Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Cerâmica Santarena – Parte III


Angyone Costa - As Aculturações... - O Anais do Museu Histórico Nacional ‒ Volume VI, 1945. - Gente de Opinião
Angyone Costa - As Aculturações... - O Anais do Museu Histórico Nacional ‒ Volume VI, 1945.

Bagé, 03.06.2020



 Cerâmica Santarena


A Cerâmica de Santarém, notável pelo bom gosto e difícil estilização, caracteriza-se também pela abundância e variedade dos motivos plásticos supostamente filiados às civilizações do continente centro-americano. (CAPUCCI)

 

A arqueologia evita chamar deTapajônicos” ou “Tapajoaras” os vestígios culturais encontrados nas proximidades da Bacia do Rio Tapajós, preferindo conside­rá-los parte de um complexo cultural maior, denomina­do “Santarém” ou “Santareno”. Apesar de não desfrutar do mesmo interesse dedicado à cultura Marajoara é, certamente, a Cerâmica mais antiga da Amazônia e uma das mais belas do mundo, apresentando detalhes refinados e ornamentos análogos à chinesa. A Cerâmica de Santarém ainda se recente de pesquisas baseadas em escavações estratigráficas ([1]).

 

Datação – Carbono-14

 

A quantidade de carbono-14 dos tecidos orgânicos mortos diminui num ritmo constante com o passar do tempo. A medição do carbono-14 de um fóssil fornece elementos que permitem mensurar quantos anos decorreram desde sua morte.

 

Esta técnica é aplicável somente a material que conteve carbono em alguma de suas formas ou o absorveu e só pode ser usada para datar amostras que tenham, no máximo, 70 mil anos de idade. Embora este tipo de datação seja a mais conhecida e utilizada existem, na atualidade, métodos mais modernos de datação absoluta.

 

Termoluminescência

 

A termoluminescência avalia a luminescência provocada pelo aquecimento de sedimentos e objetos arqueológicos. É especialmente utilizada para datar objetos que contêm minerais, como o quartzo (SiO2) e a calcita (CaCO3). Podem ser datados fragmentos de cerâmicas, materiais líticos queimados e cinzas de fogueira de até duzentos mil anos, sendo que a imprecisão deste método gira em torno de 7% a 10%.

 

Arqueomagnetismo

 

Outro método moderno é o do arqueomagne­tismo que analisa as variações seculares ou alterações do campo magnético terrestre. O estudo da magne­tização remanescente de uma rocha sedimentar permite que se determine o campo magnético terrestre no momento de sua formação. O método é especialmente indicado para a datação de fornos e de algumas cerâmicas que guardem certa magnetização.

 

Terras Pretas

 

Narra-nos Frederico Barata, membro do Instituto de Antropologia e Etnologia de Belém, no seu livro A Arte Oleira dos Tapajó III”:

 

Conta-nos Bates que, quando pela segunda vez chegou a Santarém, em novembro de 1851, o Bairro da cidade hoje conhecido como Aldeia era ainda habitado pelos Índios que, uma vez por ano, desciam ao quarteirão dos brancos para executar suas danças, espontaneamente e com o fito exclusivo de divertir o povo da localidade.

 

Coincide a informação com a de Ferreira Penna que, descrevendo Santarém, divide a povoação em duas partes distintas: “a cidade própria que fica muito aconchegada ao Morro da Fortaleza e a Aldeia, que se estende para Oeste”, acrescentando que esta, há 15 anos [escrevia em 1869 e, portanto, se referia a 1854] ainda exclusivamente habitada por descendentes dos Índios, começava a ser invadida pela cidade´

 

Já aparecendo aí algumas casas bem construídas que contrastavam com as cabanas dos velhos indígenas.

 

Esses Índios, todavia, não eram mais os Tapajó, cujos últimos representantes tinham sido exterminados pelos portugueses, em aliança com os Mundurucu, após o ataque a Santarém de 1835-1836, onde tão poucos escaparam da carnificina que, em 1852, Bates proclamava não se encontrar um velho ou homem de meia idade no lugar [segundo Bates].

 

Hoje, cem anos decorridos, a cidade de Santarém estendeu suas ruas por toda a antiga Aldeia e entre os habitantes desapareceu por completo a recordação dos moradores Índios.

 

Pessoas idosas, por mim interpeladas, apenas se referem ao tempo deles como coisa de um passado muito remoto e quase olvidado.

