Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Demarcadores, Heróis Olvidados – Parte V


Demarcadores, Heróis Olvidados – Parte V - Gente de Opinião

Bagé, RS, 11.03.2020

 

 

Diário da Noite, N° 262

Rio de Janeiro, RJ ‒ Segunda-feira, 11.08.1930

 

Às Zonas mais Desconhecidas
da América do Sul

 

Partiu Hoje, à Tarde, pelo “Santos”, a Comissão de Limites Entre o Brasil e a Venezuela ‒ Interessantes Informações Prestadas pelo Chefe Dessa Comissão, Cmt Braz Aguiar

 

 

Embarcou hoje, a bordo do paquete “Santos”, com destino a Manaus, de onde partirá para as nossas fronteiras com a Venezuela, a Comissão Brasileira de limites, que vai definitivamente demarcar e fixar as linhas divisórias entre os dois Países. É chefe dessa importante Comissão o Comandante Braz Dias de Aguiar, de nossa Marinha, de Guerra, que já tem feito parte de outras Comissões de Limites.

 

O Diário da Noite

 

No intuito de colher alguns informes sobre os traba­lhos já realizados naquela fronteira, que ademais se revestem de especial importância, sabido que se trata de uma zona ainda completamente desconhecida e habitada por selvagens, procurou aquele distinto oficial em sua residência, pela manhã, quando ainda ultimava os preparativos de sua viagem. Inteirado dos motivos de nossa visita, o Cmt Braz Dias de Aguiar prestou-se gentilmente a nos satisfazer a curiosidade:

 

Os Fins da Comissão

 

A presente Comissão destina-se a demarcar as linhas divisórias entre o Brasil e a Venezuela, de acordo com o que determina o último protocolo, assinado na gestão do Chancelar Octávio Mangabeira. Com esse objetivo já iniciamos os trabalhos em fins do ano passado, suspendendo-os em fevereiro último, em virtude da estação de águas e enchentes. Trata-se da demarcação da linha geodésica desde o Cucuí ao Saco de Uná, ou seja, uma extensão mais ou menos de 1.300 quilômetros de uma zona desconhecida, talvez a mais desconhecida da América do Sul.

 

As explorações nessa zona, sobre as vertentes, são penosíssimas. Para realiza-las determinei que uma parte da missão subisse o Rio Canabury e outra o Padoahyry, para reinício dos trabalhos. Os trabalhos de que se tem notícia na parte Oeste dessa zona, são os da Comissão Venezuelana de 1889, que determi­nou as linhas do Cucuí ao Oeste, parte essa perdida para a Colômbia. O Gen Dionysio, na Comissão de 80, atingiu ao Cucuí, enquanto que na parte Leste, em 1927, o Capitão Polydoro, da Comissão Rondon, subiu ao Urariquera, até a serra de Parima. Atravessar as vertentes das cordilheiras que distam daquela serra 80 km é o que a Comissão de Limites vai fazer, deter­minando as linhas e demarcando-as. A zona posto que não seja salubre não é das piores. Preventivamente, porém, tomamos todas as precauções para evitar as febres: o uso diário do quinino, o licor do Fowler ([1]), o mosquiteiro, o sulfarsenol e a estricnina, são indispensáveis nessas viagens.

 

Quanto aos índios, a última vez que estivemos nessa zona sentimos que nos vigiaram e cercaram. Porém, não fomos atacados. São os Macu de alguma agressividade. [...]

 

Mas, como se sabe, decorrem do ato três outros: no primeiro o ajuste, a seguir, o Tratado, depois a demarcação e subsequente caracterização. Coube ao Chanceler Otávio Mangabeira, ativar a realização das demais operações divisionárias de nossa fronteira. Isso, porém, não é obra de uma geração. Resta, portanto, que se atente ao trabalho hercúleo dessas Comissões de Limites que se internam em zonas inóspitas e desconhecidas para demarcar e assinalar as linhas divisórias de nossas fronteiras.

 

Concluiu o Cmt Dias de Aguiar, a sua palestra como permitia, o tempo de quem se preparava para horas após, partir para internar-se nas zonas, consideradas, as mais desconhecidas da América do Sul.

