Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCCXXXII - Expedição Centenária Roosevelt-Rondon 3ª Parte – XL Fz Buritizal – Pousada Rio Roosevelt


Cachoeira do Infernão - Gente de Opinião
Cachoeira do Infernão

Bagé, 27.10.2021

 

A Natureza

(Jose Agostinho de Macedo)

Erguendo a fronte aos nautas se descobre

E brinca pelo azul campo espelhado;

E não se espanta com a terrível vista

Do homem, que encerrado em frágil lenho

Ousa afrontar o mar, o vento, a morte;

 

03.11.2014 (segunda) – KM 460 – KM 484

 

Depois de navegarmos, em águas calmas, por uns 06 km surgiram alguns rápidos que foram transpostos pelo canal da esquerda que se estendia ao longo de duas pequenas ilhas (09°13’18,9” S / 60°42’26,3” O), de uns 300 m de comprimento cada uma, conforme nos orientara o amigo Jair. Seis quilômetros adiante, depois de passar por mais alguns rápidos, avistamos a Foz do Igarapé Panelas (09°11’33,4” S / 60°44’35,4” O) e, 2,5 km a jusante, a pequena Comunidade de Panelas onde existe uma balsa. Parei pouco depois do acesso da balsa, à margem direita, e consultei dois ribeirinhos a respeito da trilha apontada pelo Jair para desbordar a Cachoeira Panelas. As informações do Jair eram muito precisas, continuei remando, a cavaleiro da margem direita, contornando uma série de rochedos até encontrar uma pequena Baía onde avistei o velho barco exatamente no local e posição que ele descrevera.

 

A proa da embarcação apontava para uma trilha de uns 300 m que dava acesso a um pequeno porto a jusante da Cachoeira das Panelas, onde fotografei a bela mariposa “Urania leilus” que eu encontrara, pela primeira vez, no Rio Tapajós, depois de realizar minha terceira descida pelos amazônicos caudais. Ao contrário da maioria das mariposas, a “Urania leilus”, tem hábitos diurnos. Conseguimos fazer a “portagem” em pouco mais de duas horas e partimos sabendo que logo à frente enfrentaríamos um novo labirinto formado por diversas ilhas e inúmeros rochedos e onde a largura do Rio ultrapassava os 500 metros.

 

A imagem do Google Earth estava encoberta por nuvens e tive de usar minha experiência e bom senso para escolher os canais mais adequados para a descida. Estes caminhos mais seguros eram sempre os mais longos, a cada bifurcação eu analisava a cota dos canais à minha frente e optava, invariavelmente, pela mais baixa que, logicamente, não tinha ou pelo menos deveria apresentar menos obstáculos a reter as águas do Rio. Agindo dessa maneira evitamos maiores sobressaltos e chegamos até um ponto onde estes diversos canais convergiam para um único com uma largura de aproximadamente 200 metros e onde as águas estavam mais serenas. Fizemos uma parada em um pedral à margem esquerda e por volta das 15h00, depois de percorrer 24 km indiquei aos meus amigos uma casa abandonada (AC12 ‒ 09°08’04,8” S / 60°41’42,8” O) onde poderíamos pernoitar com certo conforto, o único inconveniente era a altura do barranco. Fiz contato com o Sr. Arão, um seringueiro aposentado, que morava numa pequena casa nos fundos da casa grande, e ele concordou que ali pernoitássemos.

 

Segundo ele, o dono da propriedade, que a usava apenas para pescar com os familiares, falecera em um desastre aéreo. O Sr. Arão, a pedido do Dr. Marc, esquentou a água para preparar as rações. O pequeno seringueiro jantou conosco mas não apreciou o sabor da comida importada.

