, 06.03.1896 A Questão do Amapá Interview com Veiga Cabral (Continuação)  Repórte

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Bagé, 13.07.2020 Diário de Notícias, n° 133 ‒ Belém, PASábado, 15.06.1895Igreja Paroquial de Sant’Anna Pará, 07.06.1895 Amigo e Sr. Dr. Gonçalves T

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Bagé, 10.07.2020   Diário de Notícias, n° 127 ‒ Belém, PASexta-feira, 07.06.1895 Hecatombe de Brasileirosdo Amapá, em 15 de maio de 1895,Pelos Soldado

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Bagé, 09.07.2020 O “Diário de Notícias” do Pará, nas edições n° 127, 128, 129 e 130 de 07, 08, 09 e 11.06.1895, respectivamente, publicou, na sua pr