Porto Velho (RO) sábado, 19 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCXVI - Navegando o Tapajós ‒ Parte XX - Itaituba, PA/Aveiros, PA


Itaituba, PA - Gente de Opinião
Itaituba, PA

Bagé, 14.05.2021

 

Navegando o Tapajós ‒ Parte XX

 

Itaituba, PA/Aveiros, PA

 

Tarde Santarena

(Juliane Oliveira)

 

São inúmeras as músicas que embalam o amor dos santarenos pela Pérola do Tapajós. Algumas delas
falam das praias, do encontro das águas, dos pescadores, dos casais de namorados e por aí vai. Outras falam
da sua fauna e flora. Não precisa ser muito sensível ou mesmo inspirado pra fazer poesia para a terra
que é banhada pelo verde-esmeralda do
Tapajós e cobiçada pelo barrento Rio Amazonas.

 

21.10.2013 – Itaituba/Tabuleiro Monte Cristo

 

A fidalga e pronta recepção por parte do 53° Batalhão de Infantaria de Selva (53°BIS), capitaneado interinamente pelo Major Paulo Correia Lima Neto foi providencial. O pernoite, nas impecáveis instalações da Área de Lazer dos Oficiais, de quinta a domingo, permitiu-nos recompor as energias e recuperar a musculatura. O recompletamento do combustível da lancha de apoio, por sua vez, garantiu-nos a possibilidade de dar continuidade à nossa jornada. Infelizmente, apesar de procurar o Major Correia Lima na sua residência em duas oportunidades, não consegui encontrá-lo para agradecer em meu nome, de minha equipe e do DCEx.

 

Alvorada às 05h00 e partida às 05h40. O deslocamento que fizéramos anteriormente do Tabuleiro Monte Cristo até Itaituba fora extremamente cansativo, por isso, resolvemos partir cedo. Quando o Sol surgiu preguiçosamente na margem Oriental, já tínhamos remado mais de uma hora.

 

Um dia ameno, uma suave brisa refrescava nossos corpos extenuados e, vez por outra, uma nuvem providencial atenuava os causticantes raios solares. Chegamos ao Tabuleiro pouco depois do meio-dia, três horas menos do que levamos, no dia 17, para percorrer a mesma distância no sentido inverso. Embora navegar contra a corrente pudesse justificar essa diferença, temos de considerar que o Tapajós, em virtude da estiagem, pouca ou nenhuma influência tem em relação ao deslocamento Rio acima; o que realmente prejudicou nossa progressão anterior foi o terrível calor e a ausência de ventos e nuvens que amortecessem esses efeitos.

 

Paramos novamente nas instalações do IBAMA (Tabuleiro Monte Cristo). Infelizmente, apenas três tartarugas tinham realizado a postura, não seria desta vez que conseguiríamos apreciar a desova das enormes tartarugas amazônicas (Podocnemis expansa). Estávamos descansando nas confortáveis instalações do “Lar das Tartarugas” quando observamos a “Expedição Tapajós – 2013” de caiaques subindo o Rio. Um grupo de veteranos estrangeiros alemães estava subindo até o Salto São Luís. Espero que não seja mais um grupo de ativistas manifestando-se contra a construção da hidrelétrica de São Luís do Tapajós, que junto com outras quatro faz parte do Complexo Tapajós, tão necessária ao desenvolvimento da região e do país.

 

Amazônica Intocável

 

A polêmica em relação à construção das hidrelé­tricas por parte de manifestantes que defendem que a Amazônia deva permanecer intocável é um sofisma primário que não encontra amparo lógico nem na história da humanidade e muito menos no bom senso.

 

É interessante verificar que todos estes militantes estrangeiros são oriundos de países que cometeram e ainda cometem os maiores desatinos ambientais do planeta e que, em vez de cobrarem de seus próprios governos medidas corretivas em relação à poluição e recuperação de áreas degradadas de seus países, surgem na “terra brasilis” como insanos arautos do apocalipse ambiental, demonizando os brasileiros em geral e os amazônidas em particular.

 

Uma vez indaguei a um deles qual seria então alternativa energética proposta e o astuto germânico prontamente respondeu – energia nuclear. Logicamente o Brasil deveria comprar os equipamentos de sua querida Alemanha que dominava todas as fases desse tipo de geração – legítimos talibãs verdes a soldo e a serviço de grandes corporações.

 

Madrugando no Passado

 

Quantas vezes nós mesmos volvemos os olhos para o distante pretérito em busca das mais gratas recordações. Como seria bom que o tempo parasse, estacionasse em uma das melhores fases de nossas vidas, mas, seria este também o melhor tempo dos outros indivíduos?

 

Lembro quando acompanhava o velho Cassiano, meu saudoso e honorável pai, desde os cinco anos de idade, nas pescarias em açudes de meu querido Rosário do Sul, RS. Era um evento formidável, memorável mesmo, partíamos de caminhão, amigos, parentes, assador (Seu Felipe), duas ovelhas vivas, lenha, barco, tralhas de acampamento e pescaria e uma “velha cambona preta”. A cambona era feita de uma velha lata de óleo com alça de arame e era colocada diretamente no braseiro para aquecer a água do chimarrão.