 

04.11.2014 (terça) – KM 484 – KM 509

 

Desmontamos o acampamento e parti antes de meus amigos avisando que esperaria por eles quando encontrasse algum obstáculo e caso isso não acontecesse eu os aguardaria na Ilha do Cotovelo (08°59’55,3” S / 60°43’57,9” O) que estava localizada a uns 18 km da residência do Sr. Arão. Remei forte e a uns 3 km da referida Ilha contatei alguns ribeirinhos (09°00’39,7” S / 60°42’55,6” O) solicitando a eles que informassem aos “Camaradas” que os aguardaria na Ilha do Cotovelo onde cheguei por volta das 10h00.

 

As únicas formações rochosas desde o AC12 ficavam a pouco mais de um quilometro da Ilha e não ofereciam qualquer tipo de dificuldade. Ao chegar na Ilha espantei, sem querer um pequeno jacaré que dormitava tranquilamente nas pedras da Ilha. Aqui como nas demais ilhas pedregosas do Roosevelt encontrei diversos arbustos de Camu-camu ([1]). Eu não sabia se seus frutos eram ou não comestíveis.

 

Só alguns dias mais tarde quando elas já começavam a rarear é que fiquei sabendo, pelo Kleber (Cachoeira Carapanã), de que eram os tão cobiçados frutos ricos em vitamina C. Eu arriscara provar apenas um deles tendo em vista que as frutas maduras não apresentavam bicadas de pássaros e as caídas no chão não tinham sido comidas por pequenos mamíferos. Dizem os especialistas que 90% do que os animais comem também pode ser consumido pelos seres humanos. A bela fruta de um roxo intenso e sabor levemente ácido mas agradável não era “CAL” ‒ Cabeluda, Amarga ou Leitosa. No Curso de Operações na Selva, do CIGS, haviam-nos ensinado que se uma fruta apresentasse essas três características não se deveria comê-la embora a existência de apenas uma ou duas dessas características não a tornasse, necessariamente, imprópria ao consumo.

 

Aguardei até o Dr. Marc aparecer e como as antigas fotos da Ilha eram muito diferentes da aparência que ela tinha hoje resolvi explorar sua ponta de jusante que a foto do Google Earth mostrava estar coberta pela mata mas que segundo as leis da hidrodinâmica poderíamos encontrar um banco de areia onde seria possível aportar e nos refrescar dentro d’água à sombra das árvores. Assim que iniciamos a descida surgiram os “Camaradas” logo a montante da Ilha. Aguardamos a dupla na ponta de jusante um bom tempo e como eles não aparecessem deduzimos que tinham aportado na Ilha. Descemos lentamente e estacionamos na margem direita do Rio ainda aguardando os “Camaradas”. O Dr. Marc, enquanto isso, aproveitou para contatar o pessoal de terra, através do telefone satelital, repassando nossa posição atual.

 

Finalmente apareceram os “Camaradas”, o Jeffrey tinha aproveitado para realizar algumas filmagens desde a Ilha do Cotovelo e por isso tinham demorado tanto.

Relata o Cel Angonese:

 

Nós encontramos uma montaria [embarcação a remo construída de um tronco de árvore] com uma senhora, uma criança de colo mais 4 crianças. Moravam nas imediações da Ilha do Cotovelo. O chefe da família, Sr. Francisco, era um dos últimos que continuavam com a antiga profissão de seringueiro. Todo dia partia em sua trilha percorrendo seu seringal colhendo o látex daquelas árvores que renderam tantas divisas ao Brasil e que agora tão poucos se dedicam a esse trabalho. A técnica de preparo foi aperfeiçoada dos antepassados. Antigamente a “pela” era preparada na fumaça de um fogo lento. Agora o látex é colocado em um recipiente e endurecida com coalho. O seringueiro do Rio Roosevelt está vendendo seu produto a R$ 4,50 o kg do látex.

 

Recordemos brevemente, já que discorremos exaustivamente sobre o tema no Livro “Descendo o Juruá”, o processo de preparação da “pela”.

