Porto Velho (RO) domingo, 18 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Triste despedida - Por Carlos Sperança


Buscando resultados

É difícil calcular até que ponto a onda nacionalista inaugurada pelo trêfego presidente Donald Trump seria um bom exemplo para o Brasil. Trump bateu forte no líder coreano Kim Jong-un e depois de dobrá-lo se confessou apaixonado por ele. Sustenta atritos com o russo Vladimir Putin e o afaga com gestos de amizade. Com o chinês Xi Jinping segue uma guerra comercial por enquanto ainda civilizada, com tratamento mutuamente respeitoso. Joga com o peso dos EUA e consegue vantagens.

Ao trocar a Argentina pelo Chile como primeira visita, marginalizar o Mercosul e fazer sinais favoráveis a Israel e Taiwan, o presidente eleito Jair Bolsonaro testa limites e logo poderá verificar se os resultados serão similares aos de Trump.

O mundo tem uma grande expectativa em relação ao Brasil. Os consumidores internacionais pretendem adquirir produtos que estejam de acordo com a sustentabilidade ambiental. Os brasileiros também vão ganhando consciência de que o melhor desenvolvimento precisa se nortear por esse padrão.

Da Amazônia até os confins do planeta, o mundo está de olhos postos nos sinais que o novo presidente fará quanto a equalizar os projetos do agronegócio, energia e mineração com padrões razoáveis de preservação.




Triste despedida

Triste despedida - Por Carlos Sperança - Gente de Opinião

Vários deputados estaduais, mesmo com mandatos eficientes, estão se despedindo do poder Legislativo estadual nas próximas semanas, em face das derrotas sofridas em outubro ou de processos de impugnações. São Eles Hermínio Coelho (PC do B), Só na Bença (MDB), Airton Gurgacz (PDT), Ribamar Araujo (PP), Jesuino Borabaid (PTN), Saulo Moreira (MDB), Ezequiel Junior(PSDC) e Cleyton Roque(PSB).


Precauções

Para não levar a maior diferença histórica entre aqueles que disputaram eleição a prefeito em Porto Velho, o atual alcaide Hildon Chaves (PSDB) terá que tomar algumas precauções para o pleito de 2020. A humilhante derrota de Expedito ao governo do estado indica claramente que os tucanos precisam se reciclar, corrigir os rumos e trocar tudo que não está funcionando direito.


As pressões

Não é a toa que o governador eleito Marcos Rocha (PSL) tem se resguardado. Ele sofre fortes pressões de aliados em busca de indicações de cargos e de pastas para a gestão que se inicia em janeiro. Retraído também com a imprensa, ele quer ter números precisos sobre a atual administração do estado para projetar seu futuro. O que ele tem até agora indica um inicio difícil para a nova administração.


Não pretendem

Os prefeitos cassados em Rolim de Moura, Luizão do Trento (PSDB) e de Pimenta Bueno Juliana Roque (PSB) não pretendem disputar as eleições suplementares marcadas pela justiça eleitoral para 9 de dezembro. Eles mantém recursos nas instâncias superiores da justiça para se manter no cargo e melarem a eleição extra naqueles municípios.


Mais violência

A violência desandou de vez em Porto Velho. Não bastasse as cracolândias, também as bebunlândias e mendigolâncias se espalharem pelas ruas da capital.  Ao mesmo tempo, os traficantes de drogas disputam o mercado das drogas à bala e estão cada vez, mas próximos de nossos estabelecimentos de ensino. Cadê a patrulha escolar?



Via Direta
*** Várias promessas do governo Confúcio Moura ficaram pelo meio do caminho em Porto Velho *** Nem a nova rodoviária, tampouco o estádio e o Hospital de Emergência saíram do papel *** A crise chegou e o cobertor do orçamento ficou curto *** Mas a grande expectativa no futuro governo Marcos Rocha é ressuscitar o projeto do esgotamento sanitário que patina há mais de uma década.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

No limite prudencial da LRF, o novo governo de Rondônia vai ter que se espichar para dar conta do recado - Por Carlos Sperança

No limite prudencial da LRF, o novo governo de Rondônia vai ter que se espichar para dar conta do recado - Por Carlos Sperança

Fala-se na redução de secretarias e de cargos comissionados para a economia de recursos

Porto Velho  tem milhares de “rabichos” - Por Carlos Sperança

Porto Velho tem milhares de “rabichos” - Por Carlos Sperança

 A despolitização. Será?Como foi anunciada, a orientação do presidente eleito Jair Bolsonaro aos governadores eleitos pelo PSL nos estados de Rondônia

Governador Marcos Rocha procura formar a sua base aliada - Por Carlos Sperança

Governador Marcos Rocha procura formar a sua base aliada - Por Carlos Sperança

Balaio de incertezasHá 90 anos, quando Werner Heisenberg formulou o “princípio da incerteza”, é evidente que não tratou de sensações humanas, mas da i

Em Rondônia a despolitização será um desafio - Por Carlos Sperança

Em Rondônia a despolitização será um desafio - Por Carlos Sperança

Um guerreiro na selvaA presença de pelo menos um grande expert em assuntos amazônicos na equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pod