Porto Velho (RO) domingo, 19 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCLXXII - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 2ª Parte – XI


Anjo da Ventura - Gente de Opinião
Anjo da Ventura

Bagé, 02.08.2021

 

Expedição Centenária Roosevelt-Rondon
2ª Parte – XI

 

Anjo da Ventura – I

 

 

Em 1914, São Luís de Cáceres recebeu a visita do Ex-presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, que participava da Expedição Roosevelt-Rondon. Conta-se que ele ficou encantado com o comércio daqui, pousou ([1]) duas noites lá no “Ao Anjo da Ventura”, da família do Zé Dulce que também era dona do vapor Etrúria. (PINHEIRO JR)

 

Quando passamos por Cáceres, em 2015, uma obra de arte chamou minha atenção, a formosa escultura, de 150 kg de antimônio, que encimava um antigo estabelecimento comercial “Ao Anjo da Ventura” inaugurado na última década do século XVII. Infelizmente o mau estado de conservação e a descaracterização da antiga construção em que se destacava a porta principal, de esquina, em arco ostentando uma artística ferragem, ladeada por duas colunas coroadas com harmoniosos capitéis. As demais portas eram ornadas com arcos em baixo relevo e vidros coloridos fixos na parte superior das portas e vasos sobre as platibandas de balaústres.

 

Relatam os professores Acir Fonseca Montecchi e Inêz Aparecida Deliberaes Montecchi no artigo “Anjo da Ventura: a Cidade e o Espelho”:

 

A escultura batizada pelo nome de “Anjo da Ventura” pelo que as fontes indicam, foi trazida para São Luiz de Cáceres no ano de 1890, por José Dulce. Nascido em 1847, em Gênova na Itália, aos dezenove anos desembarca em Buenos Aires, Argentina, trabalhando inicialmente no comércio, para em seguida iniciar atividade de comerciante ambulante. O advento da Guerra do Paraguai demarcou sua atividade comercial itinerante. Seguindo as tropas em combate, fazendo-se presente nos acampamentos militares, mascateando mercadorias, teve uma rápida passagem por Corumbá, chegando a Vila Maria do Paraguai em 1871, após o término do conflito bélico. Nesta localidade, instalou-se comercialmente, constituiu família, conquistou poder político, acumulou um grande patrimônio e morreu em 1921.

 

Após a Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai, observa-se a presença de imigrantes no controle do capital mercantil no Brasil e na região do Rio da Prata, exercendo forte influência em Mato Grosso. O desenvolvimento capital mercantil está ligado ao desenvolvimento da indústria na Europa, na segunda metade do século XIX, ao desenvolvimento dos transportes e à necessidade de novos mercados consumidores e novas fontes de matérias primas.

 

Aquilo que conhecemos hoje como mercado mundial está, nesse momento, sendo formado. Os comerciantes e suas casas comerciais eram postos de distribuição de mercadorias produzidas pelas indústrias e, simultaneamente, compradores de matéria-prima para a indústria, para a indústria europeia [e americana, mais à frente] que eram a outra ponta do sistema. Em 1871 José Dulce e o também italiano Leopoldo Lívio D’Ambrósio fundam a firma comercial José Dulce & Vilanova, instalando-se na Rua de Baixo, hoje Mal. Deodoro [...].

 

Em 1890, já consolidada, a empresa inaugura a sua sede comercial na confluência da Travessa da Cadeia com a Rua Augusta, hoje, Ruas Comandante Balduíno e Coronel José Dulce, funcionando como agência de crédito e financeira na medida em que era preposto do Banco do Brasil. Após alguns anos de funcionamento da empresa comercial, José Dulce compra a parte de Leopoldo D’Ambrósio, passa a ser o único proprietário do estabelecimento e de outros ramos de atividade produtiva e de transporte de passageiros e cargas. Dentre suas propriedades destacavam-se mais de 70.000, [setenta mil] alqueires de terras na região e o vapor Etrúria, que se tornou um ícone do transporte de passageiros e cargas [...]. É desse cenário que emerge a escultura. Existem fortes indícios de que tenha sido encomendada a um artista italiano ainda, por nós, desconhecido. Uma vez em Cáceres, a obra de arte foi colocada no alto da platibanda de balaústre do imponente prédio neoclássico que abriga a casa comercial identificada pelo nome fantasia “Ao Anjo da Ventura”.