 

Preparação da “Pela”

 

Antigamente para colher a goma, cingia-se a árvore com um cipó que envolvia o tronco obliquamente a um metro e setenta do solo até o chão onde era colocado um pote de argila. Eram, então, feitos diversos cortes na casca acima do cipó que aparava a seiva e a conduzia até o pote.

 

Este processo de sangria exagerada, conhecida como “arrocho”, acabava matando a árvore e foi abandonado há muito tempo. Com o passar dos anos o método tornou-se mais racional visando preservar a integridade da “árvore da vida”. O seringueiro parte, de seu tapiri, a cada dois ou três dias, de madrugada, carregando todos os seus apetrechos pela “estrada”.

 

Este intervalo, antigamente desrespeitado, permite à árvore se recuperar da última sangria. O seringueiro para, em cada seringueira, e parte para a extração da seringa que é feita através de pequenas incisões de 25 a 30 cm descendentes e paralelas na casca da planta, que começam a uma altura de aproxi­madamente 2 m acima do solo. Une depois, cada uma das extremidades inferiores dos cortes através de um corte vertical para que o látex escorra por ele para a cuia. A cuia é embutida na casca cortada com essa finalidade ou mediante o emprego de argila. Os cortes são feitos, normalmente até as 11h00, em todas as árvores da “estrada”, exceto nos meses de agosto e setembro época da floração. Por volta do meio-dia ele começa a recolher as cuias despejando o látex coagulado em um balde ou em um saco “encauchado” ([2]). À tarde, por volta das 14h00, volta para o rancho, almoça e dá início à defumação do material recolhido que leva umas duas horas para ficar pronto. O fogo é feito debaixo da terra para que a fumaça saia por um furo ao nível do chão. A melhor fumaça é a de coco de babaçu, mas, no Rio Purus usava-se para esta operação os frutos da palmeira urucuri; no Rio Autaz os da palmeira iuauaçu e no Rio Jaú e onde estas palmeiras são mais raras utiliza­vam-se madeiras como a carapanaúba e a paracuúba.

 

A bola de borracha (“pela”) é rodada em volta de uma vara de aproximadamente um metro e meio de comprimento chamada “cavador”. Para iniciar a bola enrola-se na vara um “tarugo” de goma coagulada no qual o leite gruda facilmente. O seringueiro vai despejando o leite com uma cuia ou uma grande colher de pau, ao mesmo tempo em que gira o “cavador”, a parte líquida se evapora imediatamente, e forma-se uma fina camada de goma elástica, e a bola vai engrossando, cada dia um pouco mais. Uma “pela” pronta, depois de vários dias, pesa em média de 50 quilos, é, então, exposta ao sol, quando toma a coloração escura e assim permanece até ser comercializada.

 

Látex “in natura”

 

Os seringueiros transferem o látex coletado para “bombonas”, que serão enviadas para a fábrica, estes recipientes contêm hidróxido de amônia, composto altamente tóxico, que preserva o leite, durante alguns dias. Caso o látex seja conservado “in natura” por muito tempo depois de extraído o produto coalha tornando-se inaproveitável tanto para a produção fabril como a artesanal.

Pouco mais de um quilômetro depois da Ilha do Cotovelo o Rio faz uma curva abrupta à direita permitindo com isso que ali se forme um belo banco de areia onde estavam pousadas diversas Talha-mares ([3]).

 

Estávamos em pleno Parque Estadual Guariba e daqui em diante o mapa não mostrava nenhuma casa ou clareira onde pudéssemos acampar sem que fosse necessária uma derrubada de mata. A última parada possível estava situada logo adiante e que acabamos verificando se tratar de um Sítio abandonado (AC13 ‒ 08°59’58,1” S / 60°46’01,5” O) no alto de um barranco.

 

O Jeffrey não entendeu porque estávamos parando tão cedo depois de ter navegado apenas 25 km desde o Sítio do Sr. Arão e o Dr. Marc encarregou-se de fazer as devidas explicações. À noite o Angonese pescou um belo espécime de pirarara e algumas piranhas e o Dr. Marc aproveitou para medir a força da mordida das temíveis predadoras.