 

E menos do que a tradição oral, o que ocorre para manter viva a lembrança de terem Índios outrora vivido na Aldeia, é o constante aparecimento à superfície de diminutos cacos da velha Cerâmica indígena, no próspero Bairro santareno dos nossos dias, que o povo conhece pela designação de caretas” ou como “panelas de Índio”, se são vasos de forma definida ou menos fragmentados. Já Nimuendaju, ocupando-se das terras pretas como moradas antigas dos Tapajó e estranhando que Hart [1870-1871] e Smith [1874], ao fazerem o levantamento geológico do Rio Tapajós, tenham citado tantas e desconhecido a maior de todas que é a de Santarém-Aldeia, aponta a Rua da Alegria e suas travessas como as mais ricas do que chama restos de Cerâmica velha”.

 

Robert e Rose Brown, muito mais tarde, em 1944, demoraram-se meses em trabalho na Aldeia, onde lograram reunir a grande coleção museológica hoje pertencente à Fundação Brasil Central, no Rio de Janeiro. Informaram-me, posteriormente, que o principal achadouro [“the best source of caretas”] era o quintal de uma gorda mulher, cega de um olho e com cerca de seis filhos, na parte alta e bem junto da casa em que viviam duas velhas fabricantes das características bonecas tão apreciadas pelos turistas.

 

Com esses dados, identifiquei a casa, na rua Benjamim Constant, e foram as duas referências de Nimuendaju e Robert Brown que orientaram as minhas primeiras pesquisas em Santarém-Aldeia. Resultaram elas completamente infrutíferas, porém, e em 11 quintais de terras-pretas, escavados nas travessas da Alegria e na Benjamim Constant, inclusive o terreno assinalado por Brown, não encontrei senão fragmentos esparsos e minúsculos da Cerâmica dos Tapajó.

 

O primeiro local em que obtive êxito foi num quintal à Rua Galdino Veloso, da casa de D. Olívia, já em 1951. Posteriormente, consegui magnífico material de dois outros quintais, fundos das casas de um barbeiro, à Rua 24 de Outubro e de um ferreiro, à Av. Rui Barbosa, 1.408.

 

Em todos os três – e aí está talvez a razão de terem Nimuendaju e Brown dado como cheios de Cerâmica terrenos onde nada mais se pôde encontrar – verifiquei que a maioria dos vasos estava depositada numa espécie de bolsão, espaço diminuto que, em geral, não excedia de 2,5 a 4 metros quadrados, amontoados os fragmentos até o nível da terra amarela que se segue à preta, numa profundidade variável de 30 a 80 centímetros.

 

A explicação da existência desses bolsões, reunindo em um só ponto toda a Cerâmica, está em que, ao se estender a cidade para a velha Aldeia, deparavam-se os novos moradores com o terreno coberto de vasos e fragmentos, abandonados outrora pelos Índios.

 

Para limparem os seus quintais, fosse por uma questão simplesmente de asseio, fosse por um certo temor supersticioso em relação aos objetos indígenas, que sabiam sempre ligados ao culto dos mortos, cavavam um grande buraco e varriam para ele a Cerâmica espalhada na superfície.

 

Por isso, não raro se encontra assim concentrado, num mesmo ponto, o material arqueológico; e por isso, em geral, já são os vasos achados completamente fragmentados, embora se possam selecionar os pedaços capazes de permitir a reconstituição de muitos deles. Fora desses bolsões, é sempre difícil se encontrar alguma coisa.

 

Tive a atenção primeiro despertada para isso quando, achando-me em Santarém, chegou-me a notícia de que, no terreno ao fundo da barbearia, na rua 24 de Outubro, haviam sido retirados alguns bonitos vasos de gargalo e cariátides. Fui imediatamente até lá em companhia do meu amigo Paulo Rodrigues dos Santos, que conhecia o barbeiro mas, infelizmente a dona da casa e as crianças, sem cuidado algum, já tinham revolvido o bolsão e reduzido a cacos minúsculos e inúteis uma boa dezena de peças, preocupadas que se achavam em retirar inteiras apenas as de dois tipos – de gargalo e de cariátides – para as quais, pela sua beleza e popularidade, sempre há compradores a bons preços.

 

Adquiri os fragmentos e vasos encontrados e consegui licença para escavar o resto do terreno. Fora do espaço limitado do bolsão que se situava num pequeno quadrado entre a casa e o cercado do vizinho, não havia, entretanto, mais nada.

 

Um filão desses é que Robert Brown deve ter explorado no terreno a que se refere, na Rua Benjamin Constant. Se tivesse tido de inspecionar a área total, verificaria não haver nem mais uma careta sequer.