 

Descrição Iconográfica

 

Enquanto motivos, temos nessa escultura uma figura feminina alada, em pé, apoiando o pé esquerdo sobre um globo, com a perna direita levemente flexionada para trás. Em sua mão esquerda, outro objeto esférico tendo como detalhes, estrelas incrustadas. Na mão direita, um cetro ou bastão ornamentado com detalhes cônicos e uma estrela em sua extremidade. Seus cabelos ondulados estão presos, as asas afastadas para trás. Uma túnica drapeada, colada, desenha os contornos do seu corpo que, levantada pelo vento, lhe descobre a perna direita até a altura da coxa o que provoca no observador uma ideia de movimento.

 

A posição da cabeça suavemente levantada em direção ao céu dá a sensação de que a escultura vai alçar voo em direção ao Norte. (MONTECCHI & MONTECCHI)

 

Filmete

 

https://www.youtube.com/watch?v=-ek3beISFFA&t=456s

 

https://www.youtube.com/watch?v=rECpPlEurDI&t=23s

 

 

Bibliografia

 

MAGALHÃES, Amílcar A. Botelho de. Anexo n° 5 – Relatório Apresentado ao Sr. Coronel Cândido Mariano da Silva Rondon – Chefe da Comissão Brasileira – Brasil – Rio de Janeiro, RJ, 1916

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

·     Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·     Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);

·     Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·     Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·     Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·     Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·     Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·     Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·     Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·     Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·     Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·     Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·     Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·     E-mail: [email protected].



[1]   Residência do Tenente Lyra e Sr.ª Thereza Dulce Lyra (filha do José Dulce).

Galeria de Imagens

  • José Dulce e Cia
    José Dulce e Cia
  • Anjo da Ventura
    Anjo da Ventura

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCCIV - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – XII  Os Cinta-Larga I

A Terceira Margem – Parte CCCIV - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – XII Os Cinta-Larga I

Bagé, 17.09.2021  O grupo, originalmente, usava uma larga faixa confeccionada da entrecasca de tauari ([1]) que lhes cingia a cintura e, por isso,

A Terceira Margem – Parte CCCIII - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – XI  Relatos Pretéritos: Navaité – Ponte Ten Marques

A Terceira Margem – Parte CCCIII - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – XI Relatos Pretéritos: Navaité – Ponte Ten Marques

Bagé, 16.09.2021 05.03.1914 - Relata Rondon – 05.03.1914 –Terminada a varação das canoas, na manhã de cinco, prosseguimos a navegação águas abaixo. O

A Terceira Margem – Parte CCCII - Expedição Centenária Roosevelt‒Rondon 3ª Parte – X Navaité – P. Ten Marques (KM 100)

A Terceira Margem – Parte CCCII - Expedição Centenária Roosevelt‒Rondon 3ª Parte – X Navaité – P. Ten Marques (KM 100)

Bagé, 15.09.2021 A Cachoeira (Castro Alves) Mas súbito da noite no arrepioUm mugido soturno rompe as trevas...Titubantes ‒ no álveo do Rio ‒Tremem

A Terceira Margem – Parte CCCI - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – IX  Relatos Pretéritos: Ponte da Comissão ‒ Navaité

A Terceira Margem – Parte CCCI - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – IX Relatos Pretéritos: Ponte da Comissão ‒ Navaité

Bagé, 14.09.2021  02.03.1914 - Relata Roosevelt - 02.03.1914 – O dia foi quase sem chuva. Era delicioso deslizar, com espaçadas remadas, descendo o b