 

05.11.2014 (quarta-feira) – KM 509 – KM 544

 

Parti cedo informando meus parceiros que tentaria achar um acampamento próximo à Foz do Igarapé São Liberato, localizado no Estado do Amazonas, à uns 05 km da Fronteira Estadual entre o MT e o AM. Eles deveriam preparar-se para navegar no mínimo 35 km compensando o curto percurso do dia anterior. Eu esperava encontrar na Foz do Liberato um banco de areia propício à montagem do acampamento tendo em vista o processo natural de assoreamento provocado por um afluente na sua Foz. O vazio demográfico impressionava, não havia viva alma por aquelas bandas. Os barrancos e a vegetação densa não mostravam nenhum lugar propício a um acampamento. Passei pela Foz de um Igarapé onde havia uma mesa na barranca, aproximei-me do local e avistei as instalações de um acampamento de pescadores dentro do Parque Estadual Guariba.

 

A partir das 12h30, antes mesmo de avistar a Foz do Igarapé São Liberato (AC14 ‒ 08°45’08” S / 60°50’44,9” O), eu ziguezagueava de uma margem à outra tentando, infrutiferamente, achar um local adequado para nosso acampamento. Finalmente aproei, por volta das 13h30, para a almejada Foz esperando ali encontrar as condições adequadas para nossa estadia. Ao aproximar-me avistei um banco de areia quase ao nível d’água, arvorei remo, e ergui os olhos para os céus agradecendo ao Senhor de todos os Exércitos a bela visão.

 

O idílico momento durou muito pouco pois ao volver novamente os olhos para a terra dei de cara com a cabeça de um enorme jacaré-açu que pescava despreocupadamente piraputangas na Boca do belo Igarapé de águas pretas. A cabeça do enorme réptil tinha uns 70 cm, e o animal ultrapassava seguramente os 5,5 metros. Com um movimento muito rápido o gigantesco sauro lançou-se às águas do Rio Roosevelt e desapareceu num piscar de olhos, não sei quem se assustou mais com a presença do outro se eu ou o colossal jacaré, que o Jeffrey teima em chamar de aligátor. Foi o único animal deste porte avistado pela equipe em todo o Roosevelt, os demais eram pequenos e não chegavam aos dois metros de comprimento. Na minha descida pelo Rio Solimões, ao passar pela RDS Mamirauá observei e fotografei grande quantidade destes sauros gigantescos e muito gordos que ultrapassavam os seis metros, felizmente era uma área pródiga em recursos naturais e eles raramente atacavam os seres humanos. Felizmente nosso amigo não deu mais as caras e conseguimos montar acampamento e descansar sem grandes preocupações.

 

Quando a equipe chegou eu já tinha limpado a área, montado a barraca e preparado o local do fogo. O Cel Angonese havia pescado dois belos tucunarés mas, infelizmente, descuidou-se por um momento e uma piranha cortou-lhe o dedo, o Dr. Marc preparou-lhe um curativo bem apertado. Montei a barraca do amigo com o objetivo de poupar-lhe a mão sequelada e à noite degustamos os tucunarés assados. Assim relata o Angonese sua desdita:

 

Mordida da piranha: Neste dia o calor estava muito elevado e depois de várias remadas os nossos cantis individuais estavam precisando de reposição. Cada integrante da Expedição portava dois cantis com capacidade de 1 litro d’água ao qual depois de cheio com a água do Rio adicionávamos um comprimido de Clorin [comprimido de cloro]. Após 1 hora a água ficava própria para o consumo. Ao avistar um Igarapé na margem direita do Rio Roosevelt (08°47’37,2” S /60°50’59,8” O) eu e Jeffrey decidimos aportar para recompletar nossos cantis e fazer uma parada para descanso. A água do Igarapé, por percorrer sempre as sombras da floresta primária é muito mais fresca que a do Rio aberto. Junto conosco também aportou o Dr. Marc e enquanto eu enchia os cantis e colocava o Clorin, Jeffrey indicou onde havia visto um salto de um peixe de grande porte.

