Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Henrique Nascimento

A insegurança e a assombração



Vi o debate entre os candidatos a presidente da República, na Rede Bandeirantes, no domingo passado.

Creio ser irrelevante se os institutos de pesquisas apontem ou não  Alckmin ou  Lula,  quem tenha vencido o primeiro debate.

Já para o telespectador, penso que sim, o que importa mesmo foi  a imagem que ficou – se o leitor  preferir a visibilidade, tudo bem, dá no mesmo -  seja ele/ela  lulista ou alckmista.

Agora, com alguma certeza, minha certeza, embora tenha muitas dúvidas, minhas dúvidas, pois não sou alienado político  e nem medíocre, a imagem do candidato Lula que ficou é idêntica a do presidente Lula num único e televisivamente  visível aspecto: a insegurança.

Falo com a isenção de quem votou na senadora Heloisa Helena.  Daí a pergunta que não quer calar: o que terá  motivado tamanha  insegurança?

Tenho lido que tanto Lula quanto Dirceu são animais políticos. Se fosse assim, a arrogância real e televisiva do ex-ministro seria instintiva, certo? Ocorre que instinto por instinto ambos provavelmente têm,  como animais políticos.

Não faz sentido dizer-se que só o segundo tem curso superior, por que não cola. O saber arrogante é demonstração de pouco saber. E presidente da República, com ou sem diploma universitário, necessariamente  não precisa ser arrogante, mesmo que fosse por conta do instinto do  "animal político", ou o que isto queira significar politicamente, e que escapa ao cronista.

Ora, dirá o (e)leitor de Lula: ele ganhou o debate e não foi arrogante. Enquanto o (e)leitor de Alckmin, dirá o contrário.

Torcida por  torcida o presidente Lula, que sempre usa metáforas futebolísticas, um viés   característico da sua cultura, estava mais para, naquele domingo,  o expectador de um jogo do Corinthians x  Palmeira, do que transpareceu da sua  insegurança ou receio (de um torcedor corinthiano) naquele debate.

Sucede que, uma certeza  a torcida de ambos os times teve, porque viram,  ouviram e tiveram que engolir: o candidato Alckmin chamou de mentiroso, várias vezes, o candidato/presidente Lula. E isso é muito grave. Ademais de que, ao negar, sua  resposta  corporal foi congruente com sua visível demonstração de insegurança. E pior, não conseguiu convencer a torcida, leia-se, o telespectador.

Claro que os estudiosos da linguagem não-verbal hão de concordar com este escriba: o candidato Lula passou para o geral da população, e de modo particular para a generalidade dos especialistas na leitura dela,  muito do que ele disse e disse que não-disse,  através da leitura corporal da linguagem  não-verbal dele. 

Discordo de quem reiteradas vezes tem chamado o candidato Alckmin (médico anestesista, ex-vereador, ex-prefeito, ex-deputado estadual, ex-deputado federal, ex-vice-governador e ex-governador) de "picolé de chuchu". Alguém, desrespeitosa e preconceituadamente,  que tem, também, minha veemente discordância, se atreveria chamar o outro candidato de "picolé de cachaça"?

Li, e não me contive de rir e mais ainda de refletir, crônica do jornalista Clóvis Rossi, da Folha, cujo título é: A assombração. Transcreverei para o (e)leitor, caso ainda não tenha tido tempo de ler, alguns trechos, ou para que sorria também, ou para sua reflexão, o que penso seja mesmo o melhor.

"Aconteceu domingo com Luiz Inácio Lula da Silva ante um Geraldo Alckmin subitamente transformado de "picolé de chuchu" em atirador de facas".

E, no período seguinte: "O debate da Band serviu para demonstrar, uma vez mais, que, apertado, Lula entrega os companheiros sem a menor cerimônia para tentar livrar-se do fantasma que persegue o seu governo e o seu partido. Já havia ocorrido em entrevistas a William Bonner/Fátima Bernardes e, antes, a Pedro Bial, todos da Globo".

Para finalizar, mais este, em resposta à pergunta do jornalista Franklin Martins,  que estava presente ao debate: "(...) Se Lula não sabe das coisas, quem pode garantir que, no futuro, não se repitam os crimes cometidos (e confessados) às costas do presidente? Pior: quem pode garantir que neste exato minuto algum "aloprado", como diz Lula, não esteja tramando algum novo trambique em alguma sala do próprio Palácio do Planalto?".

Em tempo:  Como não anulo ou voto em branco, filiado que sou ao PSB, declaro aqui (como já o fizera em crônica anterior) que irei votar para presidente no experiente homem público, o ex-governador Geraldo Alckmin.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Henrique Nascimento

Senadora Heloisa Helena: competência, coragem, determinação

Senadora Heloisa Helena: competência, coragem, determinação

O ano de 2006 está chegando próximo do seu final.  O dia 13 de dezembro, o mesmo número que supersticiosos infundadamente receiam e que outros confian

A Praça e a iluminação natalina

A Praça e a iluminação natalina

Volto ainda uma vez ao tema: observador que sou, minimamente privilegiado, da praça que é do povo. Antes do elogiável trabalho de sua recuperação, pel

Muito mais vida, eterna diva!

Muito mais vida, eterna diva!

Aos 84 anos, ainda repleta de vitalidade, com seu raro talento e sua singular formosura (uma vez, em entrevista, ela disse, sempre bem humorada, intel

Ortotánasia

  A singular Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovada por unanimidade dos conselheiros, no dia 09 de novembro pp, que autoriza ao médi