 

Deduz-se do exposto que, em Santarém-Aldeia, se torna impossível ou, pelo menos inútil qualquer estratigrafia. O material, assim arrastado para os bolsões, acha-se arbitrariamente misturado e comumente reúne, num mesmo nível, Cerâmica típica dos Tapajó e outras também antigas mas dela bem diferenciadas pelo estilo, a fragmentos de alguidares e bilhas de moderna olaria e até a cacos de pratos e xícaras de porcelanas ou de garrafas de cerveja.

 

Da mesma maneira, o que se encontra fora dos bolsões é sempre em terras pretas secularmente revolvidas por serem consideradas preferenciais para a lavoura. Pesquisas estratigráficas terão de ser orientadas com êxito, possivelmente, para regiões adjacentes de Santarém, onde a vida civilizada ainda não se desenvolveu tanto e onde as terras pretas, cobertas de árvores antigas, como, no planalto, constatou Nimuendaju, talvez tenham sido menos trabalhadas para as roças e conservem a Cerâmica nas camadas em que foi deixada pelos Índios.

 

É inegável, contudo, que o abundante material recolhido em Santarém-Aldeia oferece inestimável interesse para a tipologia e para melhor apreciação do estilo tapajônico.

 

E foi por assim pensar que resolvi destacar o conjunto de peças extraídas dos bolsões referidos algumas que, pelo seu ineditismo, podem contribuir para aumentar os elementos tipológicos, até aqui disponíveis, para o estudo de uma Cerâmica ainda tão pouco divulgada e conhecida como é a de Santarém. (BARATA, 1954)

 

A maioria das peças e fragmentos de Cerâmica santarena encontrados nos museus e coleções particulares têm sua origem nas zonas deterra preta”, ou nos “bolsões”. A população, ainda hoje, encontra e retira, sem qualquer cuidado, estes artefatos para vendê-los. É a história e a cultura maravilhosa de um povo que, aos poucos, vai se perdendo.

 

Comércio Irregular de Relíquias Históricas

 

As relíquias arqueológicas de Santarém correm perigo real e imediato.

 

Comerciantes desonestos, donos das maiores lojas de artesanato da Cidade e arredores, vendem, sem qualquer tipo de controle, antiguidades aos turistas interessados. O comprador é conduzido até os fundos das lojas onde tem acesso a um sem número de peças e fragmentos de Cerâmica da cultura tapajônica.

 

O comércio ilegal é abastecido sobretudo por achados fortuitos em comunidades rurais ao redor de Santarém, na sua maioria pequenos fragmentos, embora exista um tipo de tráfico, mais sofisticado, envolvendo peças inteiras, como vasos, estatuetas de Cerâmica e os raríssimos Muiraquitãs. Em reportagem, de 17.10.2005, a Folha de São Paulo flagrou venda de material arqueológico nas lojas: Muiraquitã” e “Atmosphera Amazonica”. Os comerciantes ofereceram ao repórter, na oportunidade, machados de pedra pré-históricos de origem não-especificada.

 

Essas peças passaram muito tempo na minha casa, sendo restauradas. Acabei vendo-as anos depois na televisão.
(Laurimar Leal)

 

Em 2002, um casal identificado apenas como Glória e Kiko, comprou em Santarém e revendeu duas estatuetas para a Cid Collection, coleção arqueológica de Edemar Cid Ferreira, dono do Banco Santos. A Cid Collection chegou a contar com 1.200 peças pré-históricas, incluindo diversos Muiraquitãs. O material foi confiscado após a quebra do Banco Santos e está armazenado no galpão que ele mantém no Jaguaré, na Zona Oeste de SP. A diferença entre o estado atual da coleção e a época em que ela pertencia ao banqueiro é que agora parte das peças correm risco de deterioração.

 

Edemar deixou de pagar as contas de luz do depósito e o ar condicionado parou de funcionar, colocando em risco a arte plumária e os documentos que necessitam de climatização adequada. Por decisão judicial, as obras deveriam estar no MAE (Museu de Arqueologia e Etnologia) da Universidade de SP. O galpão abriga cerca de 2.000 peças; uma outra parte da coleção está guardada na casa do banqueiro. A Cid Collection foi legalizada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), em 2002, após um acordo com Cid Ferreira. O IPHAN, que deveria zelar pelo patrimônio arqueológico, tornou-se um aliado de Edemar, permitindo que as obras corressem risco. O comércio ilegal e a destruição de sítios arqueológicos na região são fortalecidos pela pobreza e ignorância da população e pelo descaso do poder público.