 

Já pensando no jantar da equipe preparei a carretilha com isca artificial de meia água e de primeira pesquei um Tucunaré de médio porte. De vereda pesquei vários tucunarés que foram soltos ficando com dois para nosso jantar. No último arremesso veio fisgada uma piranha prateada de 20 cm que quando suspensa pela isca se debateu vindo a soltar-se e mordendo meu dedo indicador da mão direita. O corte foi profundo circundando metade do dedo com grande sangramento.

 

A hemorragia foi estancada com papel higiênico. Com meu Kit de primeiros socorros o Dr. Marc fez um bom curativo. Jeffrey aproveitou para filmar e fotografar o ataque da piranha da Amazônia. Mesmo com o dedo latejando tive que remar até nosso local de acampamento, a Foz do Igarapé São Liberato, onde o Coronel Hiram nos aguardava. Por estar ferido na mão direita, a equipe teve que trabalhar na montagem do acampamento com menos um integrante. Os três montaram o abrigo para o fogo, Coronel Hiram roçou a área, montou minha barraca e limpou os dois tucunarés, Jefrey juntou lenha e Marc fez fogo. Fiz questão de assar nosso jantar que foi consumido acompanhado de farinha. Os peixes eram sempre assados com cabeça, a pedido do Coronel Hiram que as saboreava deixando apenas os ossos. Minha preocupação era a inflamação do ferimento devido a umidade e de sempre ter que fazer uso da mão para os trabalhos o que dificultava a cicatrização. Fazia dois curativos por dia sempre colocando a pomada Nebacetim o que ajudou muito na cicatrização. Ao final da Expedição o dedo estava totalmente curado.

 

06.11.2014 (quinta-feira) – KM 544 – KM 586

 

Este seria o dia mais longo de todos, teríamos de navegar 42 km até a famosa Pousada “Pousada Rio Roosevelt”. Não havia obstáculos pelo caminho e as águas eram mais rápidas, por isso, adiantei-me para providenciar apoio para a “portagem” mecanizada na Cachoeira do Infernão evitando, quem sabe, o exaustivo carregamento do material por uma trilha de mais de um quilometro. Próximo ao nosso acampamento, à margem esquerda, passei por um confortável acampamento de apoio da Pousada Rio Roosevelt infestado por macacos que empoleirados numa enorme mangueira devoravam as frutas freneticamente. 

 

Chegando no Infernão, aportei numa balsa próxima ao campo de pouso da pousada, e segui por uma bela e longa trilha até chegar à Pousada Rio Roosevelt. Contatei os funcionários com o intuito de conseguir, além da “portagem”, o pernoite e um jantar. Rapidamente resolvemos o assunto que era mais pre­mente que era o da transposição – um trator tracionando um reboque foi deslocado para montante da Cachoeira onde ficamos aguardando os parceiros chegarem. Depois de duas horas de espera nossos novos amigos, cansados de esperar, foram com uma voadeira ver por onde eles andavam e os encontraram ainda a montante do Rio Madeirinha. Foi uma espera de mais de três horas e meia. Quando chegaram, embarcamos o material e enquanto o trator se deslocava pela trilha externa fomos pela interna destinada aos pedestres. Os companheiros ficaram radiantes ao avistarem as luxuosas instalações, infelizmente a diária individual de R$ 400,00 por apenas um pernoite compeliu-nos a montar as barracas na praia. Depois de um banho fomos convidados para jantar. O Angonese pescou uma enorme bicuda (Boulengerella maculata).