 

Durante o dia, o pequeno piá Hiram se divertia pescando lambaris com sua tarrafinha que eram usados, mais tarde, no espinhel para pegar as cobiçadas traíras e jundiás. À noite, caçava pirilampos que soltava na barraca fechada transformando-a numa mágica miniatura da abóboda celestial salpicada de pulsantes estrelas cor de esmeralda. Bons momentos, talvez dignos de um congelamento temporal. Lembro, porém, que, na mesma época, a viagem de Porto Alegre a Rosário, no inverno era uma verdadeira odisseia. A estrada de chão esburacada apresentava um obstáculo por vezes intransponível – o temível banhado do Inhatium. Deveríamos ficar reféns eternos do ameaçador estorvo? Rosário era na época abastecido por uma termoelétrica que, quando estava funcionando, fazia as luzes pulsarem e os poucos eletrodomésticos pifarem. Continuaríamos para sempre satisfeitos com este tipo de fornecimento? Parece que não!

 

O problema é que estes problemas nos afetam diretamente. É diferente quando estas dificuldades dizem respeito aos habitantes dos ermos dos sem fim – os amazônidas.

 

É fácil fazer propostas que embarguem o desenvolvimento e tragam mais conforto para estas populações quando não somos diretamente atingidos. Esquecem, porém, os “talibãs verdes” que não existe desenvolvimento sem energia e que não se faz “omelete sem quebrar ovos”. As minas de Juriti e Porto Trombetas precisam de muita energia para transformar a bauxita em alumínio ou será que somos incapazes de alterar nossa destinação histórica subserviente de exportar minério bruto e importar o produto final dos países desenvolvidos?

 

22.10.2013 – Tabuleiro Monte Cristo/Aveiros
 

Resolvemos ir até Aveiros, mais de 72km em linha reta, 76km de percurso, desde o Tabuleiro, e partimos às 05h30. Atingimos Fordlândia às 09h00 e aproamos decididamente rumo a Aveiros. O tempo colaborou até atingirmos a Praia do Tecaçu por volta das 12h40. Daí em diante até nosso destino final, onde aportamos, cansados, às 15h40, o Sol castigou-nos impiedosamente. Em Aveiros, o Marçal foi para sua casa e eu e o Mário nos instalamos em um hotel da cidade com ar-condicionado.

 

A Entrevista

(Felisbelo Sussuarana)

Dez horas... dez e meia... As horas voam

E ela não vem, não vem para a entrevista!

Anseio e fremo, e quanto me contrista

A sua ausência... E as onze, lentas, soam...

 

Do galo, no terreiro, me atordoam

Os repetidos cocoricós, e egoísta

Do meu amor, maldigo esse corista

A remarcar as horas que se escoam.

 

Geme o relógio – doze... Meio-dia!

E ela não vem, mentiu-me... Que ironia! ...

...........................................

 

Escuto: alguém bateu... É o meu amor!

 

Vou tê-la, enfim, rendida, nos meus braços!

E, antegozando os beijos e os abraços,

Descerro a porta... oh! raiva! Era um credor! ...

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·      Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·      Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);

·      Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·      Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·      Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·      Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·      Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·      Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·      Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·      Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·      Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·      Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·      Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·      E-mail: [email protected].

Galeria de Imagens

  • Itaituba, PA
    Itaituba, PA
  • Itaituba, PA
    Itaituba, PA
  • Itaituba, PA
    Itaituba, PA
  • Mineração - Itaituba, PA
    Mineração - Itaituba, PA
  • Mineração - Itaituba, PA
    Mineração - Itaituba, PA
  • Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
    Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
  • Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
    Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
  • Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
    Lar da Tartaruga - Itaituba, PA
  • Brasília Legal, Aveiro, PA
    Brasília Legal, Aveiro, PA
  • Brasília Legal, Aveiro, PA
    Brasília Legal, Aveiro, PA
  • Aveiro, PA
    Aveiro, PA

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCXLI - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XXI  Forte Coimbra – III

A Terceira Margem – Parte CCXLI - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XXI Forte Coimbra – III

Bagé, 18.06.2021 Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XXI Forte Coimbra – III João Severiano da Fonseca (1875)(Continuação) No alto, vi

Terceira Margem – Parte CCXL - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XX  Forte Coimbra – II

Terceira Margem – Parte CCXL - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XX Forte Coimbra – II

Bagé, 17.06.2021 Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XX Forte Coimbra – II Francis de Castelnau (1845) 11.02.1845: Em Cuiabá tínhamos o

A Terceira Margem – Parte CCXXXIX - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon -1ª Parte – XIX  Forte Coimbra – I

A Terceira Margem – Parte CCXXXIX - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon -1ª Parte – XIX Forte Coimbra – I

Bagé, 16.06.2021 Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XIX Forte Coimbra – I Anchieta, Aspilcueta ([1]) e Nóbrega ressurgem unificados n

A Terceira Margem – Parte CCXXXVIII  -  Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XVIII  Forte Olimpo ‒ Forte Coimbra ‒ IV

A Terceira Margem – Parte CCXXXVIII - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XVIII Forte Olimpo ‒ Forte Coimbra ‒ IV

Bagé, 15.06.2021 Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 1ª Parte – XVIII Forte Olimpo ‒ Forte Coimbra ‒ IV SEXTA PARTE – IV CAPÍTULO Fundação do Pres