 

Márcio Amaral o “Arqueólogo” Santareno

 

Ele sabe mais sobre Cerâmica Santarena do que qualquer pessoa. Poucos dos meus estudantes de pós têm o treinamento que ele tem. (Anna Roosevelt)

 

Márcio Amaral trabalha como jardineiro e como vigia de um depósito mantido em Santarém pela arqueóloga Anna Roosevelt. Amaral foi treinado por Roosevelt e chegou a ser coautor em um dos trabalhos científicos da americana. A equipe de Roosevelt é a única a realizar escavações sistemáticas na Cidade, embora seus membros não residam em Santarém.

 

Você vai perguntar: Poxa, mas isso não é ilegal? Mas, já que o Estado não tem capacidade, eu, como cidadão, tenho o dever de zelar pelo patrimônio.
(Márcio Amaral)

 

Amaral possui uma coleção particular de fazer inveja ao pequeno Museu da Prefeitura de Santarém: fragmentos de Cerâmica, ídolos de barro e até mesmo Muiraquitãs. A ausência de extensões do IPHAN ou do Museu Paraense Emílio Goeldi, na Cidade, permitem que estas irregularidades se perpetuem.

 

Relatos Pretéritos

 

Henry Walter Bates (1851)

 

Bates chegou a Santarém, pela segunda vez, em novembro de 1851 onde permaneceu por quase um ano. Em junho de 1852, subiu o Rio Tapajós e penetrou, em 03.08.1852, no Rio Cupari, nosso velho conhecido. O naturalista dedicou pouco de seu tempo aos artefatos de Cerâmica e, mesmo assim, apenas aos relacionados à Cerâmica produzida pelos nativos atuais.

 

Nas terras baixas da mata, à beira do Rio, o solo é coberto por uma argila branca e dura, que fornece ao povo de Santarém a matéria-prima para a feitura de potes de barro e toscos utensílios de cozinha. Todo o vasilhame usado pelas classes mais pobres da região, tais como chaleiras, frigideiras, cafeteiras, tachos, etc., bem como os fornos para torrar mandioca, são feitos dessa mesma argila, que é encontrada regularmente em todo o Vale do Amazonas, desde os arredores do Pará até as fronteiras do Peru, formando parte dos vastos lençóis de tabatinga. Para os potes suportarem o calor do fogo, é misturada à argila a casca de uma árvore chamada caripé, depois de queimada, o que dá resistência à Cerâmica. A casca dessa árvore é encontrada à venda nas lojas da maioria das cidades, acondicionada em cestos. (BATES)

 

Bibliografia:

 

BARATA, Frederico. A Arte Oleira dos Tapajó III – Brasil – São Paulo – Revista do Museu Paulista, 1954.

 

BATES, Henry Walter Bates. Um Naturalista no Rio Amazonas – Brasil – São Paulo – Livraria Itatiaia Editora Ltda – Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS);

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO);

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS);

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG);

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN);

·    E-mail: [email protected].



[1]   Estratigrafia: a estratigrafia baseia-se nos princípios de sobreposição dos sedimentos em que as camadas mais profundas são as mais antigas e as superficiais mais novas aplicando esta relação aos objetos aí encontrados.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

O Rei dos Rios – Parte IV - Lenda da Pororoca (Raymundo Moraes)

O Rei dos Rios – Parte IV - Lenda da Pororoca (Raymundo Moraes)

Bagé, 07.07.2020 Diz a lenda que, antigamente, a água do rio era serena e corria de mansinho. As canoas podiam navegar sem perigo. Nessa época, a Mã

O Rei dos Rios – Parte III - Rio das Amazonas

O Rei dos Rios – Parte III - Rio das Amazonas

Bagé, 06.07.2020  Rápido exame dos relevos da terra, no mapa físico da América do Sul, desperta imediatamente a atenção para a colossal baixada, ond

O Rei dos Rios – Parte II

O Rei dos Rios – Parte II

Bagé, 03.07.2020 À Margem do Amazonas (Continuação) Mas se os aventureiros espanhóis, fracassados em duas tentativas, desistiram de procurar o El Do

O Rei dos Rios – Parte I

O Rei dos Rios – Parte I

Bagé, 02.07.2020 Rio das Amazonas O Amazonas é um extraordinário manancial que vem desafiando, através dos últimos cinco séculos, não apenas a capa