 

 

20.04.1914

‒ Relata Roosevelt ‒

 

20.04.1914 – Paramos na primeira casa de comercio e compramos, é claro que por alto preço, fumo e açúcar para os Camaradas que, aproveitando a abundância, comiam em excesso, e os casos de doenças se tornaram mais frequentes que nunca. Na canoa de Cherrie, só ele e o piloto podiam remar forte e seguidamente. O sortimento do comerciante era muito reduzido, era só o que restava do sortimento comprado havia um ano, pois os grandes batelões ainda não chegavam a tais alturas, Rio acima.

 

Esperávamos encontrá-los abaixo da corredeira do “Inferno”, que vinha a seguir. O comprador de borracha leva seu fornecimento anual de mercadorias num batelão, partindo em fevereiro e atingindo o curso mais alto do Rio em princípios de maio, quando finda a época das chuvas. Os grupos de seringueiros são então abastecidos, e os moradores fixos adquirem o que necessitam e mais as coisas supérfluas de seu agrado. A safra de castanha do Pará tinha falhado aquele ano no Rio, coisa séria para todos os desbravadores do Sertão. Neste dia, fizemos a mais extensa jornada de todas: 52 km. Lyra tomou a altura de nosso acampamento, que era de 08°49’ S.

Naquele lugar, o Rio, belo e majestoso, media 300 m de largura. Ficamos numa casa abandonada. Os vestígios deixados pela enchente indicavam que as águas haviam subido, havia apenas dois meses, até inundar a parte mais baixa da casa. A diferença de nível das águas da época das cheias para a da estiagem é extraordinária. (ROOSEVELT)

 

‒ Relata Roosevelt ‒

 

20.04.1914 – Tivemos, hoje, uma jornada muito satisfatória e só uma ou duas vezes o Rio apresentou leves ondulações nos Rápidos. Nos Rápidos Panela, conseguimos comprar algumas bananas, cana-de-açúcar, muitos limões, mandioca, duas ou três galinhas e um pato. Perto das 12h00, chegamos a uma loja onde compramos leite condensado, açúcar, arroz e tabaco. Temos agora, em abundância, todos os alimentos necessários. Nosso progresso, hoje, foi maior do que esperávamos, na verdade, o melhor que já fizemos ‒ 52 km. O Tenente Lyra fez algumas observações astrais para Latitude – 08°49’S. Estamos exatamente na linha de fronteira entre os estados do Amazonas e Mato Grosso. [...] (CHERRIE)

 

21.04.1914

‒ Relata Rondon ‒

 

21.04.1914 – No dia 21 partimos do Barracão do Sr. Benevenuto e passamos pela antiga Barraca do Bagaço, lugar aproximado do paralelo de 08°48’, por onde corre a linha divisória de Mato Grosso e Amazonas, idealmente traçada de Santo Antônio do Madeira à nascente do Uraguatás, afluente do Tapajós. Prosseguindo a viagem, às 16h00, avistamos, pela margem esquerda, a Foz do Madeirinha, outro afluente do Rio Roosevelt, situado a 519.875 metros da Linha Telegráfica. No ponto em que o vimos, tem esse tributário a largura de 80 m, e as suas águas, na estação chuvosa, podem ser navegadas por canoas até as mais altas cachoeiras. Nele há vários estabelecimentos de seringueiros, e os índios que o habitam, os Urumis, são de índole branda, e aceitam o convívio dos civilizados. Um pouco abaixo da Barra do Madeirinha existe a cachoeira chamada do Infernão, formada por um afloramento de granito. Aí as canoas precisam ser esvaziadas e as cargas transportadas por terra. Para facilitar esse trabalho existe na parte superior da cachoeira um Barracão, cujo administrador foi soldado do exército. [...] As nossas observações acusaram para a latitude o valor de 08°29’27,4” e para a longitude, a O. do Rio, o de 17°29’39”. [...] Pernoitamos no estabelecimento do Infernão, a 523.325 ([4]) metros do Passo da Linha Telegráfica, visto não ter sido possível varar as canoas nessa mesma tarde. (RONDON)

 