 

Os Componentes da Comissão Dias Aguiar

 

A Comissão de Limites chefiada pelo Cmt Braz de Aguiar, compõe-se de seu Chefe e, dos CT Nelson Simas de Souza; Waldernar de Araújo Motta, Cap Francisco Pereira da Silva, Cap médico Dr. Manoel Maurício Sobrinho e 1° Ten Jonathas Moraes Corrêa e Dr. Sodré Vianna, civil. (DIÁRIO DA NOITE, N° 262)

 

 

Anais da Academia Brasileira de Ciências, Ed. 1

Rio de Janeiro, RJ ‒ 1938

 

Aguiaria

 

 

Vi as primeiras árvores de “duraque” ([2]) em 1929, quando de subida no Rio Negro, como hóspede na lancha da Comissão Demarcadora das Fronteiras do Setor Norte, chefiada pelo Cmt Braz Dias de Aguiar.

 

Elas não tinham flores nem frutos, mas o material que pude colher e que consistia em raminhos com folhas e em amostras da madeira, foi suficiente para permitir a inclusão da planta entre as bombacaceaes da afinidade de Scleronema e Calostemma. (DUCKE)

 

 

A Batalha, N° 4.334

Rio de Janeiro, RJ ‒ Quarta-feira, 25.09.1940

 

A Fronteira Brasileira com a Venezuela

 

Prosseguem Ativamente os Trabalhos da Comissão Demarcadora

 

 

Deverá seguir para Belém do Pará, na próxima sexta-feira, o CMG Braz Dias de Aguiar, Chefe da Primeira Divisão da Comissão Brasileira Demarcadora de Limites que trabalha no setor formado pelas fronteiras com o Peru, a Colômbia, a Venezuela e. as três Guianas. O Cmt Braz de Aguiar vai encontrar os trabalhos de sua Divisão em pleno desenvolvimento, devendo dar início à segunda campanha deste ano, com o objetivo de fazer o levantamento dos Rios Catrimani, afluente do Branco, e Demini, afluente do Negro, sobre cujas cabeceiras ainda não há conhecimento seguro.

 

Nossas fronteiras com a Venezuela já foram definidas no Tratado concluído em 1859. Os trabalhos de demarcação, começados em 1880 e findos em 1884, não foram aprovados pela Venezuela. Novos trabalhos estiveram a cargo da Comissão Melo Nunes, dissolvida em 1915. Em 1929 foi novamente organizada uma Comissão Mista de Remarcação, que trabalhou até 1934.

 

Em 1939, iniciou-se a atual campanha, que se dedica ao estabelecimento de sinais aerofotogramétricos e marcos fronteiriços, e ao levantamento topográfico de Rios cuja caracterização interessa imediatamente aos trabalhos demarcatórios.

 

Foram assim, levantados cinco Rios da Bacia Amazônica, o Surumu, o Pacu, o Majari, o Uraricaá e o Surubaí e as cabeceiras de quatro Rios da Bacia do Orenoco, o Guaná, o Kidi, o Emecuni e o Ijani. O serviço de “fotocroquis” é feito em aviões, do Serviço de Obras Públicas da Venezuela, ao longo da fronteira e já se estendeu até as nascentes do Majaní. [...]

 

Os trabalhos de demarcação são igualmente executados com colaboração de trabalhadores, cujas condições de saúde melhoram dia a dia, graças ao combate constante aos três males que afetam tais regiões: a malária, o beribéri e leishmaniose tegumentar.

 

O atual ritmo dos trabalhos demarcatórios imprime um grande desenvolvimento à campanha de 1939-1940, que já realizou mais de um terço da tarefa projetada.

 

Concluídos esses trabalhos, o que a Divisão conta fazer em 2 ou 3 campanhas, ficará integralmente demarcada a nossa linha fronteiriça com as Guianas Holandesa e Inglesa e a Venezuela.

