Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Henrique Nascimento

A Praça e a iluminação natalina



Volto ainda uma vez ao tema: observador que sou, minimamente privilegiado, da praça que é do povo. Antes do elogiável trabalho de sua recuperação, pelo  atual prefeito, ela ainda não havia despertado tanta e tamanha admiração, curiosidade e visitas.  

Arrisco-me até a dizer que nenhum outro administrador municipal dedicou-se mais a ela, como agora, cobrindo-a de milhares de lâmpadas que a iluminarão logo mais à noite: os três tanques metálicos, quase centenários, que já foram reservatórios de água, as  velhas árvores e as novas palmeiras, que vieram com a chamada revitalização da praça das Três Caixas D'água.

Embora, aquele painel em acrílico (como já havia mencionado aqui em crônica anterior), sustentado por dois postes de ferro pintados de preto, ao que parece, pelo rodar da carruagem, não é mesmo necessário, como meio de a população informar-se da sua história.

Não importa. Aí estão, à disposição dos curiosos, estudantes, professores e da população em geral, os importantes livros dos historiadores (em ordem alfabética): Abnael Machado,  Esron  Meneses, Francisco Matias, entre outros.

Ontem, depois do consultório, avistei trabalhadores da Ceron colocando lâmpadas nas árvores, substituindo as lâmpadas queimadas nas luminárias dos postes, e nas três caixas d'água. Chamou-me a atenção um homem que estava  sentado lá no alto de uma delas, a do meio.  Ele estava sentado no topo, a tampa convexa que cobre o imenso cilindro.

Desconheço que altura têm as imponentes caixas d'águas. Como já tenho visto, algumas vezes, pessoas  corajosas e treinadas praticam rapel, este esporte que é uma técnica, ou vice-versa. Mas, se lançam de um terraço alguns metros abaixo do topo.

Foi então que, movido por curiosidade, sentei-me em dos bancos da praça e passei a observar o destemido e treinado trabalhador da Ceron. Como estivesse caindo preocupante chuva fina, aumentando assim o risco para a descida dele, entreguei-me a rezar por ele pedindo por  sua proteção.

Passados alguns minutos, com muito cuidado ele iniciou a descer. Foi então que, quando ele se posicionou na beirada da tampa,  o vi  fazer o sinal da cruz. Confesso, que, só de vê-lo naquela situação, senti muito medo...

Felizmente o corajoso trabalhador alcançou o solo, para alívio dele, pela tarefa terminada, e, também meu. Decidi-me, então, ir até ele, em reconhecimento do seu arriscado trabalho, dizer-lhe que o tinha visto benzer-se, que orei por ele e, gostaria de saber o seu nome.

Sebastião é o nome do nosso herói. E ao perguntar-lhe por que se benzeu com o sinal da cruz, respondeu-me que foi para pedir proteção. Disse-lhe em seguida que também havia orado por ele.

A ele, o Sebastião, e à sua família,  quero desejar sinceros votos de um Feliz Natal! E, também, de um venturoso Ano Novo! Que se lembre,  sempre, descendo ou subindo,  de fazer o sinal da cruz. E, que a Ceron possibilite ao seu pessoal de campo, os cuidados de  renovar os necessários treinamentos para este mister.

 

Fonte: (Dr. Henrique Nascimento)h.nascimentomed@uol.com.br

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Henrique Nascimento

Senadora Heloisa Helena: competência, coragem, determinação

Senadora Heloisa Helena: competência, coragem, determinação

O ano de 2006 está chegando próximo do seu final.  O dia 13 de dezembro, o mesmo número que supersticiosos infundadamente receiam e que outros confian

Muito mais vida, eterna diva!

Muito mais vida, eterna diva!

Aos 84 anos, ainda repleta de vitalidade, com seu raro talento e sua singular formosura (uma vez, em entrevista, ela disse, sempre bem humorada, intel

Ortotánasia

  A singular Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovada por unanimidade dos conselheiros, no dia 09 de novembro pp, que autoriza ao médi

O 29 de outubro

O Brasil é pródigo em escolher e acolher efemérides próprias e estrangeiras. Talvez, por causa da índole do seu povo alegre, criativo, bonacheirão. No