‒ Relata Roosevelt ‒

 

21.04.1914 – Neste dia, fizemos outro bom avanço, chegando à corredeira do “Infernão” [...] Antes de chegarmos àqueles Rápidos, havíamos parado numa ampla e aprazível casa coberta de folhas de coqueiro, onde conseguimos uma canoa bastante grande e espaçosa, e leve de manejar, deixando ali nossas duas canoas menores. Acima da corredeira, entrava pela esquerda um Rio pequeno, o Madeirinha ([5]). Os Rápidos venciam uma diferença de nível de mais de dez metros e as águas precipitavam-se bravias. Se fôssemos os primeiros a afrontá-las, sem dúvida, perderíamos muitos dias para achar uma passagem, e quantos perigos e fadigas não passaríamos para fazer descer as canoas. Mas já não éramos pioneiros exploradores de terras desconhecidas. Era fácil andar por onde outros já definiram o caminho. Tínhamos como guia um homem prático, e as cargas foram baldeadas por um caminho de três quartos de quilômetro; quanto às canoas, foram descidas por canais conhecidos, na manhã seguinte. Na base da corredeira, havia uma grande casa com um negócio, mas, acampados acima, estavam alguns seringueiros à espera dos grandes barcos dos “aviadores” seus chefes, para os conduzirem para cima. Era um grupo de aventureiros audazes, que levavam uma vida penosa, cheia de perigos e trabalhos, e em que de contínuo se defrontavam com a morte – e que também pouco valor davam à vida dos outros. Não era pois de admirar que, por vezes, surgissem conflitos com tribos de índios inteiramente bravios com que entravam em contato, embora também eles tivessem no sangue boa dose de sangue indígena. (ROOSEVELT)

 

‒ Relata Cherrie ‒

 

21.04.1914 – Tivemos outro bom dia de navegação e esta noite estamos acampados a jusante dos Rápidos “Infernão”. Nossa carga foi toda levada para baixo, mas as canoas irão somente amanhã. Este é um dos mais perigosos Rápidos encontrados aqui nos trechos inferiores do Rio. A cerca de uma hora acima do “Infernão”, trocamos as duas das canoas que nos serviram tão bem por um barco maior. Uma das canoas tinha sido uma das últimas fabricadas e a outra era ainda do lote original. Agora permanecemos apenas com uma das “balsas” que pertencia ao lote original. O Cel Roosevelt está muito bem e sua perna melhorou consideravelmente; mas ele ainda é um homem bastante doente. Ele come muito pouco, emagreceu tanto que suas roupas mais parecem sacos penduradas nele. Kermit e eu compramos, na lojinha daqui, uma garrafa de vermute italiano. Custou 10.000 Réis. Mas o preço valeu a pena! Este ponto já foi visitado por outro engenheiro brasileiro ([6]) que determinou ser sua Latitude 08°19’ S. (CHERRIE)

 

 

Filmete

 

https://www.youtube.com/watch?v=OQcTRq9sYnY&list=UU49F5L3_hKG3sQKok5SYEeA&index=31

 

Bibliografia

 

CHERRIE, George Kruck. Dark trails: Adventures of a Naturalist ‒ USA ‒ New York ‒ G. P. Putnam’s Sons, 1930.

 

RONDON, Cândido Mariano da Silva. Conferências Realizadas nos dias 5, 7 e 9 de Outubro de 1915 pelo Sr. Coronel Cândido Mariano da Silva Rondon no Teatro Phenix do Rio de Janeiro Sobre os Trabalhos da Expedição Roosevelt‒Rondon e da Comissão Telegráfica ‒ Brasil ‒ Rio de Janeiro, RJ – Tipografia do Jornal do Comércio, de Rodrigues & C., 1916.

 

ROOSEVELT, Theodore. Nas Selvas do Brasil ‒ Brasil ‒ São Paulo, SP ‒ Livraria Itatiaia Editora Ltda ‒ Editora da Universidade de São Paulo, 1976.