 

Esse trabalho, levado a feito com tenacidade e constância, representará uma definitiva contribuição para a caracterização perfeita dos nossos limites Setentrionais, o que por certo determinará progressivo soerguimento dessas regiões até agora pouco servidas das mais modernas conquistas da civilização. (A BATALHA, N° 4.334)

 

 

A Batalha, N° 4.346

 

Rio de Janeiro, RJ ‒ Quarta-feira, 09.10.1940

 

O Presidente Vargas na Amazônia

 

Em Contato com os Membros da
Comissão de Limites

 

 

BELÉM, 8 [Agência Nacional] – O Presidente Getúlio Vargas recebeu a visita de vários membros da Comissão de Limites, sediada nesta capital, como a Primeira Divisão de Demarcação de Fronteiras entre o Brasil e as Guianas Inglesa, Holandesa, Francesa, a Venezuela, o Peru e a Colômbia. Da exposição feita, então, pelo Comandante Braz Aguiar, que aqui se encontra nesse posto há 25 anos, o Chefe do Governo viu como vão adiantados os trabalhos de demarcação e estabelecimento de limites. A atividade da mesma Comissão pode ser avaliada, sabendo-se que foram, já, colocados 250 marcos e fixados trezentos pontos de coordenadas. Mais de quatro mil quilômetros de Rios já foram percorridos para esse trabalho. Todas essas atividades foram seguidas pelo Presidente Getúlio Vargas nos mapas que lhe eram mostrados no momento.

 

Verificou, então, o Chefe do Governo, que o serviço de demarcação já está terminado nas fronteiras com as Guianas Inglesa e Holandesa, estando as linhas divisórias com a Venezuela quase concluídas. A linha com a Guiana Inglesa tem cerca de 1.600 quilômetros. As atividades da Comissão já se estenderam até a Bacia do Orenoco, sendo que em todos os trabalhos o fato mais curioso até agora está na fixação dos limites com a Venezuela.

 

Ficou provado que a serra Marchiall não é o ponto mais Norte do Brasil e sim a serra Caimai. Depois de apreciar esses mapas, em número superior a 50, o Presidente foi informado da maneira de organização das Expedições de estudos que devem demorar, sempre, no interior da selva, transpondo Rios, desbordando serras, pelo menos de oito a dez meses. Vivamente impressionado com a longa exposição que lhe foi feita, o Chefe do Governo, despedindo-se dos membros da Comissão de Limites, disse-lhes:

 

Heróis não são apenas os que morrem pela Pátria, oferecendo-lhe o seu sangue. Também os senhores, por tanto trabalho anônimo construindo as fronteiras do Brasil, longe do mundo, são heróis. (A BATALHA, N° 4.346)

 

Bibliografia:

 

A BATALHA, N° 4.334. A Fronteira Brasileira com a Venezuela - Prosseguem Ativamente os Trabalhos da Comissão Demarcadora ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro ‒ A Batalha, N° 4.334, 25.09.1940.

 

A BATALHA, N° 4.346. O Presidente Vargas na Amazônia - Em Contato com os Membros da Comissão de Limites ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro ‒ A Batalha, N° 4.346, 09.10.1940.

 

DIÁRIO DA NOITE, N° 262. Às Zonas mais Desconhecidas da América do Sul ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro ‒ Diário da Noite, N° 262, 11.08.1930.

 

DUCKE, Adolpho. Aguiara – Brasil – Rio de Janeiro – Annaes da Academia Brasileira de Ciências, Edição 1, 1938.

 

009 foi

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·    E-mail: [email protected].



[1]    Licor de Fowler: produto formalizado à base de arsênico anidrido diluído em água, ligeiramente alcoolizado,

[2]    Duraque: Aguiaria excelsa Ducke.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

As Estrelas e a Ciência Médica

As Estrelas e a Ciência Médica

Bagé, 08.07.2020 O Coronel de Engenharia Higino Veiga Macedo, meu Caro Amigo e Mentor (com letras maiúsculas mesmo), enviou-me outro texto de sua au

O Rei dos Rios – Parte IV - Lenda da Pororoca (Raymundo Moraes)

O Rei dos Rios – Parte IV - Lenda da Pororoca (Raymundo Moraes)

Bagé, 07.07.2020 Diz a lenda que, antigamente, a água do rio era serena e corria de mansinho. As canoas podiam navegar sem perigo. Nessa época, a Mã

O Rei dos Rios – Parte III - Rio das Amazonas

O Rei dos Rios – Parte III - Rio das Amazonas

Bagé, 06.07.2020  Rápido exame dos relevos da terra, no mapa físico da América do Sul, desperta imediatamente a atenção para a colossal baixada, ond

O Rei dos Rios – Parte II

O Rei dos Rios – Parte II

Bagé, 03.07.2020 À Margem do Amazonas (Continuação) Mas se os aventureiros espanhóis, fracassados em duas tentativas, desistiram de procurar o El Do