 

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·     Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·     Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) (2000 a 2012);

·     Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·     Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·     Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·     Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·     Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·     Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·     Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·     Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·     Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·     Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·     Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·     E-mail: [email protected].



[1]   Camu-camu (Myrciaria dúbia): arbusto também conhecido como caçari ou araçá encontrado na Amazônia às margens dos Rios e Lagos. A planta pode permanecer submersa de 4 a 5 meses e frutifica, nestes locais, no período que vai de novembro a março. Na terra firme, a floração pode ocorrer durante o ano inteiro. Os frutos são esféricos de 01 a 03 cm de diâmetro, de coloração arroxeada. Pesquisas deter­minaram que o camu-camu possui 20 vezes mais vitamina C (ácido ascórbico) do que a acerola.

[2]   Encauchado: impermeabilizado com látex.

[3]   Talha-mar: conhecido também como Corta-água, Corta-mar, Bico-rasteiro, Gaivota-de-bico-tesoura ou ainda Paaguaçu. A Talha-mar voa rasante à água e com a parte inferior do bico (bem maior que a parte superior) mergulhada com o objetivo de capturar pequenos peixes e crustáceos que nadam próximos à superfície.

[4]   Segundo nossas medições 586 km.

[5]   Madeirinha: Foz – 08°31’05” S / 60°57’25” O.

[6]   Ignacio Moerbeck.

Galeria de Imagens

  • Sítio abandonado
    Sítio abandonado
  • Acampamento de Pescadores dentro do Parque
    Acampamento de Pescadores dentro do Parque
  • AC de Apoio da Pousada Lodge Roosevel
    AC de Apoio da Pousada Lodge Roosevel
  • Roosevel River Lodge
    Roosevel River Lodge
  • Sítio abandonado
    Sítio abandonado
  • Cachoeira do Infernão (08°29’39”S - 60°57’44”O)
    Cachoeira do Infernão (08°29’39”S - 60°57’44”O)
  • Mapa 2ª Fase (MT)
    Mapa 2ª Fase (MT)
  • Mapa 3ª Fase (MT)
    Mapa 3ª Fase (MT)

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte CCCLVIII - Epopeia Acreana 1ª Parte - X  Mangabeira por Almachio Diniz - III

A Terceira Margem – Parte CCCLVIII - Epopeia Acreana 1ª Parte - X Mangabeira por Almachio Diniz - III

Bagé, 02.12.2021  As grandezas do nosso Brasil, não foram vistas pelo poeta de “Tragédia Épica”, pelo seu lado estático, de formas radiantes de uma n

A Terceira Margem – Parte CCCLVII - Epopeia Acreana 1ª Parte - IX  Mangabeira por Almachio Diniz - II

A Terceira Margem – Parte CCCLVII - Epopeia Acreana 1ª Parte - IX Mangabeira por Almachio Diniz - II

Bagé, 01.12.2021 Ao seu tempo, quando o artista tinha olhos para ver e sentimento para compreender o desabrochamento da alma naquele corpo de mulher,

A Terceira Margem – Parte CCCLVI - Epopeia Acreana 1ª Parte - VIII  Mangabeira por Almachio Diniz - I

A Terceira Margem – Parte CCCLVI - Epopeia Acreana 1ª Parte - VIII Mangabeira por Almachio Diniz - I

Bagé, 30.11.2021  Francisco Mangabeira, por certo, não nasce simplesmente, no dia em que seus olhos para a vida se abrem, mas, fundamentalmente, naq

A Terceira Margem – Parte CCCLV - Epopeia Acreana 1ª Parte - VII  Mangabeira por Múcio Teixeira - III

A Terceira Margem – Parte CCCLV - Epopeia Acreana 1ª Parte - VII Mangabeira por Múcio Teixeira - III

Bagé, 29.11.2021   Cidade do Rio, n° 64 ‒ Rio de Janeiro, RJSexta-feira, 10.